fbpx

Investigado por abuso de poder, Prefeito de Ipanguaçu vai dá auxilio emergencial para a população no valor de R$ 220

O prefeito Valderedo Bertoldo, conhecido como “dono” do patrimônio público, segundo o MP, é uma verdadeira “farsa” e contraditório em toda sua trajetória política.

Valderedo é acusado pelo MP por abuso de poder, onde se tem provas robustas em que fazia troca de cargos, mantinha “servidores fantasmas”, causou substancial prejuízo financeiro aos municípios com contratação de terceirizados que era substancialmente superior aos contratados diretamente pelo município.

Agora, na virada do dia para noite, resolve aprovar uma espécie de auxílio emergencial próprio. Inicialmente, cerca de 100 pessoas deverão ser contempladas com seis parcelas de R$ 220.

“De acordo com a prefeitura, participará do programa quem estiver desempregado há mais de seis meses e morar no município. O benefício será pago a apenas uma pessoa da família. Segundo a prefeitura, quem recebe Bolsa Família e o auxílio emergencial do governo federal também poderá receber o recurso municipal”, segundo o G1.

A boa vontade do prefeito Valderedo é boa, mas o prefeito deveria ter discursos de vida coerentes para que preste um serviço a população sem levantar dúvidas. O que se comenta, é que ele fez essa ação para ficar com “cartaz” junto a população, se for cassado pela justiça. Assim, conseguir emplacar um apoio ao um outro candidato para manter a “boquinha”.

Tendência no Supremo é obrigar instalação da CPI somente depois da pandemia

Suspensão de férias por ministros STF abre brecha para anulação de  decisões, avaliam magistrados | Bela Megale - O Globo

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) se reúne nesta quarta-feira para decidir sobre a limitar dada pelo ministro Luís Roberto Barroso que determinou a instalação da CPI da Covid pelo Senado Federal. O Estadão apurou que os ministros devem referendar a decisão do colega, mas a tendência é que incluam a ressalva de que a comissão não precisa ser instalada imediatamente, mas quando os trabalhos voltarem a ser presenciais. Se essa posição se mantiver, não há prazo para a comissão começar a funcionar.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), é um dos principais advogados dessa tese de empurrar a sua instalação para quando a vida voltar ao normal. Há um ano, desde que crise sanitária se instalou, o Senado realiza sessões virtuais. Da mesma forma que o próprio Supremo, que manteve sua agenda normal mesmo com sessões online. A justificativa é que por se tratar de uma CPI esse modelo não se aplicaria.

Pacheco tem feito chegar a ministros do STF que os trabalhos de uma CPI exigiriam, na sua opinião, sessões presenciais. Um exemplo citado é a possibilidade de um depoente receber orientações no momento em que estiver sendo indagado pelos senadores. O auxílio não é permitido, mas de forma remota seria impossível controlar isso. “Fazer funcionar uma comissão que exija a presença física, para exame de prova, para elaboração de laudos periciais, exames de documentos, inquirição de pessoas, incomunicabilidade de testemunhas. São requisitos de uma CPI que exige que ela seja presencial”, ponderou Pacheco na última quinta-feira (8), logo após a determinação do Supremo.

Leia maisTendência no Supremo é obrigar instalação da CPI somente depois da pandemia

Fim de semana tem praias movimentadas e fiscalização usa spray de pimenta para dispersar aglomeração em bar de Natal

Fiscais da Semurb e agentes da guarda municipal em praia de Natal — Foto: Divulgação

Fiscais e agentes da guarda municipal registraram grande movimentação de pessoas sem máscaras nas praias de Natal, durante o fim de semana, e usaram de spray de pimenta em um bar lotado para dispersar pessoas que descumpriam o decreto que determina toque de recolher em todo o Rio Grande do Norte, por causa da Covid-19.

A fiscalização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) registrou seis notificações, dois autos de infração, apreensões de paredão, retirada de publicidade de irregular, e dispersão de pessoas nas praias da capital, entre a sexta (9) e o domingo (11).

Segundo o supervisor de fiscalização, Felipe Oliveira, no domingo (11), o primeiro chamado foi na extensão da Praia de Miami, próximo ao Relógio do Sol, onde havia várias pessoas caminhando no calçadão e outra parte realizando práticas de esportes na areia da praia.

Mesmo sob vaia das pessoas que não estavam cumprindo o toque de recolher integral do domingo, a Guarda Municipal dispersou as pessoas no local, instruindo irem para suas residências.

No mesmo um local, um trailer foi notificado por está comercializando água de coco e instalado guarda-sóis e mesas na faixa de areia da praia.

“O que observamos desde a faixa da Via Costeira até o Relógio do Sol, foram pessoas descumprindo o toque de recolher integral, além de estarem caminhando sem máscaras e realizando aglomerações em diversos pontos. Toda a extensão do litoral potiguar estava lotada, as pessoas estavam vivendo tranquilamente como se não houvesse pandemia”, alertou Felipe Oliveira.

Spray de pimenta em bar

Seguindo na rota da fiscalização, um bar na zona Norte de Natal foi notificado por funcionar normalmente, com um elevado número de pessoas. Segundo a prefeitura, a Guarda Municipal teve que agir com spray de pimenta, pois às pessoas que estavam no local foram resistente as ordens de dispersão. Na ocasião, um paredão de som foi apreendido e um auto de infração ambiental foi lavrado.

Leia maisFim de semana tem praias movimentadas e fiscalização usa spray de pimenta para dispersar aglomeração em bar de Natal

Urgente: Girão consegue assinaturas para CPI que pretende investigar estados e municípios

O Antagonista noticia, em primeira em mão, que o senador Eduardo Girão (Podemos) acaba de conseguir o número necessário de assinaturas para protocolar o pedido de criação de uma CPI para investigar a conduta de estados e municípios na pandemia da Covid.

Girão, primeiro signatário dessa CPI, disse a este site:

Com essa CPI, o Senado atende à determinação do Supremo, mas faz uma investigação mais abrangente. Ou seja: atende ao Supremo e não se apequena, recebendo uma interferência direta da corte.”

Luís Roberto Barroso determinou, na semana passada, a instalação da CPI da Covid, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede), destinada a apurar o governo federal especificamente. Ontem à noite, o senador Jorge Kajuru (Cidadania) divulgou a gravação de uma conversa com Jair Bolsonaro, na qual o presidente cobrava uma investigação mais ampla. A tropa governista no Senado já buscava uma forma de fazer isso.

A CPI encampada inicialmente por senadores do Podemos, como antecipou O Antagonista, foi proposta ainda no início de março e, até então, não tinha o número mínimo de assinaturas exigido pelo regimento do Senado para ser protocolada: 27. Agora há pouco, o requerimento recebeu novas adesões e chegou a 33 assinaturas.

A CPI da Covid que Barroso mandou instalar recebeu 32 assinaturas.

Rodrigo Pacheco prometeu analisar o quanto antes o pedido desta outra CPI.

O antagonista

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: