Juiz abre ação contra número 2 de Kassab por propina de R$ 200 mil

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O juiz Fausto José Martins Seabra, da 3.ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, pôs no banco dos réus, sob acusação de improbidade administrativa, Elton Santa Fé Zacarias, secretário-executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia, Inovação e Comunicações – chefiado pelo ex-prefeito paulistano Gilberto Kassab, de quem o acusado foi secretário municipal de Infraestrutura e Obras.

O Ministério Público acusa o atual número 2 de Kassab no Ministério por suposto recebimento de uma propina de R$ 200 mil da Odebrecht.

O advogado Igor Tamasauskas, que defende Zacarias, afirmou que irá aguardar a instrução processual para ‘demonstrar que não houve conduta ilícita’.

A ação, subscrita por seis promotores de Justiça da Promotoria de Defesa do Patrimônio, braço do Ministério Público Estadual de São Paulo, sustenta que a partir de investigações realizadas pela Polícia Federal e Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, surgiram indícios de irregularidades em obras públicas, entre as quais as do Lote 2 do Túnel Roberto Marinho. Luiz Vassallo e Fausto Macedo – O Estado de São Paulo

“Na ocasião, o requerido Elton exercia as funções de secretário municipal de Infraestrutura e Obras, e teria exigido propina de R$200 mil da construtora demandada, para liberar a ordem de serviço relativa à instalação do canteiro de obras, quantia solicitada a título de adiantamento do percentual de 5% a incidir sobre as futuras medições”, relata a ação.

Os promotores afirmam. “Elton Santa Fé Zacarias era presidente da empresa estatal paulistana SPObras e recebeu o total nominal de R$ 200 mil como propina da Odebrecht, provavelmente em dezembro de 2011. O valor foi pago em espécie e em parcela única na sede da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana. Com o recebimento do valor de forma escamoteada, foi expedida a ordem de serviço em favor da Odebrecht, em 1/2/2012.”

Na decisão em que pôs Zacarias no banco dos réus, o magistrado também homologou acordo da Odebrecht com a promotoria. A empreiteira vai desembolsar R$ 400 mil.

Fausto Seabra considerou que ‘o Ministério Público, o município de São Paulo e a Odebrecht S/A dispuseram com clareza acerca do objeto e dos deveres dos transatores, os quais foram estipulados com observância da lei e do interesse público, ao passo que não se verifica nenhum vício de vontade ou de consentimento da pessoa jurídica, que voluntariamente compareceu ao ato, representada por três advogados’.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: