Prefeito de Carnaubais gasta mais de R$ 900 mil por mês com 128 afilhados políticos

Resultado de imagem para thiago e wild diniz

Com mais de R$ 13 milhões arrecadados desde janeiro quando assumiu o comando da Prefeitura de Carnaubais, o prefeito Thiago Meira, do PSDB, vem fazendo a maior farra de emprego já registrada no município com sua política de apadrinhamento de afilhados.

No total, o prefeito vem gastando mais de R$ 900 mil mensalmente com os 128 cargos comissionados. VEJA AQUI a lista dos nomes de todos os afilhados que foram contratados pela administração tucana.

Rosa Weber levará ao plenário ação contra MP que beneficiou Moreira Franco

Moreira Franco

O partido Rede questiona medida provisória que recriou Secretaria-Geral da Presidência e garantiu foro privilegiado a ministro citado na Lava Jato

Isadora Peron e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu levar ao plenário a ação proposta pela Rede que pede para que seja suspensa a medida provisória que recriou a Secretaria-Geral da Presidência da República e garantiu a prerrogativa de foro ao ministro Moreira Franco.

O julgamento deve ser marcado após as partes se manifestarem sobre o caso. A ministra deu cinco dias para a Presidência da República, a Câmara e o Senado prestarem informações. Depois disso, a Advocacia-Geral da União e a Procuradoria-Geral da República precisam se manifestar em três dias.

Leia mais

Rodrigo Maia quer usar verba da folha de pagamento da Câmara na segurança

Resultado de imagem para rodrigo maia

Em almoço com 80 prefeitos e deputados do Rio de Janeiro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avisou que deseja usar a verba arrecadada com a “venda” da folha de pagamento dos funcionários da Câmara para ajudar em políticas de segurança.

“O recurso vai para a segurança e todos os estados serão atendidos”, disse Rodrigo Maia à Coluna do Estadão.

MPF abre inquérito para investigar US$ 80 mi da JBS para Lula e Dilma

A Procuradoria da República do Distrito Federal instaurou inquérito para investigar o suposto repasse de US$ 80 milhões do Grupo J&F para os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do Partido dos Trabalhadores. A investigação é um desdobramento do acordo de colaboração premiada firmado pela Procuradoria-Geral da República e executivos do Grupo J&F, dono da JBS.

O Procedimento Investigatório Criminal (PIC) foi instaurado pelo procurador Ivan Marx porque o desmembramento promovido pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), baseou-se na conexão dos fatos narrados pelos delatores com a Operação Bullish. Deflagrada em 12 de maio, a operação mirou os aportes bilionários do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) nas empresas do Grupo J&F.

Na delação, Joesley Batista narrou que, em 2009, foi criada uma conta para receber os repasses relacionados a Lula e, no ano seguinte, outra foi aberta para envio de valores relacionados a Dilma. O empresário revelou que, em dezembro naquele ano, o BNDES adquiriu de debêntures da JBS, convertidas em ações, no valor de US$ 2 bilhões, ‘para apoio do plano de expansão’. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia mais

Vigilante é baleado em tentativa de assalto a carro-forte em Natal

Tentativa de assalto a carro-forte aconteceu no estacionamento do shopping Midway Mall (Foto: Andrea Tavares/G1)

Um vigilante foi baleado em uma tentativa de assalto a um carro-forte no estacionamento do shopping Midway Mall nesta segunda-feira (5). Ele foi socorrido com vida, segundo o portal de notícias G1 RN..

De acordo com a Polícia Militar, os criminosos anunciaram o assalto no momento em que o carro-forte estacionou. Os vigilantes reagiram e houve troca de tiros.

Os criminosos fugiram em um Honda Fit, segundo a PM, mas abandonaram o carro nas proximidades do shopping e entraram em outro veículo. A PM não soube informou se o dinheiro foi roubado.

Defesa do deputado da mala com R$ 500 mil, Rocha Loures entra com habeas corpus no Supremo

Rocha Loures

A defesa do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) entrou com um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal (STF) para que o ex-assessor especial do presidente Michel Temer, preso no sábado, 3, seja solto imediatamente.

Na peça, o advogado Cezar Bitencourt acusa o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, de decretar a prisão de Loures “na calada da noite”, determinando que a Polícia Federal fosse à residência do ex-deputado às 6h da manhã de sábado, sem submeter a decisão ao colegiado.

A defesa destaca ainda que a mulher de Loures se encontra no “oitavo mês de gravidez” e que não havia por que decretar a prisão preventiva, pois ele estava “praticamente recluso” em casa por conta da “exposição midiática a que ele e seus familiares foram expostos”. As informações são da jornalista Isadora Peron e Breno Pires, O Estado de S.Paulo

Leia mais

Imóvel comprado era contrapartida a Lula, diz ‘longa manus’ de Emílio

Ex-executivo afirmou que R$ 12 mi reservados para sede do Instituto Lula era ‘retribuição

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Luiz Vassallo e Fausto Macedo – O Estado de São Paulo

O executivo da Odebecht Alexandrino Alencar afirmou o juiz federal Sérgio Moro, nesta segunda-feira, 5, que os R$ 12 milhões reservados para compra de imóvel para abrigar a sede do Instituto Lula era “contrapartida”

“Entendo que em retribuição,  a contrapartida ao que o próprio presidente Lula fez no passado, em função da importância dele no então governo (Dilma Rousseff) e, também, no futuro político do próprio ex-presidente Lula, na época”, afirmou Alencar, um dos 77 delatores da Odebrecht.

O executivo foi ouvido como testemunha de acusação do Ministério Público Federal, no processo em que Lula é acusado de receber R$ 12 milhões em propinas da Odebrecht. O dinheiro seria oculto na compra de um terreno para sede do Instituto Lula, em São Paulo, e de um apartamento no edifício onde mora o petista, em São Bernardo do Campo.

Alexandrino era o principal canal do patriarca Emílio Odebrecht para contatos com Lula. Segundo ele, a “Odebrecht iria adquirir esse imóvel para o Instituto Lula”. “Tinha essa disponibilidade de R$ 12 milhões, e esses R$ 12 milhões seria usados para compra da sede do Instituto Lula.”

Leia mais

PF faz 84 perguntas a Temer

A Polícia Federal enviou um rol de 84 perguntas ao presidente Michel Temer no inquérito da Operação Patmos – investigação que põe sob suspeita o peemedebista no caso JBS. Na semana passada, o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), deu 24 horas para o presidente responder às indagações dos investigadores.

As perguntas foram entregues a um advogado do peemedebista, segundo informações de O Estado de são Paulo.

Temer mergulhou em sua pior crise política após ser gravado na noite de 7 de março pelo empresário Joesley Batista, da JBS, no Palácio do Jaburu. O conteúdo do áudio é peça chave do inquérito da Polícia Federal que põe o presidente sob suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro.

Leia mais

Mais de 4.620 mulheres foram assassinadas no Brasil em 2015

Encenação sobre assassinato de mulheres

Com relação ao gênero, 4.621 mulheres foram assassinadas no Brasil em 2015, o que corresponde a uma taxa de 4,5 mortes para cada 100 mil mulheres. E, mais uma vez, as diferenças raciais ficaram evidenciadas: enquanto a taxa de homicídios de mulheres não negras diminuiu 7,4%, entre 2005 e 2015, o indicador equivalente para as mulheres negras aumentou 22%.

“Ainda que, em termos de letalidade violenta, as mulheres sejam menos afligidas, este número representa uma pequena ponta do iceberg das centenas de milhares de violências (físicas, psicológicas e materiais) que afligem a população feminina, que são motivadas por uma cultura patriarcal e que passam invisíveis aos olhos da sociedade”, pontua a pesquisa.

ARMAS DE FOGO

De acordo com o estudo, 41.817 pessoas foram mortas por armas de fogo, o que correspondeu a 71,9% do total de homicídios no país, segundo pesquisa “Atlas da Violência” divulgada nesta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. As informações são de O Globo.

Mais de 318 mil jovens foram assassinados no Brasil entre 2005 e 2015, aponta pesquisa

Entre 2005 e 2015, mais de 318 mil jovens foram assassinados no país, de acordo com pesquisa “Atlas da Violência” divulgada nesta segunda-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. No intervalo desses anos, observou-se um aumento de 17,2% na taxa de homicídio de indivíduos entre 15 e 29 anos. Somente em 2015, as mortes de jovens corresponderam a 47,8% do total de óbitos.

O estudo analisa o perfil das vítimas de violência no Brasil e traz dados por estados. O número de homicídios no Brasil se manteve estável em 2015, em proporção semelhante dos dois anos anteriores. Segundo o Ministério da Saúde, nesse ano houve 59.080 mortes. Mas, se considerarmos o período de 2005 a 2015, houve um aumento de 10,6%. As informações são de O Globo.

Janot vê fortes indícios de lavagem de dinheiro em empresa de senador do PMDB

perrella

O Coaf identificou movimentações ‘suspeitas’, nos últimos três anos, que totalizaram R$ 21 milhões nas contas de empresas ligadas ao senador Zeze Perrella (PMDB-MG)

O procurador geral da República Rodrigo Janot apontou, na cota da denúncia – expediente por meio do qual a Procuradoria sugere uma série de novas medidas – por obstrução de Justiça e corrupção passiva contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) que existem ‘fortes indícios’ de lavagem de dinheiro relacionados a empresas do senador Zeze Perrella (PMDB-MG).

A Tapera Participações, que está em nome do filho do parlamentar, foi a destinatária de parte dos R$ 2 milhões entregues pela JBS a Aécio, sustenta Janot. O repasse foi filmado e gravado em ação controlada da Polícia Federal, segundo a Agência Estado.

Nesta semana, a reportagem revelou que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) comunicou à Procuradoria Geral da República a identificação de movimentações ‘suspeitas’, nos últimos três anos, que totalizaram R$ 21 milhões nas contas de empresas ligadas ao senador Zeze Perrella (PMDB-MG). Entre elas, estão um saque de R$ 103 mil de Gustavo Perrella, filho de Zeze, no dia seguinte à ação controlada em que Mendherson Souza, assessor do senador, recebeu malas de dinheiro de Frederico Pacheco, primo de Aécio – pouco antes, ele havia pego os valores com o diretor de relações Institucionais da J&F Ricardo Saud.

Leia mais

Justiça Eleitoral nega pedido de prisão de Garotinho

A Justiça Eleitoral negou nesta segunda-feira o pedido de prisão preventiva do ex-governador do Rio Anthony Garotinho. Na sexta-feira, o Ministério Público Eleitoral (MPE) havia pedido que Garotinho fosse preso por supostamente constranger autoridades por meio de publicações na internet e por ameaçar uma testemunha da Operação Chequinho, que investiga o uso de um programa social em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, para fraudar as eleições municipais do ano passado.

O pedido foi indeferido pelo juiz Glaucenir Silva de Oliveira — o mesmo que havia decretado a prisão de Garotinho em novembro. O MPE alegou que o ex-governador usava seu blog para constranger autoridades, entre elas um delegado da Polícia Federal que conduz a investigação da Operação Chequinho, na qual Garotinho é réu. Ao expor suas alegações, o magistrado diz, na decisão, que uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral permite que o ex-governador se manifeste na internet sobre o processo. as informações são de O Globo.

Tribunal decide se cassa mandato de Temer a partir desta terça

TSE

Julgamento está previsto para ocorrer até quinta-feira; pedido de vista pode ser solicitado em qualquer momento

Breno Pires e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) inicia, nesta terça-feira, 6) a partir das 19h, o julgamento da fase final do processo proposto pelo PSDB em que acusa a chapa da campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer de 2014 de prática de abuso de poder político e econômico.

Não há previsão de término do julgamento, pois um pedido de vista – mais tempo para analisar o caso -, que pode ser solicitado a qualquer momento após a leitura do voto do relator, ministro Herman Benjamin, postergaria a conclusão do processo. Estão previstas quatro sessões, as primeiras às 19h da terça 6, e às 9h da quarta-feira, 7, e as duas últimas na quinta-feira, 8, às 9h e às 19h.

A sessão da quarta-feira estava originalmente marcada para a noite, mas foi alterada para as 9h a pedido do relator, Herman Benjamin. A mudança foi informada nesta segunda-feira, 5.

A sessão inicia com a leitura do relatório de Benjamin, com o resumo das diligências, depoimentos e provas coletados, perícias e providências solicitadas. Depois, o presidente da corte, Gilmar Mendes, concederá a palavra aos advogados da acusação (PSDB) e da defesa, que terão 15 minutos cada para falarem. A seguir, o representante do Ministério Público Eleitoral poderá se manifestar, sem limite de tempo.

Lula tentou barrar depoimento de Emílio Odebrecht

Cerca de 1 hora e 30 minutos antes do início das audiências do patriarca da Odebrecht, Emilio Odebrecht, e do executivo da empreiteira Alexandrino Alencar, os advogados do ex-presidente Lula entraram com um habeas corpus, com pedido liminar, no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) para cancelar os depoimentos. As audiências começaram às 14h desta segunda-feira, 5. Não houve decisão do TRF4.

Os executivos da Odebrecht prestam depoimento em ação penal sobre propinas pagas pela empreiteira, no esquema que seria liderado pelo ex-presidente. Os valores teriam chegado a R$ 75 milhões em oito contratos com a Petrobrás e incluíram terreno de R$ 12,5 milhões para o Instituto Lula e cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo de R$ 504 mil. As informações são de O Estado de São Paulo.

Leia mais

Ex-diretor da Petrobras atuava para desviar recursos para o PP, diz Pedro Corrêa

Resultado de imagem para deputado pedro correa

O ex-deputado federal Pedro Corrêa (PP-PE) voltou a confirmar hoje (5), em testemunho ao juiz federal Sérgio Moro, que o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa atuava para desviar recursos de contratos da petroleira estatal para seu partido.

Ele mencionou desvios em ao menos dois contratos da Petrobrás: o da Refinaria Abreu e Lima e da Refinaria do Paraná. “Esses contratos tinham recursos que vinham para o partido”, afirmou o ex-deputado, que teve o mandato cassado em 2006 por quebra de decoro parlamentar.

Corrêa disse que a bancada do partido na Câmara escolheu o falecido deputado José Janene (PP-PR) e o doleiro Alberto Yousseff como operadores de propinas do PP, responsáveis por se reunir com executivos de empresas prestadoras de serviços para a Petrobrás para combinar os recursos a serem desviados.

Leia mais

%d blogueiros gostam disto: