FH cita Doria e Huck e dá nó no tucanato paulista

A referência pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ao nome do apresentador Luciano Huck e do prefeito João Doria como alternativas do “novo” na eleição presidencial deu um nó no tucanato paulista. Parte do PSDB interpretou a afirmação como uma estocada no prefeito. Já outros viram a declaração como um gesto de aproximação de FH com o movimento em favor de uma candidatura de Doria a presidente em 2018.

Em entrevista publicada na última segunda-feira pela “Folha de S.Paulo”, o ex-presidente, ao comentar a tese de que Doria seria a “tábua de salvação” do PSDB, disse: “A questão é que o sistema político brasileiro não favorece a formação de líderes nacionais. Fora de campanhas, quem aparecia nacionalmente? O ex-presidente, o presidente e um ou outro candidato a presidente. Quando alguém chamava atenção? Só os mais bizarros conseguiam. Isso agora mudou. O Doria está fora [desse esquema anterior], o Luciano Huck está fora. Eles são o novo porque não estão sendo propelidos pelas forças de sempre”. As informações são de O Globo.

Especulações em torno do nome de Huck para a Presidência começaram após uma entrevista em março em que ele disse que sua geração estava preparada para chegar ao poder e deixou no ar a possibilidade de lançar-se candidato à Presidência. Há rumores de que ele poderia se filiar ao Partido Novo. Na última pesquisa Datafolha, ele apareceu com 3% das intenções de voto.

FH está entre os tucanos nada entusiasmados com a ascensão de Doria no PSDB e isso fez parte do tucanato avaliar que, ao igualar Doria a Huck, o ex-presidente quis relativizar o poder de fogo do prefeito, minando o que seria o diferencial dele numa eleição — o discurso da nova política.

— Ele rebaixou o Doria — afirmou um auxiliar do prefeito.

Não seria o primeiro recado ao empresário. Em março, FH afirmou que popularidade não era igual a credibilidade em entrevista ao GLOBO.

PROXIMIDADE COM HUCK

Entretanto, há tucanos que acreditam que o cenário político mudou com o avanço da Lava-Jato sobre presidenciáveis tucanos e que FH, quando reconhece o empresário como o “novo”, estaria sinalizando ao PSDB um recuo para uma futura aceitação de Doria.

— Acho que foi um gesto para aglutinar e não dividir — disse um dirigente.

Uma terceira interpretação levou em consideração questões pessoais.

— Ele (FH) tem relações de amizade com familiares do Huck. Com a especulação de que ele poderia sair candidato, talvez o Fernando tenha se referido ao nome dele para sondar a viabilidade — disse um ex-ministro de FH.

O padrasto do apresentador, Andrea Calabi, é amigo de FH, trabalhou no governo do tucano e foi secretário da Fazenda de São Paulo. Com o irmão de Huck, Fernando Grostein, Fernando Henrique trabalhou no polêmico documentário “Quebrando o Tabu”sobre a descriminalização da maconha em 2011.

Deixe um comentário