fbpx

PMDB e aliados já querem lotear a Polícia Federal

Fernando Segóvia é especialista no combate ao tráfico de drogas e armas nas fronteiras e já atuou como adido do Brasil na África do Sul.
Foto: Antonio Cruz/Abr.

Com a nomeação publicada nesta quinta-feira (9) no “Diário Oficial da União”, o novo diretor geral da Polícia Federal (PF), Fernando Segóvia, já começou a trabalhar, apesar de a cerimônia de posse ser somente em 20 de novembro. Ele decidiu trocar todo o comando da instituição, e seus “padrinhos” políticos – principalmente o PMDB – também estão se mobilizando para levar até ele indicações para postos estratégicos na corporação.

Segundo um interlocutor de Segóvia, o delegado Sandro Avelar deverá ser o vice-diretor, o segundo cargo mais importante na hierarquia da PF. Ex-presidente da Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF),

Avelar foi candidato a deputado federal pelo PMDB nas eleições de 2014, mas, com 21.888 votos, ficou em 19º lugar na disputa por uma das oito vagas reservadas na Câmara para o Distrito Federal. Na manhã de quinta, ele chegou a participar de uma reunião com Segóvia e o ex-diretor geral da PF Leandro Daiello. As informações são de O Tempo.

Segóvia também teria escolhido o delegado Cláudio Gomes, ex-corregedor geral, para comandar a diretoria de Inteligência. A de Combate ao Crime Organizado deverá ser ocupada por um delegado que hoje trabalha na PF do Espírito Santo. Segóvia começou a montar a equipe às pressas. Segundo um interlocutor, ele esperava ser escolhido como diretor da PF, mas não sabia que a indicação ocorreria nesta semana.

Segundo a “Coluna do Estadão”, o PMDB – um dos principais fiadores de Segóvia e um dos partidos com maior número de investigados pela Lava Jato – já fala em lotear as superintendências da PF nos Estados.

Segóvia assume o comando da PF num momento em que a Lava Jato começa a perder força dentro da corporação. Delegados que participam das forças-tarefa em Brasília e nos Estados reclamam que o governo federal reduziu o orçamento da operação. Inclusive, a força-tarefa em Curitiba, onde se concentram as principais investigações, foi destituída.

Com isso, o novo diretor geral assume o cargo sob múltiplas pressões: da sociedade, que defende a continuidade da Lava Jato; de parte da própria corporação, que queria a continuidade da gestão de Daiello; e do governo, alvo de investigações.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: