Para se manter alerta, TSE vai gastar mais de R$ 26 mil com café

Resultado de imagem para gilmar no tse

Para se manter alerta, o TSE empenhou ainda R$ 26,4 mil para a compra de 3,5 mil pacotes de café em pó homogêneo, torrado e moído, do tipo superior, de primeira qualidade.

Cada unidade possui o peso total de 500g, isto é, quase duas toneladas de café foram adquiridas, segundo informações do portal Contas Abertas.

TSE fecha contrato de quase R$ 2 milhões para condução de veículos

Resultado de imagem para gilmar no tse

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que tem como presidente o ministro Gilmar Mendes, por sua vez, reservou R$ 502,2 mil para a prestação de serviços de condução de veículos de apoio administrativo mediante alocação de postos de trabalho, segundo o portal Contas Abertas.

O valor total do contrato é de R$ 1.902.874,90. A contratada deverá manter a regularidade fiscal e trabalhista da empresa durante toda a vigência do contrato, sob pena de se sujeitar às sanções administrativas por descumprimento contratual.

Senado gasta R$ 36 mil com fitas adesivas

Resultado de imagem para senado

Na lista de compras do Senado Federal nesta semana não faltaram “lacrações”. A Casa reservou R$ 36 mil para a compra de fitas adesivas, segundo informações do portal Contas Abertas.

Na lista estão 10.250 unidades de fita adesiva transparente para empacotamento, 2.050 unidades de fita adesiva transparente para pacotes e 1.000 fitas adesivas crepe para empacotamento.

Marina assume liderança em primeiro turno nos cenários sem Lula, aponta Datafolha

A pesquisa Datafolha divulgada hoje (1º.out) mostra que o nome de Lula ainda é o mais forte para a corrida presidencial de 2018. A prévia da pesquisa já havia mostrado que mesmo condenado, o petista lidera em todos os cenários simulados em primeiro e em segundo turno. Nos cenários sem Lula, Marina Silva (Rede) lidera as intenções de voto do primeiro turno, seguida de Jair Bolsonaro.

O único cenário mais apertado para o petista seria contra o juiz Sérgio Moro, que afirma que não tem intenção de concorrer. Condenado em julho por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex do Guarujá (SP), Lula corre o risco de não poder disputar a Presidência no ano que vem, se sua condenação for confirmada em segunda instância.

O Datafolha simulou cinco cenários sem Lula, e em todos eles o primeiro turno é liderado por Marina, que oscila entre 17% e 23% nesses casos. O segundo colocado é o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que tem entre 15% e 18%.

Em uma simulação de segundo turno entre os dois candidatos, Marina levaria com vantagem de 18 pontos percentuais, com 47% das intenções contra 29. As informações são de Isabella Macedo, Congresso Em Foco.

Leia maisMarina assume liderança em primeiro turno nos cenários sem Lula, aponta Datafolha

Mesmo impedido, Lula vai estar na disputa em 2018, diz Doria

Bruno Santos/Folhapress

Candidato a presidenciável tucano em 2018, o prefeito paulistano, João Doria, repete o mantra ao ser perguntado sobre o tema: “O ano que vem está longe”.

Motivos não lhe faltam. Vem sendo chamado de traidor por aliados do seu padrinho político, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que busca o Palácio do Planalto em 2018.

Nesta entrevista à Folha, defende que o PSDB, se for ter prévias para decidir o candidato tucano à Presidência da República, que as faça entre todos seu 1,2 milhão de filiados —alckmistas sugerem algo restrito, teoricamente mais sob controle do governador, embora no fundo nenhum dos dois lados acredite que o embate irá ocorrer.

Isso estabelecido, Doria fala com a naturalidade de quem está testando discursos. Definiu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o candidato a ser derrotado, esteja o petista impedido ou não de concorrer por provável condenação em segunda instância por corrupção.

Com isso, valoriza o ativo que burilou ao longo do ano, o discurso antipetista. As informações são de IGOR GIELOW, Folha de São Paulo.

Leia maisMesmo impedido, Lula vai estar na disputa em 2018, diz Doria

Primeiro-ministro espanhol diz que plebiscito catalão “não existiu”

Resultado de imagem para Primeiro-ministro espanhol diz que plebiscito catalão "não existiu"

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, declarou neste domingo (1º) que “o plebiscito [sobre a independência da Catalunha] não existiu”.

Em pronunciamento no começo da noite (horário espanhol; tarde no Brasil), o líder conservador afirmou que a consulta popular “foi impedida com o fundamento da lei, com o respaldo dos democratas, com a atuação dos tribunais”.

Rajoy defendeu a atuação da polícia, criticada pela oposição pelos embates violentos do dia. Ele disse ainda que está aberto ao diálogo para resolver a questão de maneira política.

O governo catalão, porém, tem sinalizado não ter mais paciência para negociar, após anos insistindo em se sentar à mesa com Madri.

Mais cedo, o porta-voz do governo regional catalão, Jordi Turull, havia dito que o governo espanhol responderia nas cortes internacionais pela violência usada pela polícia para impedir a realização da votação.

Leia maisPrimeiro-ministro espanhol diz que plebiscito catalão “não existiu”

Confrontos deixam 465 feridos na Catalunha

Dia do referendo da independência na Catalunha

Subiu para 465 o número de cidadãos feridos ou contundidos em confrontos com policiais neste domingo, na Catalunha, entre oss quais duas pessoas em estado mais grave. De acordo com informações do sistema de emergências médicas do governo da região, um homem foi ferido no olho com uma bala de borracha e o outro sofreu um infarto ao ser expulso de um centro de votação. Entre os policiais, foram contabilizados nove feridos até o momento.

O uso de balas de borracha está proibido na Catalunha desde 2014 quando uma mulher ficou cega depois de receber um tiro durante uma manifestação realizada em Barcelona em novembro de 2012. Entretanto, um porta-voz da polícia espanhola admitiu o uso do armamento nas ações deste domingo, segundo informações do jornal espanhol El País.

Ainda de acordo com o jornal, o ministério público da Espanha está analisando a possibilidade de punir a polícia catalã por sua atuação como uma “polícia política” neste domingo. Em comunicado, a prefeita de Barcelona Ada Colau exigiu “o fim imediato da ações policiais contra a população indefesa”. As informações são da Agência Reuters.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: