fbpx

Hospital Regional de Assú está com 100% de ocupação e Prefeito Gustavo se cala sem ofertar uma contrapartida do município

Dados do Regula RN, plataforma que monitora as internações pela COVID em todo o estado, apontaram que a situação do Hospital Regional de Assú está com 100% na taxa de ocupação, dado preocupante e que parece não importar para o prefeito Gustavo Soares e a vice Fabielle Bezerra.

Nos últimos dias, aumentou o número de mortes na cidade em decorrência da COVID e não vimos um pronunciamento da Prefeitura do Assú, para tentar sensibilizar a população da gravidade da situação que o município está vivendo com esse suposto surto de infectados na cidade, e nem sobre ações alternativas para tentar aumentar o número de leitos e proporcionar um atendimento digno a quem venha a precisar.

Com o dinheiro do São João e carnaval guardado a sete chaves, o prefeito Gustavo e a vice Fabielle não fizeram nenhuma ação concreta na saúde para tentar ajudar o estado, como arcar com a instalação de mais leitos temporários pelo menos nesse momento de crise em todo país, pra eles só importam bater fotos e divulgar mentiras no instagram enquanto pessoas morrem por falta de atendimento e de leitos.

Com fator Lula, aliados cobram de Bolsonaro ‘rearranjo’ de ministérios e defendem médica para vaga de Pazuello

Atual minstro da Saúde, Eduardo Pazuello, tem recebido críticas pela condução na pandemia — Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Aliados do presidente Bolsonaro defenderam nos últimos ao presidente e a integrantes do Palácio do Planalto que seja feito um “rearranjo” de ministérios — começando pela troca urgente do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, para que o governo consiga se preparar politicamente à oposição do ex-presidente Lula, que voltou ao tabuleiro eleitoral na semana passada.

Partidos do Centrão e integrantes do MDB do Senado, por exemplo, defendem políticos para vagas como o Ministério da Educação, Ministério de Relações Exteriores, Minas e Energia — além da “cozinha” do Planalto, como Casa Civil e a própria Secretaria de Governo.

Hoje, todos esses cargos estão ocupados por nomes escolhidos pelo presidente sem participação de partidos – e pertencem ou à chamada ala ideológica ou ao grupo de militares do governo.

Parlamentares ouvidos pelo blog avaliam junto ao Palácio do Planalto que, por conta do agravamento e da cobrança por solução na pandemia, o primeiro a ser trocado precisa ser Pazuello, e sugerem o nome da médica Ludhmila Abrahão Hajjar. A cardiologista e intensivista, segundo o blog apurou, está dedicada a vários projetos acadêmicos em andamento e ainda não recebeu nenhum convite oficial do governo. No entanto, tem apoio político de diferentes partidos, como DEM e PP, e interlocução com ministros do Supremo Tribunal Federal.

Se assumir, acreditam políticos ouvidos pelo blog, o governo será obrigado a fazer uma guinada, de fato, na política de saúde — uma vez que não acreditam que ela se curvará ao negacionismo do presidente.

Leia maisCom fator Lula, aliados cobram de Bolsonaro ‘rearranjo’ de ministérios e defendem médica para vaga de Pazuello

Moraes concede prisão domiciliar a Daniel Silveira

O ministro Alexandre de Moraes substituiu a prisão preventiva do deputado bolsonarista Daniel Silveira por domiciliar, com uso de tornozeleira eletrônica.

Moraes também autorizou o parlamentar a participar remotamente das sessões da Câmara dos Deputados.

Em sua decisão, o ministro do STF proibiu o deputado de “receber visitas sem prévia autorização judicial” e de fazer publicações em suas redes sociais, “inclusive por meio de sua assessoria de imprensa“.

Silveira foi preso em flagrante em 16 de fevereiro por decisão de Moraes após o deputado publicar nas redes sociais um vídeo em que ofendeu ministros do Supremo e defendeu o AI-5.

O antagonista

Gabigol, do Flamengo, e cantor de funk MC Gui são flagrados com mais de 200 pessoas em cassino clandestino em São Paulo

Jogador tentou se esconder atrás de moças e cadeiras, em camarote

O atacante Gabigol, do Flamengo, foi flagrado em um cassino clandestino na madrugada deste domingo, na Vila Olímpia, na Zona Sul de São Paulo. O local foi alvo de uma operação de uma força-tarefacontra aglomerações durante a pandemia de Covid-19. Cerca de 200 pessoas estavam no local, incluindo o cantor de funk MC Gui. A polícia chegou ao endereço após denúncia.

Um dos responsáveis pela operação, o delegado Osvaldo Nico Gonçalves afirma que foi a quarta noite seguida de operações na cidade. E que Gabigol foi “arrogante” e tentou se esconder com panos na cabeça, atrás de moças e cadeiras no camarote de luxo. Eles estavam de máscara, ao menos na hora da abordagem policial. Gabigol é no momento, manhã deste domingo, o assunto mais comentado no Twitter.

Procurado, o Flamengo ainda não comentou o caso. Via assessoria de imprensa informou que o grupo principal tem reapresentação marcada para a manhã desta segunda-feira, no Ninho do Urubu. Ainda não decidiu se o atacante terá algum tratamento diferente após o episódio.

O vice-presidente jurídico do clube, Rodrigo Dunshee de Abranches, disse ao colunista do UOL Mauro Cezar Pereira que Gabigol não será multado por se tratar de “assunto pessoal dele. Não viola qualquer vínculo contratual com o Flamengo. Aguardamos Gabriel na representação e torcemos que tenha um grande de ano”.

Em entrevista à GloboNews, Eduardo Brotero, delegado de polícia e supervisor do Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos, explicou que a ação visava combater aglomerações clandestinas, mas encontraram um cassino clandestino no local.

Leia maisGabigol, do Flamengo, e cantor de funk MC Gui são flagrados com mais de 200 pessoas em cassino clandestino em São Paulo

Sem vacina, pandemia será severa até 2022

Epicentro da pandemia, o Brasil vê o número de casos e mortes aumentar a cada dia em descompasso com a vacinação, que teve a previsão de doses para março reduzida. Mantido o atual ritmo, o Brasil pode chegar a 15 milhões de infectados e a 100 mil casos por dia, na média móvel, antes do fim de março, segundo projeções do cientista da USP de Ribeirão Preto Domingos Alves, do portal Covid-19 Brasil. Usando um modelo conservador, ele projeta que o país chegará a 70 mil casos diários na média móvel na semana que vem.

A devastação da Covid-19 não cessa e Alves estima que o país chegará a 300 mil mortos entre 25 e 27 de março, talvez antes. A previsão se baseia em uma taxa de 1.500 mortes por dia. Porém, Alves também avalia que devemos alcançar a marca de 2.000 mortes diárias, na média móvel, até o fim da semana que vem. E até o dia 26 , calcula, poderemos ter 3.000 óbitos por dia.

O país vacinou, até a noite de sexta-feira, apenas 4,50% de sua população, e somente 1,64 % tomaram as duas doses. Mas, na quarta, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, reduziu de 30 milhões para de “de 22 a 25 milhões” as doses que devem chegar até o fim do mês. Foi a quinta diminuição no cronograma de vacinação do governo. A cobertura vacinal de 70% da população, considerada a mínima necessária para uma imunidade coletiva, não será alcançada antes do fim do ano, afirmam especialistas.

Para a volta à normalidade, três variáveis devem ser consideradas, afirma o vacinologista Herbert Guedes, professor do Instituto de Microbiologia Paulo de Góes/UFRJ. São elas os números de vacinados, de casos graves de Covid-19 e de novos casos. Somente quando o de vacinados aumenta ao passo que os demais diminuem, será possível pensar em flexibilização de medidas coletivas e pessoais.

Leia maisSem vacina, pandemia será severa até 2022

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: