Em Congresso, petistas defendem renúncia ou impeachment de Temer

No 6° Congresso Nacional do PT, a prisão de Rodrigo Rocha Loures, ex-deputado e ex-assessor do presidente Michel Temer, foi comentada nos corredores entre os petistas. Na visão de deputados que participam do evento, agora a situação de Temer é “insustentável”.

Enquanto uns defendem a renúncia do presidente, outros acreditam que o melhor caminho é o impeachment, destino que a correligionária Dilma Rousseff teve há menos de um ano. Em sua primeira entrevista após ser eleita presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann ecoou a posição dos deputados. Ela aproveitou para defender a realização das eleições diretas para que seja feita a sucessão de Temer, uma das principais bandeiras defendidas pelo partido durante o Congresso.

— Uma coisa a gente tem muito clara: esse governo não tem condições de governar, ele não está cuidando das pessoas, está cuidando de se defender. Ele tinha que sair para que a gente pudesse ter uma eleição direta — disse.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) cita a apreensão de documentos do coronel João Baptista Lima Filho associados a Temer para afirmar que o presidente perdeu as condições de governar. As informações são de O Globo.

— Esse fato, somado aos documentos apreendidos com o coronel Lima, agravam exponencialmente a situação de Temer. Ele não tem mais condições (de governar), a situação ficou insustentável. Hoje voltam a circular rumores de que ele vai renunciar — disse.

Petistas comentavam que já era esperada a prisão de Rocha Loures, já que o Ministério Público havia feito o mesmo pedido antes, mas como ele então detinha o mandato de deputado, contava com prerrogativas parlamentares, e o pedido foi rejeitado pelo Supremo Tribunal Federal. Alguns citavam que a situação dele se assemelha à do ex-senador Delcídio Amaral, que foi preso após ter sido gravado tratando da compra do silêncio do ex-executivo da Petrobras Nestor Cerveró. O então líder do governo no Senado foi preso preventivamente por obstrução de Justiça.

Rocha Loures apareceu no âmbito da delação premiada da JBS e teria sido o homem indicado por Temer para receber uma propina regular de R$ 500 mil. O ex-deputado foi filmado pegando uma mala com esse valor e correndo com ela. Após as revelações, ele devolveu a mala e o dinheiro.

— A prisão de Rocha Loures coloca uma pressão enorme sobre o governo, que certamente está temeroso com relação a uma delação. A situação é muito grave, ele é uma pessoa da extrema confiança de Temer. Ele é um homem de posses, tudo indica que não estava pegando aquele dinheiro para ele — apontou Pepe Vargas (PT-RS), lembrando dos tempos em que trabalhou com o ex-colega na Câmara.

Pepe Vargas acredita que Temer não vá renunciar. E também acha que o Tribunal Superior Eleitoral não condenará a chapa Dilma-Temer. Por isso defende o impeachment do presidente.

— Ele não vai renunciar por uma razão muito simples: ele não vai querer perder o foro, senão cai na mesma situação do Rocha Loures. Eu também não vejo cometimento de crime eleitoral na chapa Dilma-Temer. A solução que eu vejo é o impeachment — afirmou.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: