PSDB evita reafirmar apoio e prega eleição indireta em eventual transição

Tasso Jereissati diz que não é possível 'ficar brincando de mudar a Constituição'

Tasso Jereissati diz que não é possível ‘ficar brincando de mudar a Constituição’

Por Ranier Bragon – Folha de São Paulo

Apesar do discurso de que não irá tomar nenhuma medida para agravar a crise, o PSDB, principal aliado do PMDB na base de apoio a Michel Temer, evitou reafirmar apoio ao presidente da República nesta quarta-feira (24) e já discute abertamente uma eventual transição.

Após se reunir com toda a bancada de deputados federais, o presidente interino do PSDB, o senador Tasso Jereissati (CE), disse que o partido se coloca frontalmente contrário à alteração da Constituição para a realização, agora, de eleições diretas.

Em caso de queda de Temer, a lei estabelece nesse momento escolha indireta, pelo Congresso. “A Constituição é fundamental, nós vamos nos apegar de todas as maneiras à letra da Constituição. Não vamos sair da Constituição sequer um milímetro”, disse Tasso, para quem defender diretas-já neste momento seria um “casuísmo”. “Não podemos ficar brincando de mudar a Constituição a cada crise.”

O tucano é um dos principais nomes cogitados para concorrer à sucessão do peemedebista, caso ele deixe mesmo o Palácio do Planalto. Questionado diretamente sobre isso, ele fez piada. Diz que sua maior pretensão nesse momento é “ser prefeito de Pacoti [interior do Ceará, onde ele tem um sítio].”

O presidente do PSDB se negou ainda a responder diretamente, por duas vezes, a pergunta sobre se é possível superar a crise com Temer no comando da nação.

Ele se limitou a dizer que a superação passa pelo “diálogo” com o peemedebista. Nos bastidores, os tucanos esperam ter o apoio dos peemedebistas para emplacar o novo presidente na eleição indireta.

Na reunião a portas fechadas, a cúpula do PSDB decidiu que irá fazer uma avaliação dia a dia da manutenção ou não do apoio a Temer. O desembarque do partido é visto como a gota d’água que precipitaria a queda de Temer, já que é o principal aliado do PMDB no governo.

“A definição de qualquer que seja o movimento que venhamos a ter vai ser em conjunto com o partido, não vai ser da Câmara, do Senado, dos governadores, prefeitos, da Executivo, vai ser do partido. Vamos intensificar as conversas cada vez mais, acompanhar hora a hora o desdobramento da crise”, disse Tasso.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: