Pagamentos de direitos de TV entram na mira da Justiça

Resultado de imagem para Pagamentos de direitos de TV entram na mira da Justiça

Mesmo depois de citadas no maior escândalo de corrupção no futebol, empresas de marketing esportivo e operadoras suspeitas e com seus presidentes presos continuam a dar as cartas na modalidade, com reflexos no Brasil. É o caso da Datisa, detentora de contrato com a Conmebol sobre os direitos da Copa América de 2019, que será no País. A empresa alega já ter negociado esses direitos com várias redes de TV pelo mundo, e não quer abrir mão dos seus direitos. O impasse é mostra do poder dessas intermediárias, obtido muitas vezes por meio de corrupção.

A atuação de empresas de televisão, intermediários e companhias de marketing esportivo, que têm papel decisivo na gestão do futebol, voltou à ordem do dia com o julgamento em Nova York do ex-presidente da CBF, José Maria Marin, e de dois outros cartolas. Eles são acusados de crimes como fraude, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa.

De acordo com investigações do FBI, quatro dezenas de dirigentes de vários países sul-americanos ligados à Fifa, à Conmebol e também à Concacaf receberam mais de US$ 200 milhões (R$ 645 milhões) em propinas em duas décadas, para que cedessem direitos de TV e de marketing de seus torneios. As informações são de O Estado de São Paulo.

O cálculo é conservador, considerando-se que uma testemunha de acusação no processo em curso no Tribunal do Brooklin, o argentino Alejandro Burzaco, disse ter pago, só ele, US$ 160 milhões (R$ 516 milhões) em suborno a 30 cartolas. Burzaco foi por anos alto executivo da Torneos Y Competencias, empresa argentina que negociava direitos de transmissão de torneios como Copa América, Libertadores e Sul-Americana.

ORIGEM

O envolvimento de intermediários no futebol surgiu na própria Fifa. No anos 80, a entidade, alegando não ser especialista em marketing, se associou à ISL, empresa encarregada de revender direitos de transmissão da Copa do Mundo para a TV. O brasileiro João Havelange era o presidente da Fifa.

A estratégia funcionou. A renda com o Mundial deu um salto sem precedentes, atingindo o recorde no Brasil, em 2014 – foram arrecadados mais de US$ 2 bilhões (R$ 6,4 bi) apenas em transmissão. O dinheiro que as TVs injetaram no futebol nos últimos 30 anos transformou o esporte, elevou salários, enriqueceu clubes e aumentou a exposição dos patrocinadores.

A ISL passou a ser investigada na Suíça por se transformar também em banco paralelo da Fifa, por onde passaria o dinheiro que não podia ser contabilizado, a propina. Havelange e Ricardo Teixeira (ex-CBF) chegaram a ser acusados de receber propinas por meio de contas da ISL. Eles negaram. Mas tiveram de pagar multas na Justiça suíça para encerrar o processo.

Mesmo com a falência da ISL em 2001, o sistema estava inaugurado e seria utilizado em dezenas de países. A CBF e a Conmebol, em vez de negociar com as TVs, repassavam a tarefa a uma empresa intermediária.

“A TV é o sangue do futebol’’, afirmou ao Estado Patrick Nally, especialista em marketing que, nos anos 1970, foi contratado pela Fifa para ensinar um jovem dirigente chamado Joseph Blatter a montar a estrutura comercial da entidade. Hoje, Nally é considerado um dos papas do marketing esportivo.

“As redes globais não apenas estão pagando preços substanciais pelo futebol, seja por Copas, Ligas dos Campeões ou Nacionais, mas também expondo times e federações para obter patrocínio, marketing e renda.’’

O que agora as investigações revelam é que, ao longo dos anos, esses direitos passaram a ser concedidos com a condição de que os cartolas participassem dos lucros gerados com a venda. Ou seja: pediam, e receberam, propinas. “As intermediárias cobram um valor acima do estipulado pela federação e a diferença é repartida aos dirigentes”, disse ao Estado ex-funcionário de emissora de TV que pediu anonimato.

HERANÇA MALDITA

O problema, segundo dirigentes que assumiram cargos após a prisão dos cartolas em 2015, é que muitos dos contratos vigentes são aqueles assinados com as empresas que confessaram a corrupção. Um dos aspectos mais complicados juridicamente é a Copa América de 2019. Oficialmente, a empresa que detém os direitos para vendê-los às TVs é a Datisa, acusada nos EUA de pagar mais de US$ 100 milhões em propinas para ficar com os direitos do torneio entre 2013 e 2023.

A Datisa reúne as empresas Traffic, Torneos y Competencias e a Full Play, todas acusadas de corrupção. Seus dirigentes – J. Hawilla, Alejandro Burzaco e Hugo e Mariano Jinkis – foram denunciados por lavagem de dinheiro, fraude e organização criminosa. Hawilla admitiu ser culpado e passou a colaborar com a justiça dos EUA. As revelações de Burzaco semana passada apontaram para o envolvimento de Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, no esquema de corrupção. Ele nega.

A Datisa considera que o contrato da Copa América no Brasil, em 2019, é seu. Alega que já revendeu seus direitos para várias empresas, como a Rede Globo. De fato, ao longo de dez anos, a megaempresa destinou US$ 352 milhões pelas diferentes edições da competição.

O Estado apurou que dirigentes brasileiros e da Conmebol já admitem ter de pagar “compensação” para que a Datisa libere o contrato e outra empresa revenda os direitos de TV. A CBF diz que o assunto é “exclusivo’’ da Conmebol, que já anunciou que vai romper judicialmente o contrato. Na Copa América de 2016, nos EUA, a Conmebol conseguiu tirar a Datisa e revendeu ela os direitos. A suspeita é que rescisão teria envolvido pagamento de US$ 40 milhões feito pela entidade à empresa para o acordo. COLABOROU ALMIR LEITE

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: