Lula e juíza discutem em primeiro depoimento à substituta de Moro

O ex-presidente Lula durante depoimento à juíza Gabriela Hardt

Foi a primeira vez que Lula depôs para a magistrada, que ficou responsável pelos processos da Lava Jato desde que Moro aceitou ser ministro do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Para se afastar e evitar “controvérsias desnecessárias”, o magistrado tirou férias

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a juíza substituta de Sergio Moro, Gabriela Hardt, se confrontaram em diversos momentos durante o interrogatório da ação do sítio de Atibaia (SP), nesta quarta (14).

Logo no início do depoimento, Lula afirmou que não sabia o motivo de estar respondendo ao processo e indagou qual era a acusação a Hardt. A juíza respondeu que o Ministério Público afirma que ele foi beneficiário de obras no sítio por empreiteiras e pelo pecuarista José Carlos Bumlai.

Lula subiu o tom, dizendo que pensava que a acusação era de que ele é o dono do sítio. “Eu estou disposto a responder toda e qualquer pergunta. Eu sou dono do sítio ou não?”

“Isso o senhor que tem que responder, não eu. Eu não estou sendo interrogada nesse momento”, rebateu Hardt. “Senhor ex-presidente, isso é um interrogatório e se o senhor começar nesse tom comigo, a gente vai ter problema. Vamos começar de novo, eu sou a juíza do caso.” Folha de São Paulo

Após discussão da juíza com os advogados de Lula, ela volta a perguntar ao ex-presidente: “Está claro que eu não vou ser interrogada?”

Lula responde: “Eu não imaginei que fosse assim, doutora. Como eu sou vítima de uma mentira…”, e é interrompido pela juíza. 

“Eu também não imaginava, então vamos começar com as perguntas. Eu já fiz um resumo da acusação e vou fazer perguntas, ou o senhor fica em silêncio ou o senhor responde.”.

No fim do depoimento, o ex-presidente voltou a discutir com Hardt. Ao falar da acusação do tríplex, em que ele foi condenado, diz que quando viu o Power Point que a força-tarefa da Lava Jato fez citando como o chefe do esquema de corrupção na Petrobras, pediu ao PT “que todos os filiados abrissem processo contra o Ministério Público”.

“O senhor está intimidando a acusação assim, senhor presidente, vamos mudar o tom. O senhor está instigando a acusação ao intimidar o Ministério Público, não vou permitir”, respondeu Hardt.

Numa nova alusão à tela com um esquema apresentada pelo procurador Deltan Dallagnol, o petista afirmou que houve a tentativa de criminalizar o PT. “Uma das coisas que estavam no PowerPoint é tentar vender o PT como uma quadrilha que ganhou para roubar o país.”

Lula ainda falou que o doleiro Alberto Youssef, delator dos casos Banestado e Lava Jato, é amigo de Sergio Moro.

Hardt repreende o ex-presidente. “Ele [Lula] não vai fazer acusações a meu colega [Moro] aqui.”

Ao que o petista rebate: “Eu não estou acusando, eu estou constatando um fato, doutora.” 

“Não é fato, porque o Moro não é amigo do Youssef, nunca foi”, acrescenta ela. “Mas manteve ele sob vigilância oito anos”, diz Lula.

A juíza pede para o assunto se encerrar. “Ele não ficou sob vigilância oito anos, e é melhor o senhor parar com isso”.

Já perto do fim da audiência, um dos advogados pediu licença para se retirar da sala, explicando que já havia dito que precisaria sair por causa de outro compromisso. Lula então fez uma piada: “Me leva com você”.

A juíza, ao ouvir o pedido direcionado ao advogado, interveio: “Se o senhor quiser ficar em silêncio, também podemos encerrar. O senhor quer responder às outras perguntas ou quer encerrar?”.

Lula ficou calado, e o depoimento prosseguiu.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: