Suposição de que Dodge veio para salvar Temer ganha nova estatura

O presidente Michel Temer na cerimônia de posse de Raquel Dodge na PGR

Por Jânio de Freitas – Folha de São Paulo

A estreia da procuradora-geral da República em expor sua orientação pessoal, e não mais como rescaldos do antecessor Rodrigo Janot, não resultou favorável a ela nem a nós. A menos que Raquel Dodge apresente comprovação, ao menos indícios aceitáveis, da novidade que disse, a suposição de que vem para salvar Michel Temer ganha nova estatura. Não pode mais ser vista como precipitada ou interessada.

A meio dos motivos contrários à liberação de Geddel Vieira Lima, preso em Brasília, Dodge aponta-o como líder da organização criminosa hoje central no noticiário. A forma verbal “parece” atuar como chefe não altera o ineditismo da qualificação. Nem diminui os efeitos benéficos dessa novidade para Temer: dado como chefe, Geddel livra superiores hierárquicos de tal acusação e, de quebra, teria embaraços para um acordo de delação premiada temida por Temer –como Bernardo Mello Franco registrou com outra formulação, na Folha de sexta (20).

Geddel nunca foi considerado “o chefe”. Mesmo a ideia de organização, a que procuradores recorrem com facilidade porque os ajuda na explicação do crime, além de aumentar as penas, não é correta nesse caso. Cada um dos incriminados integrantes do PMDB, seus doleiros e intermediários é um livre-atirador que, para certos golpes, uniu-se a outros, mas seu objetivo de ganho era individual. Além da ambição desse ganho nada os aproximou. O perigoso Geddel é um desses há 30 anos. Compuseram uma organização, nem propriamente uma quadrilha. Sociedade, isso sim, ocasional mas frequente.

Com estilo diferente, só Michel Temer. Usar intermediários é o seu modo típico. José Yunes, Eduardo Cunha, Lúcio Funaro, Geddel Vieira Lima, Rocha Loures, Moreira Franco, Eliseu Padilha e outros, já identificados ou ainda nas sombras, estão citados nas investigações como pessoas acionadas por Temer para chegar a terceiros, com missão definida.

Os três primeiros da lista distinguem-se pelo requinte de manter seus escritórios ao redor das instalações do advogado Temer. Duros, afinal de contas, eram os tempos de uma caverna para quarenta. Com o avanço da civilização paulistana, cada um dos quatro tem a sua, mas próximas todas para diminuir o risco –na explicação de Funaro– de levar malas com dinheiro grosso entre os destinatários.

Há, de fato, e gravados, exemplos de ordens comprometedoras, dadas à maneira de chefe. Não de Geddel ou de outro dos intermediários. São assim: “Tem que manter isso, viu?”. Ao que o ouvinte responde, obediente: “Todo mês, todo mês”. Em outro momento, quando o ouvinte lamenta a perda da intermediação de Geddel e se refere à alternativa Rocha Loures, ouve a determinação: “Fale com ele”. É preciso saber se o deputado representa mesmo a Presidência, se pode falar tudo com ele, e é tranquilizado: “Pode falar tudo. Fale com ele”.

O grupo dos intermediários não se ligou por sua conta, no entanto tem/tinha um elo comum chamado Michel Temer. Não há por que tirar-lhe essa honra, à falta das outras.

Empreendedor no mesmo ramo, Aécio Neves adotou o método das intermediações. Mas, bom moço, deu um sentido familiar à atividade. Sua irmã abria caminho às extorsões acobertadas como venda de imóvel, muito acima do valor; ou para pagar um advogado que a riqueza da família poderia quitar como nós outros pagamos o cafezinho. O apanhador, “o mala” na nomenclatura especializada, era um primo. Um tio e um político têm papel ainda mal definido, porque investigar a concorrência de Aécio a Eduardo Cunha e Cabral não tem suscitado entusiasmo em procuradores.

Temer diz que é vítima de uma conspiração. Eduardo Cunha se acha injustiçado. Aécio quer “uma saída honrosa”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: