Acordão de Gustavo e George Soares com Robinson, não prevê paz política com Ivan Júnior

O grande acordão político do prefeito do Assú Gustavo Soares e do deputado estadual do PR, George Soares, com o governador Robinson Faria, não prevê uma trégua política com o ex-prefeito e atual secretário Ivan Júnior, mas tudo indica que essa proposta de paz política pode ser concretizada pelos menos durante a campanha.

Governador Robinson articula grande acordão político no RN para sua reeleição

Resultado de imagem para robinson faria governador

O acórdão entre os caciques da política do Rio Grande do Norte que o atual governador Robinson Faria condenava na campanha eleitoral de 2014, pode ser reeditado em 2018, agora sob sua batuta e coordenação e os primeiros sinais dessa grande aliança começa por Assú, quando o governador pretende reunir no mesmo palanque, o prefeito Gustavo Soares, seu irmão e deputado George Soares e o atual secretário de Meio Ambiente Ivan Júnior.

A estratégia do governador é estender esse velho acordão político pelo interior dos municípios do Estado, unindo governistas e oposicionista em torno do seu projeto de reeleição. O PR do presidente estadual João Maia está praticamente fechado com Robinson nessa aliança para as eleições de 2018. O PSDB do deputado Rogério Marinho e pré-candidato a senador, é outra legenda que também está engajada nessa articulação com o apoio do tucano e presidente da Assembléia Ezequiel Ferreira.

Em Assú, George, Gustavo Soares e Ivan Júnior apoiam Robinson

O governador Robinson Faria está fechando o cerco na política do Assú. O prefeito Gustavo Soares e o deputado George Soares, ambos filiados ao PR estão em negociação para apoiar a reeleição do governador em 2018.

Com a futura chegada do atual prefeito do Assú e do deputado do PR, o governador que é apoiado pelo seu atual secretário de Meio ambiente e Recurso Hídricos e ex-prefeito Ivan Júnior, terá o apoio também das principais lideranças políticas da oposição na cidade ao seu projeto de reeleição.

O governador deve unir os principais adversários da política do município em torno do seu nome com Ivan Júnior, Gustavo e George Soares, no mesmo palanque.

Até fim de maio, podemos apresentar reforma para militares, diz Temer

temer

O presidente Michel Temer (PMDB) afirmou na noite desta quinta-feira (4) em entrevista à RedeTV! que o governo enviará até o final de maio, “provavelmente”, uma proposta de reforma da Previdência para os militares. A definição foi feita em reunião com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, na terça-feira (2), afirmou.

Na entrevista gravada na terça, antes da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, e veiculada na noite desta quinta-feira, o presidente afirmou que fará o possível para aprovar a proposta que está na Casa, mas que estará obediente às decisões da Câmara e do Senado. Ele disse ainda que o governo colocou “um pouco de açúcar” no texto ao fazer ajustes, mas que o remédio precisaria ser amargo e sem açúcar.

“Remédio amargo é aquele que cura, para o fígado, o estômago. Chá de boldo, e não botar açúcar. Até estamos dando um pouco de açúcar”, disse o peemedebista, ao falar da proposta. As informações da Agência Estado.

Leia maisAté fim de maio, podemos apresentar reforma para militares, diz Temer

Prefeito do Assú e deputado do PR acenam para aliança política com Robinson

O deputado estadual George Soares, botou o seu irmão ‘debaixo do braço’ e o levou para conversar com o governador Robinson Faria na manhã de ontem, acelerando assim, o processo de adesão ao projeto de embarque do PR ao Governo do Estado, sob o pretexto  de levar uma série de solicitações que representam ações de grande relevo para o município, de pleitos já anunciados pelo governador como hospital regional, rodoviária, recuperação da RN 016 e posto policial entre outras obras.

O encontro do deputado do PR e do prefeito do Assú com o governador para reivindicar obras para a cidade, na realidade, esconde o processo de negociação de adesão de George e Gustavo Soares, ao projeto de reeleição de Robinson Faria, como o Blog do VT, já havia anunciando anteriormente dessa aliança política para 2018, quando os dois irmãos estarão no palanque e pedindo votos para quem há bem pouco tempo, eles esculhambavam e cobravam do chefe do executivo estadual, o cumprimento da promessa de campanha de R$ 55 milhões de investimentos para Assú.

De Assú até a ponte Felipe Guerra, o prefeito do Assú e o deputado PR, sentam a pua no governador, acusando-o de vir somente a cidade para tirar foto e fazer promessas não cumpridas, desde a campanha de 2014, mas da ponte ate Natal, agora eles vão em busca de socorro com o pires na mão, para se aliar a Robinson Faria na campanha eleitoral do próximo ano.

Comissão votará destaques que faltam para concluir a reforma da Previdência na terça

Dep. Carlos Marun (PMDB - MS) concede entrevista

A Comissão Especial da Reforma da Previdência (PEC 287/16) resolveu marcar a votação dos 12 destaques que faltam para a aprovação do texto na terça-feira (9). O texto-base foi aprovado ontem à noite (quarta-feira, 3).

O presidente da comissão, deputado Carlos Marun (PMDB-MS), disse que pretende encerrar a votação no mesmo dia.

Depois de analisada pelo colegiado, a proposta de emenda à Constituição precisa ser votada em dois turnos pelo Plenário, com pelos menos 308 votos para ser aprovada e encaminhada para análise do Senado.

A votação dos destaques foi interrompida na quarta-feira à noite, quando agentes penitenciários invadiram o plenário da comissão para protestar contra a retirada da categoria da regra de aposentadoria especial dos policiais.

Segurança reavaliada

Marun explicou que a segurança da comissão deverá ser reavaliada para a próxima sessão e disse que a questão dos agentes penitenciários só deverá ser analisada agora em algum destaque de Plenário.

Zé Dirceu chega em Brasília e é chamado de ‘ladrão’

Ex-ministro da Casa Civil, solto por ordem do Supremo Tribunal Federal, vai morar na Capital onde aguardará julgamento da segunda instância da Lava Jato

Vera Rosa e Dida Sampaio – O Estado de São Paulo

O ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, chegou às 21h25 desta quinta-feira, 4, ao prédio onde mora em Brasília e foi hostilizado por cerca de 50 manifestantes ligados ao movimento Nas Ruas, além de moradores da vizinhança. Alguns dos manifestantes invadiram a garagem do prédio e deram socos no carro que transportava o petista. Um efetivo de 15 policiais militares do Distrito Federal conteve os manifestantes, que gritavam “Fora, Dirceu!” e “Dirceu ladrão, seu lugar é na prisão!”

Antes da chegada do ex-ministro, os manifestantes também criticaram a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), com palavras de ordem como “Supremo Tribunal, vergonha nacional”. “Estamos indignados com a soltura do Zé Dirceu”, disse Carla Zambelli, porta-voz do Nas Ruas. “O Supremo tem uma série de processos parados. Por que soltar justamente um bandido reincidente?”

Leia maisZé Dirceu chega em Brasília e é chamado de ‘ladrão’

Executivo da OAS diz que empreiteira também tinha departamento de propinas

O executivo da OAS Agenor Franklin Medeiros revelou ao juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, a existência de uma ‘área de vantagens indevidas’ dentro da construtora destinada ao financiamento de campanhas eleitorais. Em depoimento, ele relatou que a empreiteira fez parte de esquemas de corrupção dentro e fora da Petrobrás e que havia um caixa para os partidos. O caixa do PT, especificamente, era controlado pelo presidente, Léo Pinheiro. Agenor é réu no processo que investiga propinas da OAS ao ex-presidente Lula.

A revelação do executivo da OAS causou surpresa aos investigadores. Até aqui, a Operação Lava Jato havia descoberto a atuação da máquina de propinas de outra empreiteira, a Odebrecht, que operava sob o rótulo Setor de Operações Estruturadas – por meio do qual dezenas de políticos, partidos e agentes públicos foram abastecidos com somas milionárias durante longos anos.

A denúncia do Ministério Público Federal sustenta que Lula recebeu R$ 3,7 milhões em benefício próprio – de um valor de R$ 87 milhões de corrupção – da empreiteira OAS, entre 2006 e 2012. As acusações contra Lula são relativas ao suposto recebimento de vantagens ilícitas da empreiteira OAS por meio do triplex no Guarujá, no Solaris, e ao armazenamento de bens do acervo presidencial, de 2011 a 2016. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia maisExecutivo da OAS diz que empreiteira também tinha departamento de propinas

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: