PF apreende envelope na casa da mãe de Geddel que ‘cita’ compra de avião

Geddel Vieira Lima

A Polícia Federal (PF) apreendeu na casa da mãe do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) um envelope com a inscrição “compra de avião”, anotações sobre abastecimento de uma aeronave, registros sobre compra e venda de gado e atas de reuniões da Caixa Econômica Federal. A Justiça Federal em Brasília autorizou a PF a fazer uma busca no apartamento de Marluce Vieira Lima, em Salvador, no mesmo dia em que determinou a prisão de Geddel, na última sexta-feira.

O ex-ministro e um aliado seu, o advogado Gustavo Ferraz (PMDB), estão presos preventivamente desde a descoberta de suas digitais em parte do dinheiro apreendido num “bunker” na capital baiana. A PF encontrou R$ 51 milhões em um apartamento ligado a Geddel e ao irmão dele, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), naquela que é considerada a maior apreensão de dinheiro vivo da história do país.

Além das prisões, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, titular da 10ª Vara Federal em Brasília, autorizou que buscas e apreensões fossem feitas nas residências de Geddel, Gustavo e da mãe do ex-ministro. O pedido dos mandados de busca foi feito pela PF e reiterado pelo Ministério Público Federal (MPF). As informações são da Agência Estado.
“As buscas e apreensões nas residências apontadas se mostram imprescindíveis para a localização de novos elementos probatórios dos ilícitos em apuração ou produto direto de crimes, como dinheiro em espécie”, escreveu o magistrado na decisão. “Há grande probabilidade de que no apartamento da mãe de Geddel Vieira possa existir alguma prova documental relacionada com a apreensão dos R$ 51 milhões, mesmo porque, como esclarece a autoridade policial federal, residem no mesmo prédio, o que constitui um facilitador para que elementos probatórios estejam lá escondidos”, continuou.

A análise do material apreendido ainda deve demorar, em razão do deslocamento do processo para o Supremo Tribunal Federal. Diante dos indícios de lavagem de dinheiro por parte do deputado Lúcio Geddel, que tem foro privilegiado, o caso foi remetido por Vallisney Oliveira para análise do STF. Testemunhas associaram o “bunker” a Lúcio.

Estupro. A defesa de Geddel alegou risco de “estupro” na Penitenciária da Papuda, onde o ex-ministro está recolhido desde a semana passada, em Brasília, e pediu que ele volte para o regime de prisão domiciliar em seu apartamento em Salvador.

O requerimento foi negado pela juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, que ressaltou o fato de os advogados do peemedebista terem usado informações “inverídicas” e “especulativas” na petição.

Mala. O advogado Gustavo Ferraz, aliado de Geddel, deu detalhes à PF sobre como buscou uma mala com notas de R$ 100 em São Paulo e disse que se sentiu “traído” pelo ex-mnistro.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: