Dilma sofre de ‘amnésia moral’, diz marqueteiro João Santana

Dilma

Marqueteiro afirma ao TSE que, ‘infelizmente’, presidente cassada sabia de caixa 2 e se sentia chantageada por Marcelo Odebrecht

O uso de caixa 2 na campanha eleitoral de Dilma Rousseff (PT) em 2014 reforçou a percepção de que os políticos brasileiros sofrem de “amnésia moral”, disse em depoimento sigiloso à Justiça Eleitoral o marqueteiro João Santana, responsável pelas campanhas do PT à Presidência da República em 2006, 2010 e 2014. Segundo o publicitário, Dilma “infelizmente” sabia do uso de recursos não contabilizados em sua campanha e se sentia “chantageada” pelo empreiteiro Marcelo Odebrecht.

De acordo com Santana, a petista teria sido uma “Rainha da Inglaterra” em se tratando das finanças de sua campanha, não sabendo de todos os detalhes dos pagamentos efetuados.

No entanto, indagado se a presidente cassada tinha conhecimento de que parte das despesas era paga via caixa 2, o marqueteiro foi categórico: “Infelizmente, sabia. Infelizmente porque, ao me dar confiança de tratar esse assunto, isso reforçou uma espécie de amnésia moral, que envolve todos os políticos brasileiros. Isso aumentou um sentimento de impunidade”. As informações são da Agência Estado.

Leia maisDilma sofre de ‘amnésia moral’, diz marqueteiro João Santana

PSDB grava programa só com as caras novas da sigla

O PSDB começou neste fim de semana as gravações para seu programa nacional de televisão, que será exibido dia 15 de maio. Com quadros tradicionais extremamente desgastados pelos desdobramentos da Operação Lava Jato, até agora só novos rostos na estrutura da legenda foram acionados para aparecer.

Integrantes da sigla admitem que é “improvável” a exibição de nomes há pouco vistos como os maiores símbolos do tucanato, como Aécio Neves e Geraldo Alckmin.

Unidos pela dor, Aécio e Alckmin marcaram para esta semana uma conversa. O senador mineiro virá a São Paulo para encontrar o governador. Será a primeira reunião após a avalanche que a delação da Odebrecht fez desabar sobre os dois. As informações são da coluna Painel da Folha de São Paulo.

Lula diz ver espaço para diálogo com FHC, mas refuta conversa com Temer

Lula participa seminário sobre economia, promovido pelo PT e pela Fundação Perseu Abramo, em Brasília (DF), nesta segunda

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) fez nesta quarta-feira (26) um aceno público em direção à abertura de diálogo com Fernando Henrique Cardoso (PSDB), seu antecessor no Palácio do Planalto.

“Eu fiquei muito agradecido quando ele foi me visitar no hospital, foi visitar a dona Marisa, e acho que há um espaço para conversar sobre reforma política e também discutir sobre economia, não tem problema”, afirmou em entrevista ao SBT.

Lula refutou, no entanto, a possibilidade de aproximação com o presidente Michel Temer (PMDB). Disse que, “sinceramente”, não tem interesse em conversar com ele. “A forma como ele chegou ao governo não condiz, inclusive, com as conversas que tive com ele.”

Desde a visita de FHC e Temer ao petista durante o período em que a ex-primeira dama Marisa Letícia estava internada, em fevereiro deste anos, auxiliares do trio tratam da possibilidade de conversas, principalmente em torno da reforma política.

Na entrevista, o petista disse também que não vai fazer “nenhum acordo sobre a Lava Jato”. “Se tiver de ter reunião entre os políticos, tem de ser os presidentes dos partidos que puxem, é para discutir reforma política”

Leia maisLula diz ver espaço para diálogo com FHC, mas refuta conversa com Temer

Com cadeira vazia, Vice-Presidência já gastou R$ 300 mil no ano

O presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice, onde ele voltou a morar

O presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice, onde ele voltou a morar

DANIEL CARVALHO e GUSTAVO URIBE – Folha de São Paulo

Michel Temer não tem um vice-presidente para chamar de seu, mas o gabinete da Vice-Presidência da República, no qual há apenas um servidor lotado, gastou R$ 361,8 mil dos cofres públicos nos três primeiros meses do ano.

A despesa no período foi superior, por exemplo, à realizada pela Secretaria de Governo, responsável pela negociação com o Poder Legislativo e que teve gasto de R$ 17,9 mil, e pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão, cujo desembolso foi de R$ 33,3 mil.

Os gastos da Vice-Presidência, segundo informações do Portal da Transparência, foram com serviços como luz, água, copiadoras, limpeza e cozinha. Só com uma empresa de contratação de terceirizados, o gabinete desembolsou R$ 72,4 mil.

O único funcionário lotado na Vice-Presidência é um oficial de gabinete que ganha R$ 2.220,16. Segundo o Palácio do Planalto, entre as suas funções administrativas estão responder pedidos de Lei de Acesso à Informação, fazer relatórios de gestão e controle de despesas e acompanhamento de processos com órgãos de controle.

Leia maisCom cadeira vazia, Vice-Presidência já gastou R$ 300 mil no ano

Silvio Santos, Ronaldo e outros famosos comparecem ao casamento de Patricia Abravanel e Fábio Faria

Patricia Abravanel e Fabio Faria (Foto: Reprodução/Instagram)

Por Beatriz Bourroul – Revista Quem Globo

Patricia Abravanel e Fábio Faria se casaram na tarde deste sábado (29). A cerimônia aconteceu na mansão de Silvio Santos, pai da apresentadora, no bairro do Morumbi, na zona sul da cidade de São Paulo. Ela caminhou até o altar de braço dado com o apresentador.

Junto desde 2013, o casal decidiu celebrar a união de maneira íntima, reunindo cerca de 200 convidados, entre amigos próximos e familiares. O filho deles, Pedro, de 2 anos, esteve presente na cerimônia.

Na porta da mansão, Wanessa Camargo e o marido, Marcus Buaiz, além de Ronaldo e Celina Locks, Tiago Abravanel, Silvia Abravanel e o próprio Silvio Santos, muito simpático e sorridente, posaram para as fotos.

A noiva preferiu se arrumar dentro de casa e pediu, gentilmente, para que os convidados não compartilhassem imagens da cerimônia – por conta disso, uma hashtag oficial do evento não foi divulgada.

 

Governo acena com concessões antes de votar reforma da Previdência

Uma das medidas em discussão é parcelar dívidas do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural

POR BÁRBARA NASCIMENTO – O Globo

Após a votação da reforma trabalhista, o governo deve se articular nessa próxima semana e fazer concessões à base com a intenção de angariar mais votos para a reforma da Previdência. Como se trata de uma proposta de emenda constitucional (PEC), são necessários 308 votos. Entre as medidas discutidas está a permissão para parcelamento das dívidas do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), que equivale a uma contribuição previdenciária paga por produtores a trabalhadores rurais.

Muitos produtores deixaram de contribuir para o fundo com base em uma decisão liminar de 2011, que questionava a constitucionalidade da cobrança. Há cerca de um mês, no entanto, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a cobrança é constitucional e que os produtores têm que pagar o passivo desses anos, estimado em R$ 10 bilhões.

A questão foi alvo de reunião na última semana com a Frente Parlamentar da Agropecuária, a confederação que representa o setor e as equipes política e econômica do governo. As discussões foram acaloradas e um dos deputados da frente deixou claro que este não é o momento de comprar uma briga desnecessária com os parlamentares e que o ideal seria uma solução política para o assunto, e não econômica.

Leia maisGoverno acena com concessões antes de votar reforma da Previdência

Juiz federal autoriza empresas aéreas a cobrarem para despachar bagagem

Resolução da Anac permitindo a cobrança estava suspensa desde março por liminar

POR ANDRÉ DE SOUZA – O Globo

O juiz Alcides Saldanha Lima, da 10ª Vara Federal do Ceará, revogou a decisão que proibia as companhias aéreas de cobrar pela bagagem despachada. Ele aceitou um recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) e restabeleceu uma resolução da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A norma autorizando a cobrança começaria a vigorar em 14 de março deste ano, mas um juiz federal de São Paulo suspendeu essa parte do texto, mantendo as antigas regras.

O juiz federal do Ceará argumentou que a desregulamentação da franquia de bagagem não é uma violação dos direitos do consumidor. Ele argumentou inclusive que a resolução da Anac poderá levar ao barateamento das passagens áreas. Destacou ainda que as empresas buscam lucro e, de uma forma ou de outra, têm de repassar seus custos nos preços da passagem. Sem a resolução da Anac, diz o juiz, as empresas acabam onerando quem leva pouca ou nenhuma bagagem, em detrimento dos passageiros que carregam várias malas.

Leia maisJuiz federal autoriza empresas aéreas a cobrarem para despachar bagagem

Moro confisca 26 bens do cofre de Lula e manda devolver à Presidência

Os objetos estão armazenados em uma sala no Banco do Brasil, no centro de São Paulo, e foram apreendidos em março de 2016 na Operação Lava Jato

O juiz federal Sérgio Moro autorizou a Presidência da República a incorporar ao patrimônio da União 26 bens do cofre do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os objetos estão armazenados em uma sala no Banco do Brasil, no centro de São Paulo, e foram apreendidos em março de 2016 na Operação Lava Jato. Na ocasião, Lula se referiu aos objetos como “tralhas”.

Durante seus mandatos, entre 2003 e 2010, o petista recebeu centenas de itens. Após avaliação da Secretaria de Administração da Presidência, Moro considerou que um acervo de 21 bens deve ser restituído em favor da União.

“Constatou este Juízo que havia alguns bens entre os apreendidos que teriam sido recebidos, como presentes, pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o exercício do mandato, mas que, aparentemente, deveriam ter sido incorporados ao acervo da Presidência e não ao seu acervo pessoal. É que agentes públicos não podem receber presentes de valor e quando recebidos, por ser circunstancialmente inviável a recusa, devem ser incorporados ao patrimônio público”, anotou Moro.

Leia maisMoro confisca 26 bens do cofre de Lula e manda devolver à Presidência

Ex-presidente do INSS ligado a Garibaldi é alvo de busca e apreensão

Resultado de imagem para fotos de garibaldi alves e lindolfo sales

Por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), foram cumpridos mandados de busca e apreensão contra suspeitos de operar recebimento de propina em contratos da Transpetro, subsidiária da Petrobrás.

O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, revelou à PGR ter repassado, em 11 anos, R$ 100 milhões em propina aos peemedebistas. O dinheiro, supostamente oriundo de contratos da estatal, teria sido pago em espécie e por meio de doações oficiais.

Machado contou que Garibaldi, em eleições, sempre o procurava solicitando recursos. O último encontro, de acordo com ele, se deu em 2014, quando o senador era ministro da Previdência. Machado disse ter viabilizado R$ 700 mil para o congressista por meio de contribuições de empreiteiras que tinham contratos com a Transpetro.

Leia maisEx-presidente do INSS ligado a Garibaldi é alvo de busca e apreensão

Sindicatos devem arcar com prejuízo, diz Doria

ctv-v8j-doria-bilo

Durante greve na última sexta-feira, atos de vandalismo ocorreram em São Paulo; sindicatos não concordam com decisão de cobrar prejuízo

Matheus Mans e Luciana Dyniewick , O Estado de S.Paulo

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ontem que os sindicatos que participaram da organização da greve geral na cidade, na última sexta-feira, terão de pagar pelos prejuízos causados no mobiliário urbano. “Vamos cobrar todos os sindicatos”, disse o prefeito durante evento do programa Cidade Linda. “Eles irão dividir a conta do prejuízo que deram à cidade.”

Ao Estado, a assessoria da Prefeitura de São Paulo afirmou que informações sobre o tamanho dos danos estão sendo levantadas e que apura ainda quais são os movimentos envolvidos na quebra de semáforos, pontos de ônibus e outros objetos em vias públicas da cidade para que seja feita a cobrança. “Os subprefeitos da cidade já estão avisados que precisam calcular os prejuízos em seus bairros”, afirmou o político.

Leia maisSindicatos devem arcar com prejuízo, diz Doria

Problema do Funrural é complexo e não pode ser resolvido por MP, diz Maggi

Resultado de imagem para maggi agricultura

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, avaliou neste sábado, 29, que uma saída resolver o problema Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) pode não passar pela edição de uma Medida Provisória (MP), diante da complexidade do assunto.

Ele lembrou que a decisão de março do Supremo Tribunal Federal (STF) tem dois impactos aos produtores: o retorno da cobrança do tributo sobre a receita bruta de agricultores e pecuaristas – uma alíquota de 2,3% para pessoa física e 2,6% para jurídica – e ainda a geração de um passivo estimado em R$ 10 bilhões do tributo não recolhido nos últimos cinco anos.

“Conversei com o presidente (Michel Temer) esta semana e a tendência era essa (a edição de uma MP). Mas me parece que o problema não é tão simples e fazer MP para resolver esse assunto deixariam umas pendências”, disse o ministro em entrevista após a abertura da ExpoZebu, em Uberaba (MG).

Leia maisProblema do Funrural é complexo e não pode ser resolvido por MP, diz Maggi

Votação de proposta indica apoio ‘oculto’ à Previdência

Câmara dos Deputados

O placar da reforma trabalhista mostra que o governo tem hoje uma margem de, pelo menos, 191 deputados para negociar o voto a favor da reforma da Previdência, aponta levantamento do Broadcast Político em parceria com o Estadão Dados.

Esses parlamentares estão entre os 296 que votaram a favor das mudanças na CLT e os 39 que se ausentaram da votação, mas se declaram indecisos ou não querem responder ao Placar da Previdência do Estado sobre a reforma previdenciária.

A maioria desses “potenciais votos” está em partidos do chamado núcleo duro do governo, à frente de importantes ministérios. O PMDB, do presidente Michel Temer, tem 33 deputados nesse perfil. Já o PSDB, um dos principais aliados do governo, tem 24 desses votos. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia maisVotação de proposta indica apoio ‘oculto’ à Previdência

Ação da PF mira advogado de Renan e aliados de Jucá, Sarney e Garibaldi

Foram expedidos 10 mandados para serem cumpridos em Alagoas, Rio Grande do Norte, Sergipe, São Paulo e no Distrito Federal., todos de busca e apreensão. Não houve prisões.

Por Bela Megale – Folha de São Paulo

A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (28) a Satélites 2, segunda fase da operação que mira pessoas relacionadas a políticos que estão sob investigação no âmbito da Lava Jato.

Entre os alvos está o advogado do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) Bruno Mendes, que já foi assessor parlamentar do alagoano

Também foram alvos uma ex-assessora do gabinete do senador Romero Jucá (PMDB-RR), um assessor do ex-presidente da República José Sarney (PMDB) e um antigo chefe de gabinete do senador Garibaldi Alves (PMDB-RN).

Outras pessoas ligadas ao PMDB nesses Estados também foram alvo da operação.

Leia maisAção da PF mira advogado de Renan e aliados de Jucá, Sarney e Garibaldi

Delator-chave é excluído de petição contra Alckmin

O governador Geraldo Alckmin participa do sorteio de casas populares, pelo programa CDHU em Patrocínio Paulista (SP), na manhã desta sexta-feira (21).

THAIS BILENKY – Folha de são Paulo

Peça-chave no suposto esquema de caixa dois da campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) em 2014, o delator Luiz Bueno não foi incluído na petição contra o governador de São Paulo.

Então chefe da Odebrecht em São Paulo, Bueno teria sido o responsável por negociar o valor e organizar os repasses a um interlocutor de Alckmin em 2014, segundo relatos que integram a peça da PGR (Procuradoria-Geral da República).

O ex-executivo da empreiteira foi apontado por dois outros delatores como o articulador da operação com Marcos Monteiro, hoje secretário do governo. A delação de Bueno está em sigilo.

Arnaldo Cumplido, então diretor de contrato da Odebrecht com a Linha 6 do Metrô de SP, afirmou aos procuradores que Bueno “mandava cada programação com codinome e o valor”.

Leia maisDelator-chave é excluído de petição contra Alckmin

‘Talvez não seja hora de votar abuso e fim do foro’, diz Maia

Presidente da Câmara considera que ambiente está ‘radicalizado’

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse ao GLOBO que ainda não analisou o mérito da lei de abuso de autoridade, mas avaliou que, como o ambiente está “radicalizado”, talvez não seja a melhor hora para votar nem esse projeto, nem o do fim do foro privilegiado, aprovados no Senado na última quarta-feira. Maia vai discutir o trâmite do projeto de abuso na semana que vem com os líderes.

— É preciso parcimônia, o ambiente está muito radicalizado. Muitos dizem que não é o momento de tratar de abuso de autoridade. Talvez também não seja o melhor momento de tratar do foro. Mas o abuso eu quero ouvir os líderes na semana que vem para saber se eles acham que já está maduro para levar para o plenário ou se é melhor discutir primeiro na comissão — afirmou. As informações são de O Globo.

Leia mais‘Talvez não seja hora de votar abuso e fim do foro’, diz Maia

%d blogueiros gostam disto: