Em reunião, Bolsonaro chama Doria, Witzel e Artur Virgílio de ‘bosta’ e ‘estrume’

Bolsonaro xinga Doria e Witzel por medidas contra vírus

O presidente Jair Bolsonaro criticou os governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), Wilson Witzel (PSC) e o prefeito de Manaus, Artur Virgílio (PSDB), e os chamou de “bosta” e “estrume” durante a reunião ministerial na qual ele teria pressionado o então ministro da Justiça Sergio Moro para trocar o comando da Polícia Federal.

— Que os caras querem é a nossa hemorroida! É a nossa liberdade! Isso é uma verdade. O que esses caras fizeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso. Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né? — afirmou Bolsonaro.

As críticas de Bolsonaro aos três aconteceram após o trio criticar o presidente por sua condução da crise causada pela epidemia do novo coronavírus no Brasil.

Doria, Witzel e Arthur Virgílio defendem a adoção de políticas mais restritivas em relação ao isolamento social como forma de combater os efeitos da pandemia. Bolsonaro, por sua vez, defende a reabertura da economia em meio à epidemia.

A íntegra do vídeo e o laudo elaborado pela Polícia Federal foram divulgados nesta sexta-feira após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, que tirou o sigilo sobre o material. O vídeo faz parte do inquérito que apura as suspeitas de que Bolsonaro pressionou o então ministro Sergio Moro para trocar o comando da Polícia Federal.

Hospitais do Paraná demitem 20% dos funcionários; Einstein e Sírio-Libanês cortam salários

Hospitais Einstein e Sírio-Libanês, em SP, fazem corte de salários ...

Com queda de faturamento que chegou a 60%, hospitais privados e filantrópicos do Paraná começaram a demitir funcionários por causa da pandemia da Covid-19.

Segundo o presidente da Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado do Paraná, Rangel Silva, pelo menos 20% dos funcionários do setor no estado já foram demitidos ou tiveram o contrato suspenso.

A queda no faturamento e na ocupação de leitos foi impulsionada pelas medidas de contenção à pandemia, que fez a maioria das cirurgias e consultas eletivas serem canceladas.

Nos hospitais Albert Einstein e Sírio-Libanês, em São Paulo, a situação é parecida. Com 45% a menos de receita, o Einstein cortou em 25% o salário e a jornada de trabalho de 33% dos funcionários.

No Sírio-Libanês, também houve redução de jornada e salários, mas o hospital não detalhou as medidas.

Com informações, O Antagonista

MACAU: Túlio Lemos e Rodrigo Aladim lideram rejeição e a população fica sem opção na disputa pela prefeitura em 2020.

A história da disputa pela prefeitura de Macau sempre surgiu no oportunismo, enquanto um se dava mal, o outro pegava carona na má administração para poder se auto promover. No entanto, parece que agora não tem mais jeito. O prefeito Túlio Lemos e o vice Rodrigo Aladim, mesmo em lados opostos, caminham junto no barco da rejeição.

Túlio Lemos, é um desastre na saúde, educação e ainda responde a diversos processos na justiça, deixando vivo o legado de seu pai, Afonso Lemos, Que foi condenado a pagar milhões aos cofres públicos da cidade de Macau. Já Rodrigo Aladim, sempre viveu nos “cóis” de prefeito, como por exemplo, na gestão do ex-prefeito Flávio Veras, nem que foi secretário e ocupou certo tempo a presidência da macauprev. E se tornou amigo de Túlio Lemos para poder se candidatar a vice-prefeito. Mas não demorou muito, Rodrigo Aladim, rompeu com a gestão Lemos, e se tornou mais uma na oposição.

Resumindo, a situação Lemos e oposição Aladim, não são boas escolhas para os macauenses. Comenta-se que a população está vivendo dias sombrios, porque até agora não tem outra opção para as eleições de 2020, mas há quem diga que a esperança vive no coração dos macauenses, e que um bom nome ainda irá surgir.

Desempenho do agronegócio na pandemia sustenta exportações brasileiras

A importância de aprimorar a gestão do agronegócio brasileiro

Em pouco mais de três meses da crise global provocada pelo novo coronavírus, o agronegócio é o setor que apresenta os melhores resultados no Brasil, sustentando boa parte das vendas de mercadorias para outros países.

De fevereiro a abril, as exportações de produtos em geral somaram US$ 52,822 bilhões, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. Somente as vendas de soja e derivados e de carnes – dois dos principais itens da pauta brasileira – somaram US$ 16,438 bilhões no período, cerca de um terço do total.

Com empurrão da crise, ativos de grandes bancos chegam a R$ 7,363 bi e superam PIB

As vendas de soja e derivados e de carnes no intervalo de fevereiro – quando os efeitos da covid-19 sobre o comércio global se intensificaram – a abril mostram um aumento de 24% em relação ao mesmo período do ano passado. Em comparação, as exportações em geral de fevereiro a abril subiram apenas 0,7%.

Para o economista Simão Davi Silber, doutor em Economia Internacional e professor da Universidade de São Paulo (USP), o desempenho positivo do agronegócio, mesmo neste momento de crise global, tem uma explicação simples. “A primeira necessidade é ‘comer’. E, para proteicos, o Brasil é fundamental”, afirma.

Leia maisDesempenho do agronegócio na pandemia sustenta exportações brasileiras

Vídeo de Bolsonaro acirra ânimos com STF e reforça versão de ingerência na PF

URGENTE: STF divulga vídeo da reunião ministerial de Bolsonaro de ...

Divulgado nesta sexta-feira (22), o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril mostrou grande preocupação de Jair Bolsonaro em ser destituído, tendo o presidente da República revelado, ainda, contar com um sistema de informação particular, alheio aos órgãos oficiais, reforçando as indicações de interferência política na Polícia Federal.

O encontro, recheado de palavrões, ameaças de prisão, morte, rupturas institucionais, xingamentos e ataques a governadores e integrantes do Supremo Tribunal Federal, foi tornado público em quase sua integralidade pelo ministro do STF Celso de Mello.

A gravação na reunião foi entregue pelo governo ao STF no inquérito que apura as acusações do ex-ministro Sergio Moro (Justiça), que deixou o governo acusando o chefe de tentar interferir politicamente na Polícia Federal.

No encontro, em que participaram Bolsonaro, ministros (incluindo Moro) e o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, entre outros, o presidente da República diz que tem um sistema “particular” de informação que funciona bem, diferentemente dos órgãos oficiais, reforça bastante os indicativos de interferência na Polícia Federal para proteger familiares e amigos e usa reiteradas vezes a palavra “bosta” e congêneres para se referir a políticos como os governadores João Doria (PSDB-SP) e Wilson Witzel (PSC-RJ) —foram ao menos 37 palavrões, 27 deles proferidos pelo presidente.

Leia maisVídeo de Bolsonaro acirra ânimos com STF e reforça versão de ingerência na PF

Saúde repassará R$ 2,2 bi para serviços de atenção primária

O Ministério da Saúde fechou acordo com os conselhos nacionais de Secretários de Saúde (Conass) e de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) para a liberação de R$ 2,2 bilhões para serviços da atenção primária e especializada para estados e municípios. Desse total, R$ 2 bilhões serão destinados às santas casas e hospitais filantrópicos, sem fins lucrativos, conveniados com o Sistema Único de Saúde (SUS).

A liberação dos recursos foi definida ontem (21), durante reunião da Comissão Intergestores Tripartite (CIT), espaço de deliberação que reúne repesentantes do ministério e secretários estaduais e municipais de Saúde.

De acordo com a assessoria do ministério, o auxílio às santas casas e filantrópicos será repassado em duas parcelas por meio do Fundo Nacional de Saúde aos fundos estaduais e municipais e deverá ser utilizado em ações para combater a pandemia da covid-19.

“O dinheiro deverá ser usado na compra de medicamentos, suprimentos, insumos e produtos hospitalares para o atendimento adequado aos pacientes. Também fica aberta a possibilidade de aquisição de equipamentos e a realização de pequenas reformas e adaptações físicas para aumento da oferta de leitos de terapia intensiva”, informou o ministério.

O Ministério da Saúde também assinou uma portaria credenciando 369 municípios a receberem recursos para custeio de 527 Equipes de Saúde da Família (eSF) e 810 equipes de Saúde Bucal (eSB) e 1.909 Agentes Comunitários de Saúde (ACS).

Também foram assinadas ontem (21) portarias homologando 272 Unidades de Saúde da Família ao programa Saúde na Hora, que amplia repasses mensais a postos de saúde que estenderem o horário de atendimento à população.

O governo federal autorizou hoje o repasse da primeira parcela de R$ 340 milhões para santas casas e hospitais filantrópicos para ações de controle do avanço da pandemia de covid-19. A Portaria nº 1.393/2020, do Ministério da Saúde, foi publicada hoje (22) no Diário Oficial da União e traz também a lista das instituições beneficiadas e quanto cada uma vai receber.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: