Ministro da Justiça perde força no Planalto

Osmar Serraglio

Auxiliares de Temer dizem que Osmar Serraglio não tem dimensão dos problemas no campo nem capacidade para discutir questões da Lava Jato

Carla Araújo e Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

Deputado licenciado do PMDB do Paraná, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, virou motivo de preocupação e desconforto para o Palácio do Planalto por causa de atuações na área de segurança pública, nas negociações com o Congresso, no debate sobre a Operação Lava Jato e na discussão indígena.

Na semana passada, Temer pediu ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, para coordenar articulação com autoridades do Rio de Janeiro de um plano de combate à violência. O Planalto avalia que as mudanças feitas na estrutura do Ministério da Justiça, no tempo de Alexandre de Moraes, primeiro ministro do governo Michel Temer na pasta, foram paralisadas.

Na gestão de Serraglio, a Secretaria Nacional de Segurança Pública, vinculada à pasta, teve os trabalhos prejudicados. Assessores do presidente dizem ainda que a advogada-geral da União, Grace Mendonça, tem socorrido o governo nos debates envolvendo as polícias e outros temas de segurança.

Questão indígena. Serraglio é considerado um peso na imagem do governo e nos entendimentos com o Congresso. Depois de sobreviver à Operação Carne Fraca, em março, quando teve conversas polêmicas com envolvidos num esquema de propina, o ministro trouxe novos desconfortos ao Planalto pela falta de “sensibilidade” na questão de violência no campo.

Deixe um comentário