Declarações de Gilmar mudam entre 2015 e 2017

PODER - Brasilia - Quarta sessao do julgamento da cassaçao da chapa Dilma/Temer que acontece no TSE - Tribunal Superior eleitoral. Cenas gerais do lado de fora do plenario. Na foto, o Ministro Gilmar Mendes solta uma gargalhada pouco durante o voto do Ministro Luiz Fux. 09/06/2017 - Foto - Marlene Bergamo/Folhapress - 017 -

O presidente do TSE, Gilmar Mendes, deu declarações destoantes sobre a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer entre 2015, quando defendeu a continuidade do processo, e 2017, quando votou pela absolvição.

No voto de agosto daquele ano, Gilmar defendeu, por exemplo, que as instituições tinham de cumprir seu papel apesar da crise pela qual passava o governo Dilma. “Ponderaram-me que não deveríamos votar este processo hoje, porque estamos diante de manifestação no dia 16 de agosto. Mas este fato não se justifica, as instituições têm que cumprir seu papel”, afirmou.

Neste ano, porém, o ministro disse que a instabilidade política deveria ser levada em conta. “Temos uma situação bastante singular, que é a impugnação de chapa presidencial, em um grau de estabilidade ou de instabilidade que precisa ser considerado.” As informações são da Folha de São Paulo.

Seu voto em 2015 foi citado pelo relator da ação, ministro Herman Benjamin, que pediu a cassação. Em um dos trechos lembrados, Gilmar afirmou que seu pedido de vista havia demorado cinco meses por ter de fazer atualizações “a toda hora”, “em função dos fatos que se sobrepõem”.

“Puxa-se uma pena e vem uma galinha na Lava Jato”, disse.

Nesta semana, criticou o relator, que defendeu a inclusão das delações da Odebrecht. “Teria que manter o processo aberto e trazer as delações da JBS. E talvez as de Palocci”, afirmou. “Há limites que o processo estabelece.”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: