fbpx

20 governadores cobram mais ajuda da União para segurança pública

Resultado de imagem para No AC, 20 governadores cobram mais ajuda da União para segurança pública

Em busca de soluções para a segurança pública, 20 governadores se reuniram nesta sexta-feira (27) em Rio Branco para cobrar do governo federal mais recursos para combater o narcotráfico e controlar a fronteira.

Diante dos ministros da área de segurança do presidente Michel Temer (PMDB), os governadores defenderam mais dinheiro para segurança pública, maior controle da fronteira, endurecimento das leis e integração entre as forças de seguranças estaduais e da União.

“A curto prazo, dinheiro. A médio prazo, fundos. A longo prazo, mudanças constitucionais”, afirmou o governador de Mato Grosso, Pedro Taques (PSDB), que defendeu a criação de um ministério específico para segurança pública e um tratamento diferenciado para Estados fronteiriços.

“O México basicamente perdeu a sua juventude para as drogas. Não queremos que isso ocorra no Brasil”, afirmou o governador do Acre, Tião Viana (PT), na abertura. As informações são de FABIANO MAISONNAVE, Folha de São Paulo.

Entre os que participaram do encontro estão os governadores Geraldo Alckmin (PSDB-SP), Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ), Fernando Pimentel (PT-MG) e Amazonino Mendes (PDT-AM).

Em entrevista, Alckmin defendeu a institucionalização da agência nacional de inteligência envolvendo o governo federal e Estados para combater drogas, armas e lavagem de dinheiro.

No encontro, o tucano ofereceu aos outros Estados um convênio com o Detecta, o principal sistema de segurança paulista, que tem atravessado problemas de implantação três anos após ter sido apresentado.

Enfrentando uma grave crise de segurança e financeira, Pezão defendeu a criação de um fundo nacional de segurança pública semelhante ao Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica).

Pezão também defendeu o endurecimento da legislação –ele elogiou Temer por sancionar a lei que torna crime hediondo o porte ilegal de fuzis e metralhadoras.

Ecoando outros colegas, o governador Marconi Perillo (PSDB-GO) disse que a segurança pública deveria ficar de fora do aperto no Orçamento. “Não podemos ficar presos no teto dos gastos para o crescimento de vagas nos presídios”, afirmou.

Apesar do crescimento de experiências internacionais de descriminalização das drogas, o tema não foi tocado durante o encontro. “Não está na pauta”, limitou-se a dizer Alckmin.

O encontro teria a participação do presidente Michel Temer (PMDB), mas a viagem foi cancelada após ele se sentir mal na última quarta (25).

Representando o governo federal, compareceram os ministros Torquato Jardim (Justiça), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Raul Jungmann (Defesa) e o general Sergio Etchegoyen (Segurança Institucional).

Viana ironizou as ausências da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, e da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que teriam alegado problemas de agenda. “Talvez se tivesse sido em Paris ou na Alemanha, elas estivessem aqui”, disse, arrancando alguns aplausos.

O petista, porém, poupou os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), também ausentes do encontro.

‘ILUSÃO’

Para a socióloga Julita Lemgruber, 72, do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes, qualquer melhoria na segurança pública passa por mudanças nas leis sobre drogas.

“Não conseguiremos dar um único passo enquanto não encararmos, sem hipocrisia, a necessidade de mudança na legislação sobre drogas. De pronto, precisamos descriminalizar a maconha, como aliás defende o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, e a proposta do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ)”, escreveu a Lembruger por e-mail, após ler as propostas saídas do encontro no Acre.

Em 2014, Wyllys protocolou um projeto de lei que legaliza a produção e venda de maconha no país, com controle estatal.

“O que se vê no Acre hoje é mais uma tentativa de iludir a população. Um governo sem qualquer legitimidade, como o Temer, não vai conseguir liderar o processo de reversão de nossos índices difamantes de violência”, afirmou. “Fora isso, os governadores precisam é fazer seu dever de casa e garantir uma polícia que não use da truculência, mas da inteligência.”

“Acompanho o que se faz na área da segurança pública há 40 anos. Nessas décadas, inúmeros planos nacionais de segurança pública foram gestados e prometidos. Nunca qualquer deles saiu do papel”, escreveu. “Ao contrário, ao longo dos últimos anos, a violência cresceu e o Brasil figura com a taxa vergonhosa de 60 mil homicídios por ano. As vítimas são, sobretudo, jovens, pobres e negros.”

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

error: Content is protected !!
%d blogueiros gostam disto: