PSD de Meirelles não deve fechar apoio formal à Previdência

Partido do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, o PSD não deve fechar questão sobre a reforma da Previdência, como fizeram o PMDB e o PTB. Presidente licenciado e principal liderança da legenda, o ministro Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações) disse que não há discussão sobre uma tomada de posição, no momento.

— A nossa estratégia, definida com o líder (do partido), é a do convencimento, com trabalho junto a cada parlamentar — respondeu Kassab, ao ser perguntado nesta sexta-feira se o PSD fecharia questão sobre a Previdência.

O ministro acrescentou que a reforma é “uma prioridade” e que, hoje, 22 dos 38 deputados do partido “estão convencidos” a apoiar a proposta do governo federal. Apesar de não ter dado nenhum indício de que pautará o fechamento de questão dentro da legenda, Kassab também não descartou totalmente a possibilidade de isso acontecer. As informações são de O Globo.

Leia maisPSD de Meirelles não deve fechar apoio formal à Previdência

Inspeção veicular será obrigatória no Brasil a partir de 2020

Tânia Rêgo/Agência Brasil

A inspeção veicular passará a ser obrigatória em todo o Brasil até 31 de dezembro de 2019. O novo tipo de inspeção vai atingir todos os veículos e será de caráter técnico e ambiental. A resolução vem do Conselho Nacional de Trânsito do Ministério das Cidades (Contran). Segundo a norma, a Inspeção Técnica Veicular (ITV) será realizada a cada dois anos em todos os veículos e será requisito para o licenciamento anual. O foco, segundo o Contran, é evitar acidentes pela falta de manutenção dos veículos.

A lei traz exceções, como para os veículos zero-km com capacidade de até sete passageiros que não tenham se envolvido em acidentes, que farão a primeira inspeção após três anos do emplacamento. Para veículos de transporte de carga e passageiros, como VUCs ou vans e ônibus, o prazo será menor, mas varia conforme a finalidade do veículo.

Essa inspeção poderá ser feita pelos órgãos executivos de trânsito, como o Detran de cada Estado, ou por meio de pessoa jurídica de direito público ou privado, desde que credenciada pelos órgãos responsáveis. As informações são da Agência Estado.

Leia maisInspeção veicular será obrigatória no Brasil a partir de 2020

Moro sugere que Petrobras pague por denúncias internas de corrupção

Rio de Janeiro (RJ), 08/12/2017 - Os juízes federais Sérgio Moro e Marcelo Bretas e a secretária de Transparência e Prevenção da Corrupção do Ministério de Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União, Cláudia Taya, serão os palestrantes convidados do 4º evento Petrobras em Compliance no Rio de Janeiro. Foto Gabriel de Paiva / Agência O Globo

O juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, sugeriu nesta sexta-feira (8) que a Petrobras dê “incentivos financeiros” para empregados que denunciarem atos ilícitos na empresa.

Moro participou ao lado do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio, de evento sobre governança corporativa na estatal, que figura em processos julgados pelos dois.

“Talvez um incentivo financeiro possa servir como estímulo”, disse Moro, enquanto citava algumas sugestões para que a estatal evite a repetição dos crimes investigados pela Operação Lava Jato.

Ele comentou que, durante o “período de corrupção sistêmica na estatal”, havia sinais visíveis de superfaturamento em obras que depois viraram alvo da Lava Jato, mas não houve denúncias.

O presidente da estatal, Pedro Parente, afirmou após o evento que vai estudar o assunto. As informações são de  NICOLA PAMPLONA, Folha de São Paulo.

Leia maisMoro sugere que Petrobras pague por denúncias internas de corrupção

Gaddafi deu US$ 1 milhão para campanha de Lula em 2002, diz Palocci

Caravana de Lula pelo Sudeste

Em proposta de delação premiada entregue ao Ministério Público, o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci teria revelado que o ditador líbio Muammar Gaddafi doou secretamente US$ 1 milhão para a campanha presidencial de Lula em 2002. A informação é da revista “Veja”.

No suposta delação, Palocci assumiria que ele próprio seria responsável por trazer o dinheiro ao Brasil, sem deixar rastros de sua origem. Segundo a revista, ele diz ter realizado a tarefa e promete entregar os comprovantes da operação.

Lula venceu a disputa no segundo turno, contra José Serra (PSDB). Kadafi morreu em 2011, durante uma troca de tiros entre rebeldes e seus apoiadores.

O ex-ministro teria se comprometido a revelar todos os detalhes do caso, como de que maneira o dinheiro foi gasto, se o acordo de fato for assinado com o Ministério Público.

Leia maisGaddafi deu US$ 1 milhão para campanha de Lula em 2002, diz Palocci

‘Não debato com pessoas condenadas por crime’, diz Moro sobre Lula

Sergio Moro

O juiz federal Sérgio Moro disse nesta sexta-feira, 8, que “não debate publicamente com pessoas condenadas por crime” e se negou a responder fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para quem a atuação da Justiça tem servido para desmoralizar a Petrobras e o Rio de Janeiro.

Após participar de evento na sede da estatal do petróleo, no centro do Rio, Moro ainda criticou o foro privilegiado e disse que casas legislativas podem agir “com desvio de poder”, ao evitar a prisão de parlamentares, segundo a Agência Estado.

Leia mais‘Não debato com pessoas condenadas por crime’, diz Moro sobre Lula

Marco Aurélio quebra sigilo bancário de empresa de Gustavo Perrella

_MG_4588.jpg

A procuradora geral da República Raquel Dodge pediu a quebra de sigilo de Gustavo Perrella, sócio da empresa apontada por investigadores como a suposta destinatária de parte dos R$ 2 milhões entregues por delatores da JBS ao primo do senador Aécio Neves, Frederico Pacheco. A petição foi negada pelo ministro do Supremo Marco Aurélio Mello.

O magistrado, por outro lado, decretou a quebra de sigilo fiscal e bancário do senador Aécio Neves (PSDB). Período alcançado pela medida vai de 1ª janeiro de 2014 até 18 de maio deste ano, ‘a fim de rastrear a origem e o destino dos recursos supostamente ilícitos. A cautelar abarca, inclusive, os meses que antecederam a eleição presidencial daquele ano em que o tucano foi derrotado por Dilma Roussef (PT).

A quebra de sigilo, requerida pela procuradora-geral, Raquel Dodge, se estende a outros investigados na Operação Patmos – suposta propina de R$ 2 milhões da JBS para o senador. São alvos da cautelar a irmã e o primo do tucano, Andrea Neves e Frederico Pacheco, o ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG), Mendherson Souza, e as empresas Tapera e ENM Auditoria e Consultoria.  As informações são da Agência Estado.

Leia maisMarco Aurélio quebra sigilo bancário de empresa de Gustavo Perrella

Ministro Antonio Imbassahy pede demissão da Secretaria de Governo

f

O ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, pediu demissão nesta sexta-feira, 8, um dia antes da convenção do PSDB. O deputado Carlos Marun (PMDB-MS) deve assumir o lugar de Imbassahy, cuidando da articulação política com o Congresso num momento em que o governo tenta votar a reforma da Previdência na Câmara.

Em carta de três páginas enviada ao presidente Michel Temer, Imbassahy disse que foi um grande desafio atuar na função em um período de radicalização pós-impeachment, com uma grande fragmentação partidária, “em meio a enormes dificuldades econômicas e fiscais”.

“Agora precisamos novamente do apoio do Congresso para avançar com a reforma da Previdência, garantindo sustentabilidade ao sistema em benefício das próximas gerações”, escreveu o ex-ministro, que reassumirá seu mandato de deputado federal. As informações são da Agência Estado.

Leia maisMinistro Antonio Imbassahy pede demissão da Secretaria de Governo

Raiz dos crimes na Petrobras foi o loteamento político de cargos

Moro

O loteamento político dos cargos da Petrobras foi o principal motivo para a corrupção na empresa e precisa ser evitado para que não volte a ocorrer no futuro, disse nesta sexta-feira, 8, o juiz da Lava Jato Sérgio Moro, que participa do 4º Evento Petrobras de Compliance.

“A raiz dos crimes da Petrobras foi o loteamento político dos cargos da empresa, é uma história baseada em caso julgado, eles (executivos corruptos) foram nomeados para arrecadar recursos para os políticos que davam sustentação aos seus cargos”, afirmou Moro.

O magistrado ressaltou que mesmo com todas as mudanças ocorridas na empresa, que tem investido tempo e recursos na introdução da cultura da governança e da conformidade, o risco de futuros desvios na companhia não estão totalmente descartados. As informações são da Agência Estado.

Leia maisRaiz dos crimes na Petrobras foi o loteamento político de cargos

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: