fbpx

Delegado da PF critica redução de equipe da Lava-Jato

O delegado Igor Romário de Paula, que coordena a operação Lava-Jato no Paraná, criticou a redução na equipe na Polícia Federal (PF), que recentemente sofreu corte de seis para quatro delegados.

— É uma dificuldade operacional mesmo que a gente vai ter que superar, senão o prejuízo no trabalho vai ser concreto — afirmou, durante coletiva da 41ª fase da operação, batizada “Poço Seco”, que mira o banqueiro José Augusto Ferreira e o ex-gerente da Petrobras Pedro Augusto Cortes Xavier Bastos.

— Com o número que a gente tem hoje, é muito difícil dar continuidade ao trabalho da forma satisfatória como sempre foi — continuou o delegado.

Atualmente, segundo ele, são 120 procedimentos instaurados na PF em Curitiba. O procurador Carlos Fernando Santos Lima, integrante da força-tarefa da Lava-Jato no Ministério Público Federal (MPF), também criticou os cortes na PF. As informações são de O Globo.

— É incompreensível para nós essa redução. A direção da PF tem que compreender que nós precisamos manter uma equipe que realmente seja operacional na Lava-Jato.

Para Lima, o trabalho na Lava-Jato continuará por “muitos anos” e com “muito serviço pela frente”, em desdobramentos das atuais operações e novas investigações.

— A nossa equipe na procuradoria continua com os mesmos 13 procuradores e estamos até recebendo nos últimos meses algum reforço de assessoria inclusive — disse.

O delegado explicou que boa parte do efetivo que atuava em Curitiba teve que ser remanejada para outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro, por causa do aumento do trabalho desencadeado pelas delações da Odebrecht e da JBS. Nesse período, ainda segundo ele, a demanda de trabalho em Curitiba foi “temporariamente menor”.

Em nota divulgada esta semana, a PF informou que “inúmeras operações de grande envergadura estão em andamento em vários estados”, e que por isso o contingente de policiais federais especializados no combate à corrupção e lavagem de dinheiro “em todo o país tem sido readequado”. A PF também afirma que o efetivo atual está “adequado às necessidades” e que haverá reforço de policiais “caso houver necessidade”.

Igor Romário afirmou ainda que não vê tentativa de cerceamento à ações ligadas à Lava Jato.

— Não vejo isso. Eu posso falar do ponto de vista administrativo interno da polícia, se há alguma articulação maior, mais ampla, eu não sei dizer.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: