Mutirão do CNJ revoga detenção de quase 22 mil presos provisórios

SÃO JOSÉ, SC, BRASIL, 26/06/2013. Uma situação considerada pelo Ministério Público como flagrante violação dos Direitos Humanos está acontecendo, mais uma vez, na carceragem da 2ª DP de São José. Em uma cela interditada há um ano pela Justiça, sem luz, ar, água nem higiene, oito presos provisórios estão detidos há dias. Um deles passou mal nesta quarta-feira e foi atendido pelo Samu. A cela foi interditada em julho de 2012, pelos mesmos motivos. (Foto: Daniel Conzi / Agência RBS) **RS e SC OUT** *** PARCEIRO FOLHAPRESS - FOTO COM CUSTO EXTRA E CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS ***

Um em cada quatro processos de presos provisórios que tiveram a prisão reavaliada por um mutirão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) teve a medida revogada.

O trabalho foi anunciado em janeiro pela ministra Cármen Lúcia, presidente do CNJ, em meio à crise do sistema penitenciário. A ação, que tinha como objetivo acelerar o julgamento desses processos, envolveu tribunais de Justiça de todos os Estados.

Os dados indicam que, de 92.292 processos de presos provisórios que tiveram a prisão reanalisada entre janeiro e abril, 21.774, ou cerca de 24%, tiveram a medida revogada. São casos em que o juiz verifica que não há necessidade de manter a prisão provisória, e o preso pode responder ao processo em liberdade. Outros 70.518 tiveram a prisão provisória mantida.

O balanço do mutirão foi divulgado nesta quinta-feira (8). Além destes 92.292 casos que ainda aguardam julgamento, foram analisados ainda outros 56.447 processos que receberam uma sentença durante o mutirão. Destes, 65% foram condenados, 8% foram absolvidos e 27% receberam outras decisões.

Leia maisMutirão do CNJ revoga detenção de quase 22 mil presos provisórios

Tribunal de Justiça determina afastamento do deputado Ricardo Motta

Resultado de imagem para deputado ricardo motta

O desembargador Glauber Rêgo, do Tribunal de Justiça do RN, determinou o afastamento do mandato do deputado estadual Ricardo Motta pelo prazo de 180 dias. A suspensão do parlamentar do exercício do cargo eletivo é o deferimento de pedido feito pelo Ministério Público Estadual. Conforme a decisão, o deputado fica proibido durante este período de utilizar os serviços fornecidos pela Assembleia Legislativa, embora sem prejuízo de sua remuneração. Ele também está proibido de acessar e frequentar as dependências da Assembleia Legislativa; de manter contato com testemunhas de acusação e com os colaboradores que firmaram acordo com o MP e, ainda, de se ausentar da Comarca de Natal por período superior a 15 dias sem informar à Justiça. A decisão será publicada na edição do Diário da Justiça Eletrônico (DJe) de hoje (8), previsto para às 20h.

Na decisão, o relator do processo observa que “no caso concreto, considero que foram demonstrados a materialidade e os indícios da autoria delitiva e/ou de participação do Deputado investigado (fumus comissi delicti) no esquema de desvio de verbas públicas no âmbito do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente – IDEMA, que importou no gigantesco prejuízo ao erário estadual de mais de R$ 19.000.000,00 (dezenove milhões de reais), mediante liberação de pagamentos, por meio de ofícios, cujas despesas correlatas inexistiam, e que supostamente foi o beneficiário de uma quantia aproximada de R$ 11.000.000,00 (onze milhões de reais), representando 60% (sessenta por cento) dos valores rastreados na operação Candeeiro”.

Leia maisTribunal de Justiça determina afastamento do deputado Ricardo Motta

Meirelles: votação da reforma trabalhista deve acontecer em junho

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, aposta em uma votação da reforma trabalhista ainda em junho, mas disse que um eventual atraso de alguns meses não perturbará os planos do governo:

— Existe uma possibilidade boa de haver uma votação ainda este mês, que é a expectativa. Agora, a questão da reforma trabalhista é a mesma da Previdência, não é uma mudança para ter um efeito emergencial nos próximos meses, mas uma medida de longo prazo. Não há dúvidas de que for aprovada em junho, melhor. Se for aprovada na primeira quinzena de julho antes do recesso, bom. Agora, se por alguma razão vote em agosto, do ponto de vista da produtividade do país não serão 15 dias ou 20 dias, um mês, que vão fazer uma diferença em algo que está aí há décadas e que vai prevalecer durante também um longo tempo.

Meirelles considera que o relatório já foi suficientemente negociado e que não deverá sofrer novas alterações: As informações são de O Globo.

Leia maisMeirelles: votação da reforma trabalhista deve acontecer em junho

Em Convenção, governador destaca crescimento do setor de serviços no RN

Durante abertura da 18ª Convenção de Comércio e Serviços do RN, o governador Robinson Faria destacou o crescimento de 6,5% do setor de serviços, fato que colocou o estado com o maior desenvolvimento percentual entre todas as unidades federativas brasileiras, de acordo com dados do IBGE. O crescimento potiguar está na contramão do cenário nacional, já que o país registrou uma retração de 5% no mesmo período.

O chefe do Executivo estadual também enfatizou outras áreas que apresentaram desempenho ascendente. Uma delas foi o turismo, setor que registrou crescimento, em 2016, de 12% na captação de turistas estrangeiros enquanto todo o Nordeste teve queda de 7,25% e, no Brasil, esse índice cresceu apenas 4%, em relação ao ano de 2015.

Robinson Faria pontuou a desoneração do ICMS incidente sobre o querosene de aviação como uma das medidas que ajudaram a impulsionar o turismo internacional. Nacionalmente, o governador destacou o ICMS zero para voos fretados.  Os investimentos no Turismo ultrapassam os R$ 60 milhões em divulgação do Rio Grande do Norte em feiras nacionais e internacionais, campanhas, material gráfico, eventos, estudos e obras.

Leia maisEm Convenção, governador destaca crescimento do setor de serviços no RN

PMDB ameaça romper aliança em 2018 se PSDB desembarcar do governo

Resultado de imagem para temer

Tucanos reagem duramente e ameaça pode precipitar decisão

Por Maria Lima – O Globo

A possibilidade de rompimento do PSDB com o governo Michel Temer, na próxima segunda-feira, levou o comando do PMDB a se reunir hoje pela manhã e mandar um recado duro para o comando tucano: se houver o desembarque, o PMDB não irá apoiar um candidato tucano em 2018 ou em uma eleição indireta, caso Temer seja afastado em algum momento. Irritada, a cúpula tucana devolveu , avisando que a ameaça “foi um tiro no pé”, “um gol contra” que só irritou ainda mais a bancada de deputados do PSDB que pressiona pelo rompimento.

O rompimento da aliança PMDB/PSDB deve complicar também o encaminhamento do processo de afastamento do senador Aécio Neves (MG), no Conselho de Ética do Senado, dominado pelos peemedebistas. Um dos caciques peemedebistas disse ao GLOBO que Aécio “foi jogado fora por eles” no primeiro dia.

— É o jogo por quem sabe jogar — declarou um dos dirigentes do PMDB após a reunião.

Leia maisPMDB ameaça romper aliança em 2018 se PSDB desembarcar do governo

STF: Nomeados em concurso por decisão judicial não têm direito à progressão funcional retroativa

Resultado de imagem para stf

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade, nesta quinta-feira, que os nomeados tardiamente em concurso público por sentença judicial não têm direito a promoções ou progressões funcionais retroativas ao momento correto do ato. A decisão tem repercussão geral, ou seja, tem que ser seguida por todos os juízes do país.

O relator do recurso, ministro Marco Aurélio Mello, afirmou que a progressão e promoção funcional retroativa gerariam uma quebra de isonomia. E destacou que o tempo no cargo não é o único requisito para progredir na carreira pública.

Leia maisSTF: Nomeados em concurso por decisão judicial não têm direito à progressão funcional retroativa

Ex-diretor do FBI diz que Trump o demitiu para prejudicar investigação sobre Rússia

James Comey

 O ex-diretor do FBI James Comey acusou nesta quinta-feira, 08, o presidente americano, Donald Trump, de demiti-lo para tentar prejudicar a investigação sobre a influência russa na eleição do republicano, no ano passado. Comey disse ter registrado notas dos nove encontros que manteve com Trump neste ano porque “possivelmente o presidente mentiria sobre eles depois”.

“Eu sei que foi demitido sobre algo envolvendo a minha condução da investigação sobre a Rússia. Isso de alguma maneira o pressionou e o irritou e ele decidiu me demitir por causa disso”, disse Comey aos senadores. 

Leia maisEx-diretor do FBI diz que Trump o demitiu para prejudicar investigação sobre Rússia

Tribunal abre ação contra primeira dama do Ceará que distribuía santinhos com notas de R$ 100

Onélia Leite Santana, mulher do governador Camilo Santana (PT) é acusada por crime nas eleições municipais de Barbalha, interior do Estado, em 2016

Igor Gadelha, de Brasília, e Luiz Vassallo, de São Paulo

O Tribunal Regional Eleitoral do Ceará recebeu denúncia contra a primeira dama do Ceará, Onélia Leite Santana, mulher do governador Camilo Santana (PT-CE), em processo em que ela é acusada de compra de votos nas eleições municipais de 2016, na cidade de Barbalha. Segundo o Ministério Público Eleitoral, Onélia prometia dinheiro, materiais de construção, bolas de futebol, entre outas benesses em troca de votos.

Em decisão que transformou a primeira dama em ré, o juiz Renato Esmeraldo Paes, da 31.ª Zona Eleitoral do Ceará, também tornou o candidato petista, Fernando Santana, cunhado de Onélia, derrotado nas eleições de 2016, em réu no mesmo processo.

Barbalha fica na Região Metropolitana do Cariri, a 553 quilômetros da capital Fortaleza. Entre as diversas situações de suposta compra de votos narradas pelo Ministério Público Eleitoral, Onélia é acusada de entregar cédulas de R$ 100 ‘grampeadas’ em santinhos de campanha aos eleitores para que votassem no cunhado.

Leia maisTribunal abre ação contra primeira dama do Ceará que distribuía santinhos com notas de R$ 100

Prefeito de Natal é denunciado por captação indevida de tributos de R$ 102 milhões

Carlos Eduardo (PDT), prefeito de Natal, foi denunciado pelo Procurador-Geral de Justiça. (Foto: Fabiano de Oliveira/G1)

O Procurador-Geral de Justiça Rinaldo Reis Lima ofereceu ao Tribunal de Justiça, nesta quinta-feira (8), denúncia contra o Prefeito de Natal, Carlos Eduardo Nunes Alves, pela captação indevida, nos anos de 2015 e 2016, de tributos que somente seriam devidos nos anos subsequentes (2016 e 2017, respectivamente).

A antecipação teve como objeto o IPTU, a Taxa de Lixo, a COSIP e a TSD (Taxa sobre Serviços Diversos), e resultou na arrecadação de cerca de R$ 46 milhões em dezembro de 2015 e de, aproximadamente, R$ 56 milhões, no último mês de 2016. No total, a manobra fiscal levou à captação adiantada de R$ 102.096.467,59, em duas oportunidades, dos contribuintes natalenses.

A atuação comissiva do Prefeito violou o art. 37 da Lei de Responsabilidade Fiscal e se enquadra, em tese, no art. 1º, inciso XXI, do Decreto-Lei 201/67, que prescreve como crime a conduta de “captar recursos a título de antecipação de receita de tributo ou contribuição cujo fato gerador ainda não tenha ocorrido”.

Leia maisPrefeito de Natal é denunciado por captação indevida de tributos de R$ 102 milhões

PT quer ‘ganhar tempo’ e ‘fato político’ para inviabilizar reforma

Lindbergh Farias (PT-RJ)

O novo líder do Partido dos Trabalhadores no Senado, Lindbergh Farias (RJ), diz que o partido quer “ganhar tempo” na tramitação das reformas no Congresso e espera “um fato político” que possa inviabilizar a aprovação da mudança da legislação trabalhista. “Nós vamos tentar ganhar no tempo. Se a gente ganha tempo aqui, um fato político pode inviabilizar a votação no plenário do Senado”, afirmou.

Mais cedo, senadores da base governista e da oposição concordaram com uma alteração do calendário da reforma que prevê agora que o parecer do projeto será votado em 20 de junho na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) – o calendário original previa votação uma semana antes, dia 13, segundo a Agência Estado.

Assim que o tema for apreciado na CAS, o tema vai para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) no dia seguinte, 21 de junho, quando será apresentado o relatório na comissão. O tema deve ser votado uma semana depois, em 28 de junho, pela manhã na CCJ e, então, estará pronto para apreciação no plenário no mesmo dia.

Leia maisPT quer ‘ganhar tempo’ e ‘fato político’ para inviabilizar reforma

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: