fbpx

Prefeito Gustavo vai torrar quase R$ 6 milhões com Auto Posto São João de Batistinha em Assú e Posto Florestal está fora do jogo

Como para tudo na vida, existe a primeira vez, chegou a hora do Posto Florestal diminuir seu faturamento, para dar espaço ao Auto Posto São João.

Um dos proprietários do posto florestal, que sempre foi amigo do maior vigarista da cidade de Assú, Ronaldo Soares, é jogado de escanteio pelo grupo, o que mostra mais um abandono de seus aliados, partindo do chefe-mor, Ronaldo Soares e de seus filhos.

Mesmo em pandemia, com atividades restritas, paralisação de alguns serviços e atividades, a Prefeitura do Assú, sob o comando de Gustavo e Fabielle, querem mesmo é torrar o dinheiro do povo com o que eles escolhem como prioridade.

A prioridade é ter o combustível para o prefeito ausente ir e voltar de Natal e Mossoró a hora que quiser, é ter combustível para ele e a vice andarem fazendo politicagem nos quatro cantos da cidade para se auto promover nas redes sociais, e por isso, eles vão torrar o montante de quase R$ 6 milhões de reais.

O que tem chamado a atenção é esse valor tão alto, que imagina – se que eles vão ter que rodar muito para consumir essa dinheirama, e o mais importante, é que o Ministério Público esteja atento para as comprovações de utilização e se realmente estão a serviço do povo, ou para outra finalidade, que por lei é terminantemente proibido.

E tanto o Blog do VT como seus leitores, estão atentos a tudo, só aguardando a primeira medição da Nota Fiscal do Auto Posto São João, para entendermos qual será o consumo da Prefeitura do Assú mensalmente, e se os valores irão bater com a quantidade de carros e serviços que a gestão tem.

Ubaldo Fernandes solicita fiscalização em bombas de combustíveis do RN

Após interdição de dezenas de bombas de combustível em Mossoró e cidades da região por vazão abaixo do permitido, o deputado estadual Ubaldo Fernandes (PL) solicitou ao Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte (Ipem/RN) e ao Procon RN, um trabalho de fiscalização em todas as bombas em funcionamento no RN.

“Essa é uma situação que merece nossa atenção, como presidente da Comissão de Defesa do Consumidor desta Casa, venho cobrar mais fiscalização, não só na região oeste, mas em todo estado”, alertou Ubaldo Fernandes, na sessão ordinária desta quinta-feira (17).

No período de 07 a 12 de junho as equipes de fiscalização do Ipem/RN realizaram um mutirão de fiscalização de balanças e bombas de combustíveis em Mossoró e região com a verificação de 567 instrumentos.

Dos 161 bicos de bombas de combustíveis fiscalizados, em 24 foram encontradas irregularidades que levaram a interdição ou reprovação por vazão abaixo do permitido (quando é entregue um volume menor de combustível ao consumidor em relação ao apresentado na bomba), por erro no interloque (sistema de bloqueio responsável por zerar os indicadores de volume e preço a pagar da bomba de combustível a cada novo fornecimento) e por mangueiras danificadas.

“Não bastava ter um dos combustíveis mais caros do país, os consumidores potiguares estão sendo lesados por alguns postos de combustíveis. Isso é muito grave”, completou o deputado.

Ainda em sua fala, durante a sessão ordinária desta quinta-feira (17), o parlamentar fez apelo ao Governo do Estado pela inclusão dos operadores de telecomunicações na lista das prioridades para receber a vacina contra a Covid-19. “Os cabeadores, que trabalham nas ruas instalando internet, precisam da imunização. É uma categoria muito vulnerável pois está no dia a dia atendendo a população”, disse.

Deputados comentam proposituras dos mandatos e as agendas de eventos

No horário destinado aos pronunciamentos dos deputados, na sessão ordinária desta quinta-feira (17), na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, pronunciaram-se os deputados estaduais Vivaldo Costa (PSD), Jacó Jácome (PSD), Francisco do PT e Coronel Azevedo (PSC). Entre os assuntos, foram destacadas proposições de iniciativa dos parlamentares, como um Projeto de Lei sobre prevenção e combate ao suicídio, um que institui o piso salarial, bem como carga horária dos profissionais da Enfermagem no estado e uma iniciativa que propõe a inclusão dos assistentes sociais nos grupos prioritários da imunização contra a COVID-19.

O deputado estadual Vivaldo Costa falou sobre o Projeto de Lei de iniciativa dele, e que está tramitando na Casa Legislativa, que dispõe sobre o Programa a Vida Fala Mais Alto, de prevenção e de combate ao suicídio, a ser implementado pelo Estado do Rio Grande do Norte.

O deputado estadual Jacó Jácome também comentou sobre um Projeto de Lei de autoria dele, que institui o piso salarial e a carga horária de 30h para os profissionais da Enfermagem no âmbito estadual. “Todos nós estamos acompanhando que, neste mês, os profissionais da Enfermagem estão fazendo uma grande mobilização para terem o piso nacional e a carga horária de 30 horas aprovados no Congresso Nacional. É fundamental que priorizemos esta pauta, os profissionais assumiram um verdadeiro protagonismo no combate à pandemia”, justificou.

Já o deputado estadual Francisco do PT fez um apelo ao Governo Federal, ao Ministério da Saúde e a todas as autoridades da saúde pública competentes, para que os profissionais da Assistência Social possam não só serem incluídos nos grupos prioritários da imunização contra a COVID-19, como também tenham o início do processo de vacinação iniciado de imediato. “Sabemos que em tempos de pandemia, os profissionais da Assistência Social são muito demandados, porque há um aumento dos problemas relacionados com as questões sociais, sobretudo, com a questão da vulnerabilidade social”, ressaltou.

Francisco do PT também lembrou a audiência pública proposta pelo mandato dele, que acontece nesta quinta-feira (17), às 15h30, e discutirá os efeitos da Proposta de Emenda Constitucional nº 32 (PEC 32), que, segundo ele, “trata da reforma administrativa brasileira e as suas consequências contra o serviço público e os servidores e servidoras do Brasil. É uma ótima oportunidade para podermos compreender melhor o que é essa PEC e procurarmos entender por que o Governo Federal atual ataca tanto o serviço público e os servidores”.

Por fim, o deputado Coronel Azevedo mencionou a ação do Governo Federal, que aconteceu na última quarta-feira (16), em Mossoró, com a presença de dois Ministros de Estado, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, e o ministro da Cidadania, João Roma. “Juntamente com deputado estadual Galeno Torquato, estive em Mossoró participando dessa cerimônia do lançamento da fase 1 do Programa Digitaliza Brasil, que é um avanço muito importante para o estado. Também houve a assinatura do aditivo para liberação de recursos do programa de aquisição de alimentos, que beneficiará 17 mil famílias potiguares. São importantes ações do Governo Federal pelo povo do Rio Grande do Norte”, disse. O parlamentar informou ainda que o presidente da República, Jair Bolsonaro, visitará o Rio Grande do Norte, possivelmente no dia 24 de junho. “Ele desembarcará em Mossoró e visitará obras em Jucurutu e Pau dos Ferros”, disse.

Ministro das Comunicações visita o presidente da Assembleia, Ezequiel Ferreira

Dando continuidade à agenda que cumpre no Rio Grande do Norte, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, visitou o presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, Ezequiel Ferreira (PSDB), nesta quinta-feira (17). Na pauta da reunião assuntos como a visita do presidente da República, Jair Bolsonaro ao Estado, no próximo dia 24, o aumento de envio de doses da vacina contra COVID-19, investimentos do Governo Federal no Estado, implantação da tecnologia 5G no Brasil, entre outros assuntos de interesse do povo potiguar.

“Alegria em receber o ministro Fábio Faria que traz boas notícias e ações para o Rio Grande do Norte, como o aumento, para os próximos dias, da campanha de vacinação contra a COVID-19 e a chegada da tecnologia 5G, que o ministro garante chegar ao nosso Estado até junho de 2022”, comentou Ezequiel.

O ministro potiguar destacou as ações e investimentos do Governo Federal no Rio Grande do Norte. “Essa foi uma visita institucional do Ministério das Comunicações, do Governo Federal, a Casa do Povo Potiguar, onde tratamos de muitos assuntos, como a vacinação que chegaremos a dois milhões de doses entregues, 100% adquiridas e pagas pelo Governo Federal”, disse.

Acompanharam a reunião, o presidente da Frente Parlamentar Evangélica, Cezinha de Madureira (PSD) e o secretário de Radiodifusão do Ministério das Comunicações, Maximiliano Martinhão, a diretora de Comunicação da Assembleia Legislativa, Marília Rocha, o diretor da TV Assembleia, Bruno Giovanni e o diretor geral da Presidência da Assembleia Legislativa, Fernando Rezende.

Witzel responsabiliza Bolsonaro por mortes e diz que governo atuou contra governadores

Comissão Parlamentar de Inquérito da Pandemia (CPIPANDEMIA) realiza oitiva do o ex-governador do Rio de Janeiro. Ele deve ser questionado sobre denúncias de corrupção na área da saúde do estado, inclusive com recursos federais destinados ao combate à covid-19.   Mesa:  ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel;  presidente da CPIPANDEMIA, senador Omar Aziz (PSD-AM);  relator da CPIPANDEMIA, senador Renan Calheiros (MDB-AL).   Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Protegido por um habeas corpus, o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel compareceu à CPI da Pandemia nesta quarta-feira (16), mas sua presença no colegiado foi interrompida depois de cerca de 4 horas e 30 minutos antes que todos os senadores presentes pudessem participar da audiência.

Witzel respondeu as perguntas do relator, senador Renan Calheiros, e de três senadores de oposição ao governo federal — Humberto Costa (PT-PE), Eliziane Gama (Cidadania-MA) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Porém, depois de ouvir os questionamentos do senador Jorginho Mello (PL-SC) e o início da intervenção do senador Eduardo Girão (Podemos-CE), ambos da base de apoio ao governo federal, Witzel lançou mão da decisão do STF que lhe permitia se ausentar ou não responder perguntas e pediu para se retirar da reunião.

Enquanto durou o depoimento, o ex-governador insinuou que o presidente Jair Bolsonaro seria o responsável por grande parte das mais de 450 mil mortes por covid-19. O governador cassado disse também que o governo federal criou uma narrativa para fragilizar os governadores por terem tomado medidas restritivas.

— Como é que você tem um país em que o presidente da República não dialoga com um governador de estado? E o presidente deixou os governadores à mercê da desgraça que viria. O único responsável pelos 450 mil mortos que estão aí tem nome, endereço e tem que ser responsabilizado aqui, no Tribunal Penal Internacional, pelos fatos que praticou.

Witzel acusou o governo federal de agir de caso pensado para deixar governos estaduais em situação de vulnerabilidade, sem condições de comprar insumos e respiradores. Segundo ele, os governadores “clamavam” que o governo federal fizesse as aquisições, já que outros países estavam se abastecendo no mercado internacional, pagando antecipadamente, deixando os estados sem condições de adquirir o material necessário.

Leia maisWitzel responsabiliza Bolsonaro por mortes e diz que governo atuou contra governadores

Prefeita de Carnaubais vai torrar R$ 400 mil com empresa de Mossoró e exclui oportunidade de comerciantes locais

A prefeita Marineide Diniz que é orientada pelo seu esposo e chefe do gabinete civil, Dinarte Diniz, tem investido em muitas empresas que não são da cidade e gastando dinheiro como se não houvesse amanhã com coisas que não importam nesse momento de pandemia.

O que se conversa na roda dos bastidores da prefeitura, é que a orientação para contratação de uma empresa de Mossoró para fornecer aquisição de peças, acessórios, filtros, e lubrificantes para veículos de grande porte, veio da mente brilhante de Dinarte, por qual razão, ninguém sabe, a única coisa que se sabe é que eles aderiram a uma ata de licitação de Apodi em que uma empresa de Mossoró ganhou.

Agora resta saber se haverá alguma economia nisso, porque se para cada fornecimento a Prefeitura tiver que ir pegar em Mossoró, gastará mais combustível, fora o tempo do profissional que vai pegar, e ainda deverá ganhar diária, elevando o custo, e fazendo com que se gaste mais ou invés de economizar.

A empresa tem um contrato global no valor de 400 mil reais (veja aqui), sendo que pela legislação vigente, a Prefeitura de Carnaubais deveria comprovar que este serviço sairá mais barato do que se eles fossem realizar uma licitação no munícipio, ou seja, teriam que cotar preços para tomar uma decisão como essa, e que é difícil de entender, porque uma empresa da cidade poderia sair bem mais barato, já que não haveria deslocamento.

Com tal atitude, Marineide Diniz que diz na teoria que ama a cidade de Carnaubais, vai gastar um dinheirão com empresa de Mossoró, e pode piorar ainda mais a economia local, já que não abre oportunidades para o comércio da cidade.

Agora imagine se ela inventa de aderir a outras atas de preço com empresas forasteiras, vai quebrar em dois tempos o comércio local e gerar uma onda de desemprego enorme.

Votação da privatização da Eletrobras fica para quinta; senadores avaliam adequação

Sessão Deliberativa Remota (SDR) do Senado Federal realizada a partir da sala de controle da Secretaria de Tecnologia da Informação (Prodasen). Na ordem do dia, medida provisória (MP 1031/2021) que possibilita a desestatização da empresa Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (Eletrobras). Outro projeto na pauta suspende o cumprimento de medida que resulte em desocupação ou remoção forçada coletiva em imóvel na pandemia (PL 827/2020). Relator do PLV 7/2021, senador Marcos Rogério (DEM-RO) em pronunciamento via videoconferência. Presidente do Senado Federal, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), conduz sessão. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O Plenário do Senado recebeu nesta quarta-feira (16) o relatório do senador Marcos Rogério (DEM-RO) sobre a medida provisória que trata da desestatização da Eletrobras (MP 1.031/2021). O texto, que está a menos de uma semana de perder a validade, enfrenta resistências da maioria das bancadas.

Como o relatório só chegou às mãos dos senadores no fim da tarde, a votação foi adiada para esta quinta-feira (17), a partir das 10h. Os parlamentares ainda poderão apresentar emendas e destaques até as 9h. Se o Plenário aprovar a MP com mudanças, ela vai precisar voltar para a Câmara dos Deputados.

Principal alvo da desconfiança dos senadores, acréscimos feitos na Câmara ao texto original da MP foram mantidos por Marcos Rogério. Esses trechos são considerados por muitos senadores como “jabutis” (sem relação direta com o assunto). Sua inclusão é uma das principais críticas do Plenário ao projeto.

Um deles é o dispositivo que obriga o governo federal a contratar, por 15 anos, energia gerada por usinas termelétricas para as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. O relator adicionou à lista a região do Triângulo Mineiro. Marcos Rogério também manteve pontos que regulam leilões de energia e dispõem sobre obrigações das empresas estatais que precisarão ser criadas para a administração da usina de Itaipu e do setor de energia nuclear — que, por determinação constitucional, devem ficar sob controle da União.

Os parlamentares também apontam o risco de um aumento no valor das conta de luz nos próximos anos e ameaças à soberania energética do país. O formato escolhido para a proposta de desestatização — a medida provisória, que tem validade imediata e é reservada para assuntos urgentes — também desagrada.

Presidente da Comissão de Infraestrutura, o senador Dário Berger (MDB-SC) disse considerar que a MP não é oportuna no momento e não contém benefícios para o país. Ele destacou que a Eletrobras fechou o ano de 2020 com lucro líquido e tem “papel estratégico” no desenvolvimento econômico e social do país.

— Os últimos anos foram marcados por crises políticas e recessões econômicas no Brasil e no mundo inteiro. Será que é o momento adequado de privatizar uma empresa que responde por 33% da geração de energia elétrica [no Brasil] e por 43% de sua transmissão? Isso pode acarretar, inclusive, a criação de um oligopólio.

Leia maisVotação da privatização da Eletrobras fica para quinta; senadores avaliam adequação

Ministro da Saúde anuncia antecipação de 7 milhões de doses da Pfizer

Marcelo Queiroga é o novo ministro da Saúde, anuncia Bolsonaro - Jornal O  Globo

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou a antecipação de 7 milhões de doses da vacina da Pfizer contra a Covid para o mês de julho.

“Conseguimos hoje uma resposta da Pfizer atendendo a solicitação do presidente da República de uma antecipação de sete milhões de doses da Pfizer para o mês de julho. Então, receberíamos oito milhões de doses no mês de julho e vamos receber quinze milhões de doses da vacina Pfizer no mês de julho, o que contribuirá para acelerar a campanha de vacinação”, disse Queiroga à imprensa.

Na segunda-feira, Jair Bolsonaro fez um apelo pela antecipação das doses contratadas, durante videoconferência com o gerente da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo.

O antagonista

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: