fbpx

Meirelles: votação da reforma trabalhista deve acontecer em junho

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, aposta em uma votação da reforma trabalhista ainda em junho, mas disse que um eventual atraso de alguns meses não perturbará os planos do governo:

— Existe uma possibilidade boa de haver uma votação ainda este mês, que é a expectativa. Agora, a questão da reforma trabalhista é a mesma da Previdência, não é uma mudança para ter um efeito emergencial nos próximos meses, mas uma medida de longo prazo. Não há dúvidas de que for aprovada em junho, melhor. Se for aprovada na primeira quinzena de julho antes do recesso, bom. Agora, se por alguma razão vote em agosto, do ponto de vista da produtividade do país não serão 15 dias ou 20 dias, um mês, que vão fazer uma diferença em algo que está aí há décadas e que vai prevalecer durante também um longo tempo.

Meirelles considera que o relatório já foi suficientemente negociado e que não deverá sofrer novas alterações: As informações são de O Globo.

— Tenho mantido contato direto com o secretário da Presidência, que está acompanhando isso no dia a dia, e a princípio não estamos pensando em mudança a esta altura. Mas, evidentemente, vou chegar no Brasil no fim de semana e vamos olhar isso. Mas a nossa expectativa é que o projeto vai seguir como está.

MP BANCO CENTRAL E CVM

Henrique Meirelles, descartou que a medida provisória 784, que endurece a fiscalização e sanções que poderão ser adotadas pelo Banco Central e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em caso de fraudes e cria o acordo de leniência para instituições financeiras, tenha sido editada agora como um tipo de retaliação à empresa JBS, na esteira das delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista:

— Não estou no Brasil, não participei deste processo nestes dias de edição da medida provisória. Estas medidas já estão em discussão há muito tempo, há anos, e estava já amadurecendo este processo. Eu não estava lá participando da edição, da assinatura da medida, mas me parece que teve seu curso normal. Agora, evidentemente, hoje em dia tudo é lido de uma forma particular.

BNDES

Meirelles informou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) não efetuará a devolução de recursos, na forma de pré-pagamento que já havia sido acertado, ao Tesouro Nacional, como ocorreu no ano passado:

— Quando foi combinada a devolução ao pré-pagamento que fizemos de R$ 100 bilhões no ano passado pelo BNDES ao Tesouro, isso foi resultado de uma previsão de fluxo de caixa onde se previa não só a existência daquele recurso no momento, mas que os recursos que se acumulariam mais ou menos até essa época, atingindo um pico onde está hoje, pouco acima de R$ 150 bilhões. Se não tivesse feito aquele pré-pagamento, estaríamos em R$ 250 bilhões. Isso foi feito. Agora, nós já prevíamos, e de fato está acontecendo, que a economia está retomando o crescimento — argumentou.

Neste e novo contexto, a expectativa é de que haja uma retomada ainda mais forte do investimento, acrescentou:

— A economia contraiu 8% durante estes dois anos, mas o investimento caiu 30%. Então a recuperação do investimento deve ser mais forte do que a própria atividade econômica, o que é normal. A presença do BNDES é fundamental, e para isso deve ter recursos disponíveis para o processo de retomada.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: