Renan e Garibaldi batem boca boca e trocam acusações no Senado

O clima esquentou hoje noite na sessão da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, quando senador Garibaldi Filho, do PMDB/RN, afirmou  que o senador Renan Calheiros, não está cumprindo o que prometeu aos senadores como líder da bancada do partido e acusou de dizer uma coisa e fazer outra, principalmente, na reforma trabalhista.

Renan reagiu as declarações de Garibaldi Filho e disse que compreendia o estado de espírito dele como tio do ex-ministro Henrique Alves que está preso como integrante de uma quadrilha. Garibaldi pediu respeito e afirmou que Renan poderia falar de Henrique Alves. O presidente do Senado, Eunicio Oliveira, encerrou a sessão e o bate boca entre os dois senadores do PMDB.

Ataque é estratégia de presidente para conquistar deputados

Michel Temer em pronunciamento após a denúncia da Procuradoria-Geral da República, nesta terça (27)

Por BRUNO BOGHOSSIAN –  Folha de são Paulo

O tom dos ataques de Michel Temer a Rodrigo Janot em discurso nesta terça-feira (27) faz parte de uma estratégia do presidente para conquistar o apoio de deputados para derrubar a denúncia apresentada contra ele pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

Ao afirmar que Janot faz acusações sem provas em busca de “destruição e vingança”, Temer decidiu apelar para o espírito de corpo em sua base aliada, uma vez que muitos deputados se sentem ameaçados por investigações abertas pelo procurador-geral.

Segundo auxiliares do presidente, o pronunciamento feito no Palácio do Planalto foi dirigido a esse público –os parlamentares que podem barrar o avanço da denúncia apresentada contra Temer por corrupção passiva na segunda-feira (26).

Leia maisAtaque é estratégia de presidente para conquistar deputados

Reforma viola direito a salário mínimo, diz procurador do Trabalho

Carteira de Trabalho

A Procuradoria Geral do Trabalho questiona a constitucionalidade do projeto de reforma trabalhista em tramitação no Senado. A proposta deve ser votada amanhã na Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

Em nota técnica, o procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury, destaca várias inconstitucionalidades na reforma, como a violação do direito fundamental ao salário mínimo. Segundo ele, esse direito está previsto no artigo 7º da Constituição, que prevê que quem trabalha tem direito a uma remuneração equitativa e satisfatória, “que lhe permita uma existência conforme a dignidade humana”.

Fleury afirma que a reforma prevê salários inferiores ao mínimo em contratos de trabalho alternativos e precários, que desconfiguram o caráter salarial de verbas remuneratórias pagas pelo empregador. As informações são da revista Veja.

Leia maisReforma viola direito a salário mínimo, diz procurador do Trabalho

Janot ajuíza ação no STF contra a lei da terceirização

O procurador geral da republica, Rodrigo Janot

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) contra a lei da terceirização. Em mais uma ação que contraria o governo Michel Temer, o procurador argumenta que há inconstitucionalidade na recente mudança de regras do mercado de trabalho e pede a suspensão das novas regras.

No pedido, Janot argumenta que houve descumprimento de um pedido do Executivo de retirada da pauta do projeto de lei que serviu de base para a lei da terceirização. O procurador-geral avalia ainda que a terceirização da atividade fim e a ampliação dos contratos temporários violam o regime constitucional de “emprego socialmente protegido” e outros itens da Constituição.

“É formalmente inconstitucional a Lei 13.429, de 31 de março de 2017, por vício na tramitação do projeto de Lei 4.302/1998, que lhe deu origem. Não houve deliberação, pela Câmara dos Deputados, de requerimento de retirada da proposição legislativa, formulado por seu autor, o Presidente da República, antes da votação conclusiva”, cita a documentação entregue ao Supremo. As informações são da revista Veja/Estadão.

Leia maisJanot ajuíza ação no STF contra a lei da terceirização

Oposição quer rito claro sobre denúncia e reclama de trocas na CCJ

Resultado de imagem para julio delgado

Parlamentares da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) receberam mensagens via celular do vice-líder do governo na Câmara, deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS), pedindo o comparecimento de parlamentares no Palácio do Planalto para acompanhar o pronunciamento do presidente Michel Temer.

Até oposicionistas como o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), receberam a mensagem que dizia que “agora é hora de unificar a base e pacificar o país”. Na CCJ desta terça-feira, discursos a favor da denúncia contra Temer. A oposição vai cobrar do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, um rito claro para a tramitação da denúncia.

— É a primeira vez que isso ocorre. Queremos sessão no plenário da Câmara num domingo e que cada deputado seja chamado para votar nominalmente e por três vezes, para ficar claro se está presente ou não – disse Júlio Delgado, elogiando a posição do presidente da CCJ, Rodrigo Pacheco, de atuar com independência na tramitação da denúncia na comissão.

Julio Delgado e outros oposicionistas pediram a renúncia de Temer.

Leia maisOposição quer rito claro sobre denúncia e reclama de trocas na CCJ

PSDB adia qualquer decisão sobre governo Temer e novo presidente do partido

A ordem na cúpula do PSDB é deixar a espuma assentar e jogar para a segunda quinzena de agosto, na segunda semana após a volta do recesso, qualquer discussão sobre apoio ao governo, posição do partido na votação sobre autorização para o Supremo Tribunal Federal (STF) processar o presidente Michel Temer e até mesmo uma reunião do Diretório Nacional para eleger uma nova Executiva Nacional e referendar o senador Tasso Jereissatti (CE) como presidente de fato do partido no lugar do senador afastado Aécio Neves. A denúncia contra Temer não deverá provocar qualquer movimento do PSDB nesse momento.

Tasso passou o final de semana em São Paulo reunido com o presidente de honra do partido, Fernando Henrique Cardoso; com o governador de São Paulo Geraldo Alckmin e outros dirigentes do partido. Todas as reuniões foram adiadas sem data para acontecer e hoje Alckmin já deu declarações defendendo a manutenção do apoio a Temer e que haja um posicionamento oficial do partido em relação à votação da denúncia na Câmara. As informações são de O Globo.

Leia maisPSDB adia qualquer decisão sobre governo Temer e novo presidente do partido

Deputada que no impeachment citou marido, depois preso, ficou ao lado de Temer em pronunciamento

A deputada Raquel Muniz (PSD-MG) — que ficou conhecida no voto pelo impeachment ao citar o marido, que acabou preso — acompanhou o pronunciamento de Michel Temer ao lado do presidente. Raquel participou do grupo de parlamentares que apoiaram Temer na ofensiva contra a denúncia oferecida pelo procurador-geral, Rodrigo Janot.

Na votação do impeachment, Raquel fez uma declaração efusiva pela aceitação do processo contra a ex-presidente Dilma Rousseff. No voto, citou o marido, prefeito de Montes Claros (MG), como exemplo de gestor. No dia seguinte, o marido de Raquel foi preso pela Polícia Federal suspeito de prejudicar o funcionamento de hospitais públicos em favorecimento de uma rede particular, gerido pela própria família. As informações são de O Globo.

Leia maisDeputada que no impeachment citou marido, depois preso, ficou ao lado de Temer em pronunciamento

Nicolao Dino lidera lista tríplice para suceder Janot

Nicolau

O vice-procurador Eleitoral, Nicolao Dino, foi o candidato mais votado hoje (27) pelos membros do Ministério Público em todo país para suceder Rodrigo Janot no comando da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Dino obteve 621 votos e encabeçará a lista tríplice, com os três mais votados, que será enviada ao presidente Michel Temer, a quem cabe a escolha do novo procurador. O mandato de Janot termina em setembro, após um período de quatro anos à frente da PGR.

A segunda colocada na lista foi a procuradora Raquel Dodge (587 votos), seguida por Mauro Bonsaglia (564 votos). As informações são da Agência Estado.

Leia maisNicolao Dino lidera lista tríplice para suceder Janot

Robinson abre oficialmente o Fórum Nacional Eólico 2017 – Carta dos Ventos

Anfitrião do evento, o governador Robinson Faria abriu oficialmente a 9º edição do Fórum Nacional Eólico 2017 – Carta dos Ventos. A solenidade ocorreu nesta terça-feira (27), na Escola de Governo Dom Eugênio Sales, no Centro Administrativo. Estiveram presentes empresários do setor de todo país, autoridades políticas e secretários de Estado.

Em seu discurso, Robinson anunciou a liberação da licença do linhão Esperanza (500KV), após uma espera de seis anos. O trecho vai passar por 14 municípios e escoar toda a energia do RN para fora do estado. Ao todo são 214 km, saindo de Ceará-mirim, passando por João Câmara e seguindo até o município de Assu.

O governador destacou o fato de a energia renovável ser considerada o futuro da humanidade diante da degradação cada vez mais intensa do meio ambiente e dos custos elevados de outras energias. Ele lembrou a importância do Fórum para o debate especializado a cerca dos rumos do uso correto desse tipo de energia.

Leia maisRobinson abre oficialmente o Fórum Nacional Eólico 2017 – Carta dos Ventos

Nélter Queiroz explica motivos que impedem Governo de solucionar problemas nas rodovias estaduais

Resultado de imagem para nelter

O deputado Nélter Queiroz (PMDB) se pronunciou nesta terça-feira (27), na Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Norte, sobre soluções para as rodovias estaduais que estão em péssima situação.

“Quero aqui deixar registrado que Governo do Estado está tendo problemas para solucionar a questão das estradas porque o governo passado desviou recursos específicos para outros fins, o que gerou dificuldades na liberação de investimentos na área”, explicou o deputado.

Ainda em seu pronunciamento, Nélter também falou sobre o contrato do Governo do Estado com o restaurante Camarões para refeições servidas à autoridades, que gerou polêmica nas redes sociais. Ele explicou que não há nada de errado com a licitação e ressaltou: “o governador Robinson vai ficar na história por ter acabado com a casa que hospedava o Governador do Estado (a residência oficial) onde era servido café, almoço e jantar”, disse o parlamentar.

Deputado anti-Temer sacado da CCJ diz que foi tratado como ‘corno’

PODER ELEIÇOES- Sao Paulo - Debate promovido pela Folha, UOL e SBT, dos candidatos a Prefeitura de Sao Paulo, Joao Doria (PSDB), Marta (PMDB), Major Olimpio (SD), Carlos Nascimento, Luiza Erundina (PSOL), Fernando Haddad(PT) e Celso Russomano (PRB). 23/09/2016 - Foto - Marlene Bergamo/Folhapress - 017

“Ficou demonstrada aquela máxima de que o corno é o último a saber. É uma coisa muito chata, fiquei estarrecido”, disse Olímpio, afirmando ter sabido da decisão pela imprensa. O Solidariedade diz que a troca nada tem a ver com o caso de Temer.

Por Ranier Bragon – Folha de São Paulo

Sacado do cargo de titular da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara por seu partido, o Solidariedade, o deputado Major Olímpio (SP) afirmou nesta terça-feira (27) que foi tratado como “corno”, o “último a saber”, e afirmou que irá votar a favor da denúncia criminal apresentada contra Michel Temer.

Olímpio, que faz duros ataques ao governo, perdeu a vaga de titular para o líder do partido, o deputado Áureo (SD-RJ).

A mudança faz parte de uma operação dos governistas para assegurar o apoio a Temer na comissão, que analisará a denúncia criminal apresentada nesta segunda-feira (26) pela Procuradoria-Geral da República.

Leia maisDeputado anti-Temer sacado da CCJ diz que foi tratado como ‘corno’

Rede apresenta novo pedido de cassação de Aécio ao Conselho de Ética

BRASÍLIA, DF, BRASIL, 04.10.2016. O senador Aécio Neves almoça com os senadores do PSDB, no 14 andar do Senado, para comemorar o resultado do primeiro turno das eleições municipais e definir a ação do PSDB no projeto de reforma política elaborado pelo partido (FOTO Alan Marques/ Folhapress) PODER

Por Talita Fernandes – Folha de São Paulo

A Rede Sustentabilidade recorreu nesta terça-feira (27) da decisão do senador João Alberto Souza (PMDB-MA) de arquivar a representação contra Aécio Neves no Conselho de Ética.

João Alberto, que preside o colegiado, deverá agora convocar uma reunião para que o plenário decida sobre o caso. O peemedebista, contudo, foi internado às pressas na tarde desta terça após se sentir mal.

De acordo com a assessoria do senador, ele passará por uma cirurgia cardíaca para a colocação de um marca-passo. Ainda não há uma data prevista para reunião do colegiado.

Se o recurso for acatado por maioria, o processo contra o tucano é aberto automaticamente e Aécio terá um prazo de até 10 dias úteis para apresentar sua defesa. O caso ficará arquivado se a maioria rejeitar o recurso.

Leia maisRede apresenta novo pedido de cassação de Aécio ao Conselho de Ética

Temer insinua que Janot recebeu dinheiro e o acusa de ‘revanche’

Pronunciamento Presidente Michel Temer 27/06/2017

O presidente Michel Temer fez nesta terça-feira (27) seu mais duro ataque contra o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, a quem acusou de buscar “revanche, destruição e vingança” ao denunciá-lo sob acusação de corrupção passiva.

No pronunciamento que fez no Palácio do Planalto, Temer pediu “provas concretas” de que cometeu qualquer ato ilícito e sugeriu que o objetivo da denúncia contra ele é “parar o país”.

Em uma grave escalada pública contra o chefe da PGR (Procuradoria-Geral da República), o presidente insinuou que Janot recebeu dinheiro por meio do ex-procurador Marcelo Miller, que deixou o Ministério Público Federal para atuar em um escritório de advocacia que negociou o acordo de leniência da JBS.

“Talvez os milhões de honorários recebidos não fossem apenas ao assessor de confiança [Miller], mas eu tenho responsabilidade e não farei ilações. Tenho a mais absoluta convicção de que não posso denunciar sem provas”, disse Temer, referindo-se ao ex-procurador como “homem da mais estrita confiança” de Janot. As informações são da Folha de São Paulo.

PSD e DEM não vão fechar questão em votação sobre denúncia na Câmara

Resultado de imagem para almoço eunicio oliveira

Para que o pedido seja aceito no Casa e, posteriormente, analisado pelo STF, precisa ser aprovado por, pelo menos, dois terços da Câmara

Thiago Faria, O Estado de S.Paulo

Líderes do PSD e do DEM na Câmara afirmaram nesta terça-feira, 27, que as bancadas dos dois partidos não devem fechar questão sobre a votação da denúncia contra o presidente Michel Temer. Para que o pedido de abertura de ação penal contra o peemedebista seja analisado no Supremo Tribunal Federal (STF), é necessária a autorização de ao menos dois terços da Casa.

Para o líder do PSD na Câmara, Marcos Montes (MG), a denúncia é grave, mas o Congresso não pode parar. “É claro que tudo está intrinsecamente ligado, mas a discussão sobre reformas não pode parar. As reformas estão aí. Há um pedido da sociedade”, disse o deputado federal ao chegar a almoço convocado pelo presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), para discutir reforma política.

O deputado Efraim Filho (DEM-PB), líder da bancada, disse que o tema do encontro na casa de Eunício será encontrar uma fórmula para a disputa eleitoral do ano que vem. “Já temos muitos consensos”, disse o deputado.

Questionado se a denúncia seria tratada do almoço, Efraim desconversou. Além de deputados da base e da oposição, participam do encontro senadores como José Serra (PSDB-SP), José Agripino (DEM-RN), Raimundo Lira (PMDB-PB), além do ex-presidente José Sarney.

Temer chama denúncia de ‘ilação’ em ataque à Procuradoria

Temer no primeiro pronunciamento após ser denunciado - Dida Sampaio/Estadão

Com uma claque de deputados aliados e ministros, o presidente Michel Temer fez nesta tarde de terça-feira, 27, um pronunciamento no Palácio do Planalto em que criticou o fatiamento da denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, oferecida contra ele ao Supremo Tribunal Federal. “Se fatiam as denúncias para provocar fatos semanais contra o governo. Querem parar o País, parar o Congresso num ato político, com denúncias frágeis e precárias. Atingem a Presidência da República, atentam contra o País”, disse.

Conforme antecipou o Estado/Brodcast, Temer disse que “reinventaram o Código Penal e incluíram uma nova categoria: a denúncia por ilação”. “Se alguém cometeu um crime e eu o conheço, logo sou também criminoso”, disse. Janot denunciou criminalmente ao STF na segunda-feira, 26, o presidente por corrupção passiva com base na delação dos acionistas e executivos do Grupo J&F, que controla a JBS. O ex-assessor especial do presidente e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures também foi acusado formalmente. As informações são de O Estado de São Paulo.

‘Sempre pela garagem, viu?’, recomendou Temer a Joesley

Palácio do Jaburu

Um dos trechos da conversa entre o presidente Michel Temer (PMDB) e o empresário Joesley Batista, da JBS, na noite de 7 de março, no Palácio do Jaburu, recuperados pela Polícia Federal, revelou uma recomendação do peemedebista ao executivo: “Sempre pela garagem, viu?”. A frase consta da perícia da PF, após o pente-fino sobre o arquivo em pendrive entregue como parte da delação de Joesley.

Naquela noite, Joesley e Temer se reuniram por cerca de 40 minutos. Na metade do encontro, o executivo diz ao presidente. “Eu, eu, prefiro combinar assim, ó: se for alguma coisa que eu precisar, tal, então eu falo com Rodrigo, se for algum assunto desse tipo aí…”

O ‘Rodrigo’ a quem Joesley se referia era o ex-assessor especial do presidente e ex-deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMRB-PR). Temer e seu aliado foram denunciados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por corrupção passiva. As informações são da Agência Estado.

A conversa segue.

Leia mais‘Sempre pela garagem, viu?’, recomendou Temer a Joesley

Relator da reforma política diz que fundo eleitoral pode vir do Planejamento

Vicente Cândido

Relator da reforma política na Câmara, o deputado Vicente Cândido (PT-SP) disse nesta terça-feira, 27, que o fundo público de financiamento de campanhas eleitorais poderá ser alojado em algum órgão da administração federal, como o Ministério Planejamento.

O fundo foi um dos temas discutidos em uma reunião do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, com presidentes, secretários e advogados de partidos políticos na sede do TSE.

Em conversa com jornalistas, Vicente Cândido voltou a defender um fundo eleitoral para o ano que vem de R$ 3,5 bilhões, e R$ 2,2 bilhões, em 2020. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia maisRelator da reforma política diz que fundo eleitoral pode vir do Planejamento

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: