Bolsonaro nomeia para transição dono da maior fornecedora da campanha

Parte da equipe de transição do governo Bolsonaro, da esquerda para a direita, Marcos Pontes, general Augusto Heleno, Onyx Lorenzoni e o empresário Marcos Aurélio Carvalho

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), nomeou para compor a equipe de transição um dos donos da AM4, a maior prestadora de serviços da candidatura do capitão reformado, envolvida no episódio dos disparos em massa pelo Whatsapp revelado pela Folha.

Marcos Aurélio Carvalho é um dos 28 nomes que foram publicados no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (5).

A remuneração de Carvalho será de R$ 9.926,60 durante a transição governamental. Ele participou de reunião da equipe de transição nesta segunda, em Brasília, com os futuros ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, da Defesa, general Augusto Heleno, e da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.

Procurado pela reportagem, Carvalho explicou que vai “ajudar na comunicação” da equipe e enviou nota na qual afirma que todas as ações da campanha de Bolsonaro foram regulares.  Talita Fernandes e Laís Alegretti – Folha de São Paulo

A campanha de Bolsonaro apresentou na última terça-feira (30) ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) um gasto adicional de R$ 535 mil com a AM4 Brasil Inteligência Digital LTDA. Isso tornou a empresa, segundo os dados disponíveis até aquele momento, a maior prestadora de serviços da candidatura do capitão reformado. O custo com a empresa soma R$ 650 mil.

Folha mostrou que empresários impulsionaram disparos em massa por WhatsApp contra o PT na campanha que se encerrou no dia 28. A prática é ilegal, pois se trata de doação de campanha por empresas, vedada pela legislação eleitoral, e não declarada.

Na época da publicação da reportagem, a AM4 era a única prestadora de serviços de internet declarada na prestação de contas do candidato do PSL.

A empresa afirmou à Folha, na ocasião, que tinha apenas 20 pessoas trabalhando na campanha. “Quem faz a campanha são os milhares de apoiadores voluntários espalhados em todo o Brasil. Os grupos são criados e nutridos organicamente”, afirmou Marcos Aurélio Carvalho, em outubro.

Na época, ele afirmou que a empresa mantinha apenas grupos de WhatsApp para denúncias de fake news, listas de transmissão e grupos estaduais.

A assessoria de imprensa da AM4 afirmou à Folha que não contratou impulsionamento de conteúdo na internet e que o pagamento de R$ 535 mil se deve ao aumento de seu trabalho no segundo turno, “quando o candidato passou a ter tempo de rádio e TV e a AM4  também passou a dirigir os filmes da campanha.”

No dia 26 de outubro, a AM4 admitiu ao UOL, empresa do Grupo Folha, que contratou serviços de disparo em massa, mas sem objetivos eleitorais.

Em nota enviada à Folha nesta segunda, a empresa deu a mesma versão. Conforme o jornal noticiou em outubro, a empresa seria notificada pelo WhatsApp caso se comprovasse alguma irregularidade. Inicialmente, a AM4 não foi punida com suspensão de contas, ao contrário do que ocorreu com outras agências. 

“A AM4 já esclareceu em diversas oportunidades que não adota, não recomenda e reputa ineficaz o envio de mensagens em massa por Whatsapp para contatos de base de dados que não seja própria”, disse.

“A campanha presidencial de Jair Bolsonaro em nenhum momento utilizou-se de disparos de mensagens em massa por Whatsapp, nesse sentido. O único disparo efetuado, para apenas 8 mil contatos, tinha como conteúdo tão somente o novo número de celular, para que doadores previamente cadastrados pudessem fazer contato. Todas as ações da campanha foram absolutamente regulares e respaldadas pela legislação eleitoral”, afirmou a empresa.

A reportagem do UOL teve acesso a registros da AM4 no serviço de mensagens chamado Bulk Services. Os dados mostram que, no dia 18 de outubro, horas depois de a reportagem da Folha ter sido publicada, informações referentes às campanhas da AM4 foram apagadas no sistema da Yacows, que oferece um serviço de disparos de mensagens em massa pelo WhatsApp. 

“No tocante à essa informação, a AM4 também já se pronunciou em outras oportunidades, inclusive para informar que não apagou qualquer de seus registros e que não teria razões para fazê-lo. Acrescenta, ainda, que a própria tela com os supostos registros apagados mostra que o conteúdo das mensagens era a informação sobre número de telefone novo, para usuários previamente cadastrados, o que é perfeitamente amparado pela legislação”, diz a empresa.

“A AM4 Notificou Extrajudicialmente a empresa responsável pelo sistema da Yacows, para que esta preste esclarecimentos sobre o suposto apagamento de registros: se a informação procede e, em caso afirmativo, por quem teria sido efetuado.”


Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: