Tucanos pedem a renúncia de Aécio

Eleições tucanas

No dia 18 de maio de 2013, o senador Aécio Neves deu o primeiro passo em sua caminhada rumo à candidatura presidencial do ano seguinte ao ser eleito presidente do PSDB com 97,3% dos votos dos delegados na convenção da sigla, que aconteceu em Brasília. Foi um evento consagrador. Entre governadores, parlamentares, prefeitos e militantes, cerca de 4 mil tucanos compareceram ao ato partidário.

Nos quatro anos seguintes, o tucano comandou o partido de forma centralizadora com o respaldo dos principais caciques da legenda do País. Mesmo após as primeiras citações ao nome de Aécio nas delações da Lava Jato, sua liderança parecia inabalável. A delação da JBS, porém, implodiu a estrutura de poder criada pelo senador mineiro e provocou uma “revolução” nas bases dos partidos.

Antes leais a Aécio, esses quadros em ascensão querem agora aproveitar para acabar com o que consideram a era do “caciquismo” tucano. Os chamados “cabeças pretas” pregam agora teses que vão da refundação do partido às eleições diretas para eleger o novo líder da legenda.

Esse grupo, que é formado pela “ala jovem” do PSDB na Câmara e prefeitos eleitos no ano passado, também defende o desembarque imediato do governo Michel Temer e a renúncia definitiva de Aécio do comando – o senador foi afastado após as denúncias da JBS. Durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff, foram eles que assumiram a linha de frente do partido pressionando os caciques para dar apoio à saída da petista.

“Se o PSDB não mudar, será confundido com os demais partidos e vai se afundar”, disse o prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior, que disse ver espaço para disputa interna.

Aos 45 anos, o gaúcho é um dos principais representantes dos “cabeças pretas”. Ele avaliou que o eleitorado está em busca de um novo perfil de político. “Quem não mudar ou ficar em cima do muro vai cair dele. As pessoas querem ter em quem confiar. Querem menos ideologia e mais resultado”, afirmou.

Base. É a mesma posição do prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa, de 38 anos, reeleito em primeiro turno no ano passado com 77% dos votos. Ele defende a participação da base em qualquer tipo de escolha. “Político com medo de disputar eleição não serve para estar na vida pública. Defendo eleição interna direta. A base deve ser ouvida e os filiados participarem”, disse.

Ainda mais novo, com 37 anos, deputado licenciado Bruno Covas, vice-prefeito de São Paulo, disse que a renovação necessária ao PSDB já está em andamento e sob o comando da ala jovem. “Acredito que, em função do atual momento, essa troca de bastão pode ser acelerada.”

Segundo ele, a prorrogação do mandato de Aécio – sem a realização de uma convenção nacional –, no ano passado, foi equivocada. “Podemos rever essa decisão, ao meu ver, e, passado esse turbilhão, temos de antecipar essa renovação da direção partidária no segundo semestre.”

Para o deputado federal licenciado, Floriano Pesaro, de 49 anos, a nova geração tucana está pronta para assumir o comando. “É hora de trocar, os mais jovens têm de assumir o protagonismo”, disse o atual secretário estadual de Desenvolvimento Social.

Aos 42 anos, o prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando, afirmou que “é o momento de o PSDB renovar a Executiva e aproveitar para oxigenar o partido.” Sua avaliação é de que Aécio não tem mais condições de continuar na presidência do partido, ainda que afastado, devendo renunciar. Mesmo que isso ocorra, porém, a chance de “diretas já” dentro da legenda ainda está longe de ser viabilizada.

Mas, de acordo com o deputado federal Otávio Leite, presidente do PSDB-RJ, não apenas o comando deve mudar, mas o estatuto, considerado por ele do “século passado”.

Outro lado. Em nota, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) disse que “respeita todas as manifestações e vai exercer seu legítimo direito de defesa demonstrando a criminosa armação de que foi vítima” e provar a correção dos seus atos. “Ele continua em contato com as principais lideranças do partido, das quais têm recebido total apoio e discutido os caminhos a serem tomados pelo partido”, afirma a nota.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: