Pfizer diz que Brasil tem poucos dias para definir compra de vacina

Brasil tem 'alguns dias ou semanas' para solicitar vacina, diz Pfizer -  02/12/2020 - UOL Notícias

Em entrevista à CNN, o diretor de vacinas da Pfizer Brasil, Alejandro Lizarraga, falou sobre a situação do imunizante da empresa e a disponibilidade de compra do medicamento para a vacinação no país.

O diretor ressalta que o estoque da empresa diminui a cada dia e alerta para que o Brasil decida rapidamente sobre a compra.

“A cada dia o número de doses disponíveis para os países diminui consideravelmente. Diversos países da América Latina, como Peru e Chile, já fecharam acordos com a Pfizer,” disse Lizararraga.

“Eu não posso compartilhar a data, mas o Brasil tem alguns dias ou semanas para fazer o pedido, e entregarmos a vacina no primeiro trimestre de 2021.”

Leia maisPfizer diz que Brasil tem poucos dias para definir compra de vacina

ALRN discute limitação de impactos das eólicas em comunidades do RN

A situação das comunidades que estão em locais onde foram ou serão instalados parques eólicos foi discutida durante audiência pública promovida pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, na tarde desta quarta-feira (2). No debate, proposto pelo deputado Sandro Pimentel (PSOL), os participantes expuseram os transtornos e impactos causados pela instalação e funcionamentos dos parques e soluções para os supostos problemas relatados pela comunidade.

A audiência pública teve foco no debate sobre os impactos dos parques eólicos nas vidas das pessoas que residem ou residiram nas comunidades litorâneas onde foram instalados os aerogeradores. Além dessas áreas, principalmente no litoral norte potiguar, também foram relatados problemas na região da Serra de Santana.

A pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte Moema Hofstaeter participou de grupo que elaborou um documento relatando detalhes sobre os problemas trazidos pelos parques à população e também ao meio ambiente. A forma como as negociações para uso da área ocorrem, os conflitos de interesses econômicos entre os próprios populares, denúncias sobre inviabilização de áreas para plantações, barulho, mudança nas paisagens e até relacionamentos amorosos esporádicos (com filhos indesejados ou transmissão de doenças) foram alguns dos pontos relatados pela pesquisadora. Para ela, apesar da lucratividade que a atividade tem, a riqueza, segundo ela, não estaria chegando à população.

“Ao contrário do que se fala, as eólicas não aparecem como atores na redução da pobreza, pois salários baixos para os profissionais locais contratados e esses empregos são sazonais, com algumas exceções”, pontuou, relatando ainda sugestões do documento para que os gestores públicos amenizem os problemas relatados pela população. “Propomos definir um planejamento de planejamento espacial, discutir os papéis de cada um dos entes, buscar formas de garantir a segurança legal da posse da terra pela comunidade para evitar o esvaziamento do campo, além de intermediar os processos entre empresas e comunidades, normatizar a implementação da energia e realizar estudos de ordem para planejamento ambiental”.

Participante da discussão, Joílson Costa, que atua em grupo defensor de viabilização de fontes energéticas limpas e com menos impacto sócio-ambiental, ele defende que uma alternativa para reduzir a importâncias das eólicas seria o incentido à geração distribuída, com placas solares nas próprias residências da população. Por outro lado, Adílson Jácome sugeriu que é necessário se ampliar a discussão sobre a tributação, mais diálogo com as pessoas afetadas e criar um fundo, sustentado pelos empresários do setor, para viabilizar projetos sociais e ambientais. “É urgente que essas empresas contribuam para as compensações”, disse Adílson.

Leia maisALRN discute limitação de impactos das eólicas em comunidades do RN

Vivaldo repercute noticiário que acena para segunda onda da COVID-19

O deputado estadual Vivaldo Costa (PSD) repercutiu, nesta quarta-feira (2), na sessão ordinária da Assembleia Legislativa, o noticiário do Rio Grande do Norte e do Brasil sobre o aumento nos casos da COVID-19. O parlamentar se referiu aos números de novembro num comparativo com outubro, constatando o crescimento e uma tendência preocupante. Vivaldo foi o único orador inscrito no horário destinado aos deputados.

“No mês de outubro o Rio Grande do Norte registou pouco mais de 11 mil casos e em novembro, perto de 14 mil”, declarou Vivaldo, ressaltando que os casos crescentes na chamada segunda onda da pandemia, estão assustando e já causando efeitos no Rio de Janeiro e São Paulo”, disse Vivaldo, alertando para a volta dos problemas econômicos causados pela pandemia. “Daqui a pouco voltará tudo, praticamente, à estaca zero”, disse o parlamentar que tem feito constantes apelos à população do Estado para os cuidados com o novo coronavírus e com os cuidados, tanto com o uso da máscara quanto da higienização das mãos com álcool em gel.

“Preocupa a falta de leitos e, principalmente, de leitos de UTI”, disse Vivaldo, repercutindo declarações da médica infectologista do Comitê Científico do Governo do Estado, Marize Reis, chamando atenção dos riscos que correm as pessoas ao participarem de reuniões sem os equipamentos de proteção necessários.

Vivaldo afirmou que a médica, segundo entrevista concedida à imprensa, disse perceber que “a pandemia chegou e a gente não foi capaz de frear”. O deputado terminou seu pronunciamento fazendo um discurso endereçado à população, para que todos se cuidem e não sobrecarreguem o sistema de saúde.

Brasil começará a receber 15 mi de doses da vacina de Oxford em janeiro

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello recebe alta hospitalar, após internação  por Covid-19 - Jornal O Globo

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou hoje que o Brasil começará a receber, em janeiro e fevereiro, 15 milhões de doses da vacina contra a covid-19 do laboratório AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford e a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz). Pazuello disse ainda que, hoje, o Brasil tem apenas “duas ou três” opções de vacinas.

Esse primeiro lote faz parte do acordo de R$ 1,9 bilhão do governo federal com a empresa para a compra e o desenvolvimento do imunizante, com transferência de tecnologia. A expectativa é que 100 milhões de doses sejam disponibilizadas no primeiro semestre de 2021.

Depois, com a transferência de tecnologia, o país deverá conseguir produzir até 160 milhões de doses da vacina de maneira autônoma no segundo semestre do ano que vem por meio da Fiocruz.

“Em janeiro e fevereiro, já começam a chegar 15 milhões de doses dessa encomenda tecnológica da AstraZeneca/Oxford com a Fiocruz. E, no primeiro semestre, chegamos a 100 milhões de doses. No segundo semestre, já com a tecnologia transferida, pronta, nós poderemos produzir com a Fiocruz até 160 milhões de doses a mais. Só aí são 260 milhões de doses”, declarou Pazuello.

Leia maisBrasil começará a receber 15 mi de doses da vacina de Oxford em janeiro

Eudiane Macedo solicita perfuração de poços em comunidades rurais do Estado

A preocupação com a irregularidade no abastecimento d’água em comunidades rurais de vários municípios do Estado foi o tema do pronunciamento da deputada estadual Eudiane Macedo (Republicanos) durante sessão ordinária desta quarta-feira (02), na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. “A nossa cobrança seguirá até que as milhares de famílias sejam atendidas com a melhoria na oferta de água”, destacou a deputada.

A parlamentar destacou que o seu mandato solicitou junto à Secretaria Estadual de Recursos Hídricos que seja feita a perfuração de poços artesianos nas comunidades de: Bairro Conjuntos, em Pendências; Comunidade Fazenda Vaca Morta, em Lajes; Assentamento Olinda II, em Caiçara do Norte; Sítio Jacaré em Vera Cruz; comunidades de Lagoa da Cruz e Lagoa do Lima, em Nova Cruz, Barrinha em Mossoró; Distrito Riacho do Bom Pasto, em Boa Saúde, Comunidade do Maxixe em Macau e Assentamento Pirangi em Galinhos.

Outro assunto abordado pela parlamentar foi o Dia Mundial de Luta contra a Aids. Eudiane Macedo explicou que a data tem dois propósitos. “Primeiro, o de alertar para importância da prevenção. E o meio mais eficaz cientificamente comprovado é o uso da camisinha. O segundo propósito é destacar que devemos acolher as pessoas com HIV sem preconceitos”, frisou.

A deputada destacou a importância da informação e a necessidade de discutir as formas de prevenção da Aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis. “É preciso que os parlamentos falem sobre a importância do sexo seguro. Por mais que o tratamento tenha evoluído ao ponto de os pacientes conseguirem levar uma vida normal sendo soropositivo, o ideal é que os números caiam cada vez mais. Autocuidado não é somente cuidar da beleza, da aparência, é também usar camisinha e exigir isso do parceiro e da parceira”, alertou.

Atualmente cerca de 920 mil pessoas vivem com HIV no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde. As pessoas na faixa etária de 25 a 39 anos, de ambos os sexos, com 492,8 mil registros, concentraram o maior número de casos. “A proteção é a melhor medida de prevenção”, finalizou.

Assembleia aprova em definitivo PEC que beneficia municípios com transferência direta

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte aprovou nesta quarta-feira (02) em segunda e definitiva votação a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que autoriza a transferência de recursos estaduais aos municípios mediante apresentação de emenda por parte dos deputados estaduais ao projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA). A aprovação teve a unanimidade dos presentes, com 18 votos favoráveis. Na oportunidade, o presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), anunciou sessão de promulgação da PEC para a próxima terça-feira (08).

O presidente da Assembleia Legislativa fez questão de enfatizar a relevância do projeto para o Estado. Segundo Ezequiel Ferreira, a proposta aprovada pelo Legislativo “vai beneficiar a todos os municípios, sem distinção, e consequentemente contribuirá para melhorias a favor de toda a população potiguar”.

Autor da matéria, o deputado Tomba Farias (PSDB) celebrou a aprovação do projeto em plenário. “É preciso registrar a importância deste momento para esta Casa e para os prefeitos que passam por muitas dificuldades nos seus municípios. Quero agradecer aos colegas que entenderam a situação e destacar o momento importante que estamos vivendo para o RN”, disse Tomba antes da votação final ser realizada.

Outro a se pronunciar a favor do projeto foi o deputado Hermano Morais (PSB), que elogiou o trabalho realizado por Tomba e o consenso construído na Assembleia a favor da matéria. “Essa iniciativa vai favorecer os municípios que terão maior segurança no recebimento desse recurso, vai garantir aos municípios o melhor planejamento já contando com liberação desses investimentos. Ganha o RN com a aprovação dessa PEC”, disse.

Com a nova Lei, a partir de agora as Prefeituras beneficiadas com as emendas não precisarão mais, por exemplo, firmar convênios com o Governo para receber recursos. A PEC possibilita que as emendas individuais impositivas apresentadas pelos deputados possam aportar recursos diretamente aos municípios por eles indicados. A execução direta permitirá aos municípios mais autonomia e agilidade, uma vez que os recursos financeiros poderão ser utilizados conforme a necessidade da municipalidade, seja para a infraestrutura, saneamento, ou aquisição de máquinas ou veículos.

Combate à Covid é ativo eleitoral, e PSDB deve sentar à mesa principal para 2022, diz Doria

O PSDB tem de estar sentado à mesa principal das discussões sobre a frente contra Jair Bolsonaro e a esquerda em 2022 e disposto a abrir mão da sua joia da coroa, o governo paulista. A avaliação é do principal nome da sigla, o governador João Doria (PSDB-SP).

Em uma conversa em que só faltou admitir abertamente o segredo de polichinelo que é sua pretensão, ele foi claro: “Nãosou candidato à reeleição”, disse, sentença para a qual o corolário é óbvio.

Defendendo uma frente em nome de um “novo Brasil” e se dizendo um antiextremista, Doria não rejeita o poder de seu grande ativo eleitoral até aqui: o fato de que São Paulo poderá avançar rapidamente com sua campanha de vacinação contra a Covid-19.

“Poderia ser”, diz, uma forma de nacionalizar seu nome —como sugeriu em entrevista o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB). “Mas não é o sentido, que é salvar vidas”, afirmou, dizendo que espera enviar até o dia 15 a documentação para registro da sua Coronavac, imunizante chinês que será feito no Instituto Butantan.

Leia maisCombate à Covid é ativo eleitoral, e PSDB deve sentar à mesa principal para 2022, diz Doria

LEMA DE FAMÍLIA: Zenaide Maia é a senadora do RN que custa mais caro aos cofres públicos e João Maia na Câmara

A aliada do deputado estadual George Soares e do prefeito ausente do Assú Gustavo, a senadora Zenaide Maia, tem o mandato que custa mais caro aos cofres públicos no Senado Federal pelo RN, segundo dados no portal da transparência, e seu irmão, João Maia é o que custa mais caro dos deputados federais, ou seja, a gastança do dinheiro do  povo deve ser lema de família.

Zenaide gastou esse ano mais de 220 mil reais, liderando o ranking dos gastadores do Senado com mandato pelo RN, seguido pelo senador petista Jean Paul que é vice líder nos gastos com mais de 190 mil reais.

O único senador que parece que usa o bom senso e zela pelo dinheiro publico é o senador Styvenson, que até o momento só gastou pouco mais de 11 mil reais.

Os gastos de maiores valores da senadora Zenaide é para divulgação da atividade parlamentar, seguida de aluguel de imóveis para escritório político e passagens aéreas.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: