fbpx

Ministro Rogério Marinho destaca importância do setor supermercadista em palestra

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, participou na manhã desta terça-feira (1) de uma palestra virtual promovida pela A Associação dos Supermercados do Rio Grande do Norte (ASSURN). A apresentação também contou com a participação do presidente da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), João Galassi. Entre os temas abordados no evento estiveram o crescimento do setor durante a pandemia, o aporte e incentivo por parte do governo federal com o auxílio emergencial e a reforma tributária.

Com o tema “Visão de economia, crescimento e perspectivas dos supermercados para 2022”, a abertura da palestra foi feita pelo presidente da ASSURN, Gilvan Mikelyson Góis. “Esse evento hoje é mais uma ação da ASSURN com o objetivo de trazer conhecimento e atualizar nossos associados, ao mesmo tempo em que fortalece e ressalta a importância da nossa associação. É o reconhecimento da relevância do nosso setor perante a economia e perante a sociedade.”

Mikelyson lembrou que o setor, como atividade essencial, nunca fechou as portas durante a pandemia. “Há quase 1 ano e meio, estamos enfrentando momentos de turbulência, de incertezas, de insegurança, mas mesmo com as dificuldades, o nosso setor nunca parou. Não parou porque temos como missão garantir o abastecimento da população. Não parou porque temos o dever moral de manter empregos e comida na mesa dos trabalhadores. Não foi e ainda não é fácil, mas enfrentamos o desafio diariamente.”

Em seguida, o presidente da Fecomércio RN, Marcelo Queiroz, que também esteve presente na palestra, falou sobre as dificuldades enfrentadas pelo varejo no último ano. “A crise que atravessamos é sem precedentes. Diariamente dezenas de milhares de negócios sucumbem. Não é à toa que, de acordo com o IBGE, no primeiro trimestre deste ano, temos uma taxa de 15,5% de desemprego aqui no estado. A mesma registrada no último semestre de 2020. Além disso, os números do Caged, que engloba o mercado formal de trabalho, mostram um saldo negativo de 61 postos no mês de abril no Rio Grande do Norte. Diante disso, o que esperar do futuro é uma angústia não só do setor supermercadista, como também de todo empreendedor.”

Em seu primeiro contato com os associados potiguares, o presidente da ABRAS, João Galassi, elogiou a gestão atual da ASSURN e mostrou a grandiosidade do setor através dos números. “São 28 milhões de pessoas atendidas diariamente, 3 milhões de colaboradores, 7,5% do PIB nacional, R$ 554 bilhões de reais de faturamento, 91 mil lojas espalhadas por todo o país. Esse é um setor extraordinário que participa da economia de uma forma muito pujante, muito colaborativa, que abastece esse país. É um setor mais que essencial, é super essencial”, declarou.

No início da apresentação, o ministro Rogério Marinho destacou o crescimento do setor supermercadista, mesmo em meio à pandemia, e atribuiu uma parte deste mérito ao suporte dado pelo Governo Federal. “No ano passado o setor de supermercados cresceu quase 10%, mesmo com uma retração do PIB na casa dos 4%. E não foi por acaso, já que o Governo Federal, ao mesmo tempo se preocupou com a saúde das pessoas, tomou uma série de medidas que preservou a rigidez da nossa economia, distribuindo recursos superlativos para estados e municípios para ajudar a transpor a crise que se abateu no mundo inteiro”.

Marinho destacou “que foram mais de R$ 300 bilhões relativos ao Auxílio Emergencial, que uma parte se traduziu em compra de alimentos, gêneros de primeira necessidade, e insumos na área de construção civil, além de quase de R$ 50 bilhões na preservação do emprego, o que resultou na geração de 140 mil postos de trabalho no mercado formal a mais do que tínhamos em 2019”.

Com relação ao futuro, o ministro afirmou que a previsão é de crescimento, não só para o setor supermercadista como também para os demais. Mas para que haja sustentabilidade é preciso uma correção de rumos, como a reforma tributária e administrativa, por exemplo. “Eu acredito que esse seja um ano de recuperação. Em dois anos vamos ter um crescimento entre 2 e 4%, mas que depende de alguns fatores, como a modernização tributaria, a privatização das empresas que custam muito ao erário e não possuem capacidade de investimento, entre outras coisas. Se no ano que vem tivermos estas mudanças que estamos esperando, vamos ter mais uns três ou quatro anos de crescimento sustentável”, ponderou.

A palestra teve o apoio da ABRAS, Sincovaga RN e Riograndense Distribuidora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: