Multidão na festa da vigília acena para a vitoria de Adriano e Iracema em Guamaré

Uma grande multidão pintou de verde as ruas de Guamaré na noite da última quinta-feira, 6, durante a festa da “Vigília da Vitória”, marcando os últimos dias de campanha de rua do candidato a prefeito Adriano Diógenes (MDB).

O movimento político foi marcado pelo clima de agradecimento, confiança e otimismo. Ao lado da candidata a vice-prefeita Iracema Morais (MDB), Adriano agradeceu a população de Guamaré, Baixa do Meio e das comunidades pela receptividade e destacou que a população sinaliza que a cidade quer avançar com o trabalho e o desenvolvimento. “Guamaré não pode parar”, disse.

O comício da vigília contou com a presença do maior líder político do município, Hélio Willamy, de ex-prefeitos, vereadores, lideranças comunitárias e do deputado estadual Hermano Morais. “O eleitor entendeu que fizemos a opção pela experiência e o compromisso de Adriano e Iracema com o futuro de Guamaré”, destacou Hélio.

O município de Guamaré pertence à 30ª zona eleitoral e possui 13.726 eleitores. A eleição acontece neste domingo, 9, com a  votação no horário das 08h às 17h. A expectativa do TRE é que o resultado oficial com a totalização dos votos seja divulgado antes da 18h. Blog Guamaré Em Dia

Magno Malta diz que nova ministra foi ‘escolha pessoal’ de Bolsonaro

Um dia depois da escolha de Damares Alves para Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, o senador Magno Malta (PR-ES) divulgou um vídeo para aliados e eleitoras no qual diz, enfaticamente, não ter indicado o nome se sua assessora parlamentar para o cargo. Na interpretação de aliados, a mensagem tem o objetivo de deixar claro que Damares não é da sua “cota” e, portanto, ele continua não tendo representação no futuro governo.

“Esclareço que ela não é uma indicação minha, é uma escolha pessoal do presidente que a convidou. Não fui comunicado, não fui solicitado, não fui eu que a indiquei como algumas pessoas pensam. Não traduz a verdade. Ela é uma escolha pessoal do presidente da República. Eu desejo toda a sorte do mundo a ela, como continuo orando para Deus abençoe o presidente, Deus cubra ele com toda sorte e sabedoria que precisamos nesse novo Brasil”, disse antes de voltar a repetir que não teve participação nessa nomeação. “Mas, para que fique claro para as pessoas que gostam da gente, há um equívoco, não é indicação minha”.

Além de dar o recado, Magno Malta voltou a elogiar o nome da pastora evangélica para o cargo. “Eu gostaria (…) de desejar a Drª. Damares Alves, indicada pelo presidente Bolsonaro, toda felicidade do mundo. A Drª Damares é capaz, é minha assessora já há muitos anos, que está comigo no meu gabinete. As minhas lutas de vida, de defesa dos valores, a minha luta contra o aborto, contra as drogas, defesa das crianças. Ela tem participado disso ativamente ao longo desses anos. Merece os meus parabéns, é uma pessoa preparada”, disse. Renan Truffi e Camila Turtelli, O Estado de S.Paulo

Leia maisMagno Malta diz que nova ministra foi ‘escolha pessoal’ de Bolsonaro

Governo do RN desconta R$ 82 milhões dos salários dos funcionários e não repassa ao BB

O governador do Rio Grande do Norte Robinson Faria deixou de repassar ao Banco do Brasil pelo menos R$ 82 milhões retirados dos salários dos servidores entre julho e setembro deste ano.

O desconto é feito todos os meses pelo Estado no contracheque dos funcionários que têm empréstimos consignados para serem transferidos ao banco, mas a partir de julho os envios não foram realizados com os valores completos.

Para receber o dinheiro devido, o Banco do Brasil processa o Estado pedindo o bloqueio imediato de R$ 82.934.210,05.

Mais da metade dos descontos não repassados – R$ 56.715.130,27 – foram feitos na aposentadoria dos servidores inativos. A responsabilidade da transferência é do Instituto de Previdência (Ipern). O restante – R$ 26.219.079,78 – foi feito no vencimento dos servidores ativos,  sob a responsabilidade da Secretaria de Planejamento e Finanças (Seplan).

Durante os dois primeiros quadrimestres deste ano, o valor dos descontos de créditos consignados atingiram os R$ 1,03 bilhão, segundo o relatório de gestão fiscal do Governo de janeiro a agosto.<br><br>Depois de ter sido notificado sobre a ação, o Estado pagou uma parte da dívida durante o mês de novembro.

Segundo a relatora do processo na Procuradoria-Geral do Estado, Eloísa Guerreiro, a quantia foi de R$ 26.890.442,00. O restante está sendo negociado entre o procurador-adjunto do Estado João Carlos Coque, o secretário estadual de planejamento Gustavo Nogueira e os advogados do Banco do Brasil. Tribuna do Norte

Justiça dá 10 dias para prefeito regularizar desvio de função de servidores em Carnaubais

O município tem 10 dias de prazo para cumprir a determinação da justiça e regularizar a situação do desvio de função na Prefeitura de Carnaubais

A juíza Aline Daniele Belém Cordeiro Lucas, da 1ª Vara da Comarca de Assu, determinou que o prefeito de Carnaubais Thiago Meira regularize formalmente a situação de desvio de função existente na Prefeitura referente ao cargo de gari, promovendo a realocação de todos os servidores públicos ou providencie o aproveitamento formal em cargos compatíveis com as tarefas desempenhadas e remuneração percebida, tudo no prazo de dez dias e sob pena de imediata aplicação de medidas cabíveis à espécie.

A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Ministério Público do Rio Grande, por intermédio da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Assu, contra o Município de Carnaubais sustentando que instaurou Inquérito Civil a fim de apurar o possível desvio de função dos garis pertencentes ao quadro de servidores do Município de Carnaubais, ocasião em que foi constatada a situação irregular por todos os garis.

No inquérito, foi constatado que os garis trabalham como ASG, tendo a prefeitura contratado a empresa terceirizada Alfa Ômega para cuidar da limpeza pública. Diante de tal situação, expediu Recomendação para que o Município providenciasse a regularização de seus servidores, realocando-os para que desempenhem a atividade para a qual prestaram concurso público.

Denunciou que, transcorrido o prazo concedido, a prefeitura apenas informou a comunicação formal dos servidores, muito embora tenha sido verificado que estes continuam em desvio de função. Assim, o MP pediu que a Justiça obrigue o ente público a regularizar formalmente a situação de desvio de função existente na Prefeitura de Carnaubais, referente ao cargo de gari.

Leia maisJustiça dá 10 dias para prefeito regularizar desvio de função de servidores em Carnaubais

Justiça suspende venda de 34 campos terrestres da Petrobras no RN

Sede da Petrobras no Rio de Janeiro — Foto: Reprodução/JN

A decisão do Conselho de Administração da estatal Petrobras de aprovar a venda de 34 campos de petróleo terrestres no Rio Grande do Norte foi suspensa por uma liminar da Justiça do Trabalho nesta sexta-feira (7).

Os campos haviam sido negociados com a brasileira 3R Petroleum por R$ 453,1 milhões, e a assinatura do contrato era prevista para esta sexta-feira, quando deveria ser pago à petroleira 7,5% do valor total, com o restante programado para a data de fechamento da operação.

O movimento ocorre após ação movida por sindicatos de trabalhadores, que alegam que a reunião do Conselho que aprovou o negócio não contou com a participação do representante dos empregados no colegiado.

O juiz do trabalho Carlito Antônio da Cruz determinou ainda a suspensão provisória da assinatura do contrato de cessão dos campos pelo prazo mínimo de 90 dias.

Ele decidiu também que a Petrobras deverá se abster de convocar nova reunião do conselho sobre o negócio, “salvo se garantir a participação efetiva do representante dos trabalhadores”.

“A decisão judicial devolve aos trabalhadores a importância de sua participação nos espaços de deliberação e tomadas de decisões da empresa”, disseram à Reuters em nota os advogados Ramon Koelle, Felipe Vasconcellos e Rodrigo Salgado, da Advocacia Garcez, que representou os sindicatos no processo.

Procurada, a Petrobras não comentou de imediato. Reuters

Onyx pede trégua à imprensa, mas abandona coletiva após perguntas sobre caixa 2 e Coaf

A “trégua” de Onyx foi pedida no fim do discurso. “Quero pedir para a imprensa que nos acompanha, por favor, uma trégua, em nome do Brasil”, disse Onyx. Os empresários aplaudiram a fala.  Na entrevista coletiva após o almoço, o futuro chefe da Casa Civil foi questionado por jornalistas sobre qual como seria a trégua.    

“Algumas áreas da imprensa brasileira abriram francamente um terceiro turno. Temos nossas limitações, nossas dificuldades. Vamos fazer um grande pacto. Não ganhamos carta em branco. Sabemos que temos oposição. Temos tido todo respeito do ponto de vista do futuro do nosso país. A partir do dia 1° de janeiro, quando o governo assumir e tiver diretriz, aí sim, se estiver errado, critica”.

Em seguida, Onyx foi perguntado sobre  o inquérito aberto a pedido da PGR para investigar o suposto uso de caixa 2 em suas campanhas

“Se tem um cara que é tranquilo sou eu. Vim com Deus. Agora com investigação autônoma, vou poder esclarecer. Nunca tive corrupção. Não pode ser hipócrita de querer misturar financiamento  e não registro de recebimento de amigo. Esse erro eu cometi.  Sou o único que tenho a coragem de assumir”, afirmou. André Ítalo Rocha e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

Leia maisOnyx pede trégua à imprensa, mas abandona coletiva após perguntas sobre caixa 2 e Coaf

Memorial do Legislativo participa de feira do conhecimento nas Quintas

O Memorial da Cultura e do Legislativo Potiguar (MC&LP) participou da II Feira de Conhecimento da Escola Estadual Professora Maria Montezuma, bairro das Quintas, na noite desta quinta-feira (6).

Com a temática “Potengi: do imaginário à realidade”, o MC&LP foi inserido no contexto do colégio: “A cultura popular, literatura e meio ambiente, juntos na construção do conhecimento”, apresentando assim os fragmentos da História e da Geografia potiguar, tendo como fio condutor o rio berço da terra Natal.

A palestra, reforça o curador do Memorial, Plínio Sanderson, a constatação de que quanto mais inseridos no processo de globalização mais apartados de nossa história. “Fizemos uma abordagem multidisciplinar norteados pelo pertencimento e identidade com o Rio Potengi Amado, visões míticas, alumbramentos de poetas e escritores, sem esquecer da brutal realidade ambiental”, disse.

A palestra foi mais uma ação do Memorial da Cultura e do Legislativo Potiguar e integra o Projeto: “Memória Itinerante”, no qual alunos da rede pública de ensino têm sido beneficiados com lições do passado e do presente.
Finalizando a noite, o cantor Pedrinho Mendes apresentou suas melodias, cantando a cidade do Natal.

PSL questiona ‘efeito Tiririca’ e recorre ao STF para aumentar bancada na Câmara

Resultado de imagem para bolsonaro o globo
Partido de Bolsonaro quer derrubar regra da lei eleitoral que barra candidatos a deputado com baixa votação

PSL , partido do presidente eleito Jair Bolsonaro , recorreu ao Supremo Tribunal Federal ( STF ) na tentativa de aumentar sua bancada no Congresso . A legenda conseguiu 52 cadeiras na Câmara dos Deputados na última eleição, ficando atrás apenas do PT.

O PSL questiona uma mudança na legislação ocorrida em 2015 que estabelece um mínimo de votos para que um candidato se eleja deputado, mesmo que seu partido tenha alcançado um total de votos que garanta a vaga, o chamado “efeito Tiririca”. No documento, o partido não informou quantos deputados a mais teria com a mudança da regra.

Em 2010, quando foi eleito pela primeira vez, o deputado Tiririca (PR-SP) fez com que candidatos de outros partidos que faziam parte de sua coligação também fossem eleitos carregados por sua votação acachapante. Em 2014, em sua segunda eleição, Tiririca recebeu mais de um milhão de votos. Porém, naquela ocasião, puxou apenas candidatos de seu partido, o PR, que não se coligou a outras legendas.

Até a eleição de 2014, para um candidato a deputado ser eleito ele não precisava alcançar um mínimo de votos. Bastava ficar entre os mais votados de seu partido ou coligação. Se, após a apuração das urnas, esse partido ou coligação obtivesse votos suficientes para conquistar, por exemplo, quatro cadeiras na Câmara – quociente eleitoral -, os quatro candidatos mais bem votados eram eleitos. Pouco importava se o quarto colocado tivesse mais de 100 mil votos ou apenas um.

Em 2015, o Congresso definiu uma votação mínima por candidato. Assim, mesmo que um partido tenha expressiva votação de legenda ou um bom puxador de votos, se os seus candidatos não alcançarem aquele patamar mínimo de desempenho, eles não conseguirão ser eleitos. O chamado “quociente individual” ficou estipulado em 10% do quociente eleitoral. André de Souza – O Globo

Leia maisPSL questiona ‘efeito Tiririca’ e recorre ao STF para aumentar bancada na Câmara

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: